in

MERCADO BRASILEIRO GANHA NOVA TERAPIA PARA CONTROLE DA COCEIRA EM CÃES

Apoquel, da Zoetis, promete controlar alergia à pulga, alimentar, de contato e dermatite atópica

Cláudia Guimarães, da redação

[email protected]materia

Apoquel pode ser utilizado com outras medicações e permite diagnosticar a causa de base da coceira (Foto: divulgação)

“Aqui não há espaço para a coceira”. Foi com este slogan que a Zoetis (São Paulo/SP) lançou, oficialmente, no mercado brasileiro o Apoquel: novo tratamento indicado para a cura do prurido, conhecido popularmente como coceira, associado às dermatites alérgicas caninas, incluindo a dermatite atópica (doença de pele que causa coceira associada a alérgenos ambientais).

O produto, que existe há mais de dez anos no mercado mundial, surgiu especificamente para a Medicina Veterinária, com foco em cães e não foi desviado da Medicina Humana, como comentado na cerimônia de lançamento, realizado pela Zoetis no dia 26 de julho, em São Paulo (SP).

Desde a ideia de elaborar o medicamento, foram realizados mais de 34 estudos internos para medir a farmacocinética, determinação de doses, segurança e eficácia. A médica-veterinária, graduada pela Universidade da Califórnia, onde completou sua residência em dermatologia e alergia, Candace Sousa, acompanhou a história de Apoquel desde seus primórdios, nos Estados Unidos, passando pelos estudos de aprovação e toda a experiência de mercado desde 2014.materia1

A medicação pode ser utilizada em cães com mais de um ano de idade (Foto: reprodução)

A profissional foi convidada para ministrar a palestra de apresentação do produto onde contou que Apoquel alivia a coceira em quatro horas sem os efeitos indesejáveis dos corticosteroides e da ciclosporina. É eficaz no controle do prurido associado às dermatites alérgicas, incluindo a dermatite atópica.

Candace explica que o produto é um inibidor seletivo de enzimas do tipo Janus Quinase (JAK), presentes em receptores de citocinas envolvidas no prurido em cães. “Ao ligar-se às enzimas JAK, ocorre o bloqueio da transmissão do sinal intracelular, que é gerado pela ligação das citocinas aos seus receptores. Os eventos celulares responsáveis pelo prurido, tais como produção de imonoglobulinas do tipo E, estimulação de linfócitos e produção de mais citocinas e seus receptores, são inibidos, o que acaba resultado no controle do ciclo da coceira”, relata.

O lançamento nacional melhora a qualidade de vida dos cães e de seus proprietários, de acordo com a médica-veterinária, além de apresentar um índice de segurança elevado em longo prazo, por ser o único tratamento desenvolvido especialmente para agir direto na fonte da coceira. “Apoquel também pode ser administrado com vacinas e uma série de medicações para tratamentos de curto e longo prazo e alivia a coceira em quatro horas após uma única dose”, defende Candace.

Um estudo envolvendo 436 cães foi conduzido para demonstrar a eficácia e segurança de Apoquel, nos Estados Unidos, para o tratamento do prurido e lesões de pele associados às dermatites alérgicas. “Foram envolvidos cães com dermatite atópica, dermatite alérgica por picada de pulga, alergia alimentar e dermatite de contato. Até o sétimo dia, os animais receberam Apoquel a cada 12 horas. Foi constatado que o nível de prurido considerado intenso no primeiro dia de tratamento pôde ser considerado como muito leve após sete dias”, menciona.materia3

Médica-veterinária Candace Sousa diz que não tem motivos para não pensar em Apoquel no tratamento de uma coceira (Foto: C&G VF)

A profissional compara Apoquel com a prednisolona, também utilizada para aliviar a coceira dos pets. O novo produto foi mais rápido, com efeito observado em quatro horas após a administração. No 14º dia, as melhoras de prurido, na opinião dos proprietários, e de dermatite, na avaliação dos médicos-veterinários, foram melhores com Apoquel do que com a prednisolona. “O medicamento também controlou o prurido e lesões de dermatite atópica mais rapidamente do que a ciclosporina e foi mais seguro que a mesma quanto aos efeitos gastrointestinais, como vômito e diarreia”, expõe.

A medicação pode ser utilizada em cães com mais de um ano de idade e a especialista julga válido lembrar que não se trata de um corticoide, ciclosporina e nem de um anti-histamínico. “É uma nova classe de medicamentos que apresenta segurança para o uso em curto e longo prazo”, descreve. O produto deve ser administrado em duas doses por dia, por até 14 dias. Após o 14º dia, a dose passa a ser a cada 24 horas.materia2

Lamber, mordiscar ou se arranha excessivamente, além de se esfregar ou rolar continuadamente no chão pode ser sinais de prurido (Foto: reprodução)

Prurido. A coceira em cães pode ser causada por diversos fatores, incluindo infecções, parasitas ou alergias. Algumas alergias comuns são causadas por pulgas, comida ou alérgenos ambientais, como pólens, bolores ou ácaros de poeira. As quatro alergias mais comuns são: alergia à pulga, alergia alimentar, alergia de contato e dermatite atópica. “Todo cão se coça de vez em quando, pois este é um mecanismo normal de proteção, mas quando a coceira o leva a danificar a própria pele ou a perturbar o dia a dia, isso pode ser um sinal de problema”, alerta a médica-veterinária.

Algumas pistas são importantes para o tutor suspeitar que o cão está se coçando mais que  o normal, como citado pela profissional. “Lamber, mordiscar ou se arranha excessivamente, se esfregar ou rolar continuadamente, ter perda de pelo ou problemas recorrentes nas orelhas, mudanças na pele (como feridas ou coloração escurecidas), vermelhidão na pele e odor alterado no corpo”. Diante destes sintomas, a especialista orienta a visita ao consultório veterinário, onde o cão será examinado e submetido ao tratamento adequado. “Não tenho razão para não pensar em Apoquel para tratar uma coceira”, afirma Candace.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DURANTE OS DIAS FRIOS, DOENÇAS RESPIRATÓRIAS PODEM AFETAR CÃES E GATOS

PRÊMIO INTERNACIONAL PARA ALTERNATIVAS AOS TESTES EM ANIMAIS É ENTREGUE À BRASILEIRA