Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Clínica e Nutrição

Monitoração de última geração garante a segurança dos pets durante cirurgias

Tipo de anestesia escolhida depende do estado geral da saúde do animal
Por Equipe Cães&Gatos
cão no hospital
Por Equipe Cães&Gatos

A anestesia veterinária tem evoluído significativamente ao longo dos anos, oferecendo cada vez mais segurança e conforto para os pets durante cirurgias. Até mesmo a anestesia guiada por ultrassom, que é uma possibilidade assertiva e, relativamente, nova até para os humanos, já está disponível para os procedimentos nos animais.

O médico-veterinário especializado em anestesiologia veterinária do Hospital Veterinário Taquaral (HVT), em Campinas (SP), Gabriel Aquino, explica que existem diferentes tipos de anestesia veterinária, sendo a inalatória e a injetável as mais comuns. “Muitos tutores perguntam se a anestesia será inalatória porque há um mito de que esse modelo é mais seguro. Quem vai determinar qual a melhor forma é o próprio pet, pois depende do seu estado geral”, explica Aquino. O tipo de anestesia utilizada é avaliado individualmente para cada animal, levando em consideração sua saúde geral, idade, peso e tipo de cirurgia a ser realizada.

Objetivo é garantir que o pet esteja estável e confortável durante toda a cirurgia e após ela
(Foto: divulgação/Matheus Campos)

Informação essencial

Um aspecto fundamental da anestesia veterinária é a presença do anestesista durante todo o procedimento cirúrgico. “A principal pergunta que o tutor tem que fazer quando uma cirurgia é agendada para o seu animal é: haverá um médico anestesista com o meu pet o tempo todo que durar a operação?”, frisa o Aquino. O papel do anestesista vai além de administrar a medicação, envolvendo a monitoração constante dos sinais vitais do animal, ajustes de dosagens e ações imediatas em caso de qualquer intercorrência. 

A monitoração durante a anestesia é essencial para garantir a segurança dos pets. “Utilizamos equipamentos de última tecnologia para monitorar continuamente o coração, pressão arterial, oxigenação sanguínea, frequência respiratória, nível de gás anestésico e outros parâmetros vitais dos animais durante toda a cirurgia. O objetivo é garantir que ele esteja estável e confortável durante todo o procedimento”, afirma Aquino. Esses equipamentos avançados permitem identificar rapidamente qualquer alteração no estado de saúde do animal e adotar medidas adequadas para corrigir problemas e minimizar riscos.

O veterinário ainda destaca a importância de uma equipe médica empática com os tutores durante esse processo: “O cirurgião, o anestesista e os enfermeiros precisam ter em mente que enquanto nós fazemos diariamente cirurgias em diversos animais, a visão do tutor é muito diferente, pois pode ser a única cirurgia que o tutor vai acompanhar do seu pet. Por isso, os profissionais devem entender à sua ansiedade”.

Apesar dos avanços e dos cuidados tomados, é importante ressaltar que toda anestesia apresenta riscos, assim como em procedimentos humanos. “É fundamental ter uma equipe experiente, equipamentos de qualidade e um plano de anestesia individualizado para cada animal, visando sempre a sua segurança e bem-estar. Além disso, é essencial ao tutor seguir todas as recomendações pré e pós-operatórias fornecidas pela equipe médica”, enfatiza.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Órgão Jacobson permite uma identificação mais rápida e precisa dos odores nos gatos

Enfrentamento da esporotricose demanda políticas públicas específicas

Médicos-veterinários ganham suporte para auxiliar na saúde mental 

NewsLetter

Cadastre-se agora e receba nossos boletins e atualizações em seu email. 

Integração
Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!