in

No Brasil, a disseminação da erliquiose é favorecida pelas condições climáticas

Além disso, a grande quantidade de cães errantes favorece a propagação da doença

A Erliquiose Monocítica Canina (EMC) é uma importante enfermidade infecciosa de caráter zoonótico e cosmopolita, ocasionada pela bactéria Ehrlichia canis, transmitida pelo carrapato Rhipicephalus sanguineus. Além desta, os cães podem ser naturalmente infectados com as espécies E. chaffeensis e E. ewingii. As bactérias desse gênero são gram negativas, pleomórficas e parasitas intracelulares obrigatórias de células hematopoéticas.

A importância do carrapato Rhipicephalus sanguineus, conhecido como “carrapato marrom do cão”, está relacionada a capacidade de transmitir diferentes patógenos, como Rickettsia conorii, Anaplasma platys, Babesia canis vogeli e Hepatozoon canis e a possibilidade de coinfecção no mesmo. No Brasil, a sua disseminação é favorecida pelas condições climáticas e pela grande quantidade de cães errantes.

Relato de Caso. Foi atendido, no Hospital Veterinário da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp), Câmpus de Araçatuba, um canino, macho, da raça poodle, de seis anos e oito meses, com 5,8 kg de massa corporal. A tutora relatou que o animal apresentava hiporexia há quatro dias, epífora, dispneia, e moderada ixodidiose e puliciose. Informou que administrou a medicação Nexgard na semana anterior à consulta e que ele já havia realizado tratamento para “Doença do Carrapato” há três anos e para dermatofitose há dois anos

A imunoprofilaxia estava desatualizada e a vermifugação atualizada, porém de maneira incompleta. O paciente tinha inúmeros contactantes, como galinhas, gansos e cães do condomínio em que mora, porém sem acesso à rua. No entanto, alega acesso ao rio.

Leia o relato completo na edição 260, em revistacaesegatos.com.br.

Abaixo a bibliografia consultada pelos autores:

INOKUMA, H.; OHNO, K.; ONISHI, T.; RAOULT, D.; BROUQUI, P. Detection of Ehrlichial Infection by PCR in Dogs from Yamaguchi and Okinawa Prefectures, Japan. The Journal of Veterinary Medical Science, v. 63, n. 7, p. 815-817, 2001.

AGUIAR, D. M. Erliquioses. In: JERICÓ, M. M.; KOGIKA, M. M.; ANDRADE NETO, J. P. Tratado de Medicina Interna de Cães e Gatos. 1ª ed. Rio de Janeiro: Roca, cap. 83, 2015.

BEALL, M. J.; ALLEMAN, A. R.; BREITSCHWERDT, E. B.; COHN, L. A.; COUTO, C. G.; DRYDEN, M. W.; GUPTILL, L. C.; IAZBIK, C.; KANIA, S. A.; LATHAN, P.; LITTLE, S. E.; ROY, A.; SAYLER, K. A.; STILLMAN, B. A.; WELLES, E. G.; WOLFSON, W.; YABSLEY, M. J. Seroprevalence of Ehrlichia canis, Ehrlichia chaffeensis and Ehrlichia ewingii in dogs in North America. Parasites & Vectors, v. 5, n. 29, 2012.

JONGEJAN, F.; UILENBERG, G. The global importance of ticks. Parasitology, v. 129, n. S1, p. S3–S14, 2004.

CABEZAS-CRUZ A.; ALLAIN E.; AHMAD A. S.; SAEED M. A.; RASHID I.; ASHRAF K.; YOUSFI L.; SHEHZAD W.; INDJEIN L.; RODRIGUEZ-VALLE M.; ESTRADA-PEÑA A.; OBREGÓN D.; JABBAR A.; MOUTAILLER S. Low genetic diversity of Ehrlichia canis associated with high co-infection rates in Rhipicephalus sanguineus. Parasites & Vectors, v. 12, n. 1, 2019.

MENDONÇA, C. S.; MUNDIM, A. V.; COSTA, A. S.; MORO, T. V. Erliquiose Canina: Alterações Hematológicas em Cães Domésticos Naturalmente Infectados. Bioscience Journal, v. 21, n. 1, p. 167-174, 2005.

NELSON, R. W.; COUTO, C. G.  Doenças Riquetsiais Polissêmicas. In: NELSON, R. W.; COUTO, C. G. Tratado de Medicina Interna de Pequenos Animais. 5º ed. Rio de Janeiro: GEN Guanabara Koogan, cap. 93, 2015.

BORIN, S.; CRIVELENTI, L. Z.; FERREIRA, F. A. Aspectos epidemiológicos, clínicos e hematológicos de 251 cães portadores de mórula de Ehrlichia spp. naturalmente infectados. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 61, n. 3, p. 566-571, 2009.

MOREIRA, S. M.; BASTOS, C. V.; ARAÚJO, R. B.; SANTOS, M.; PASSOS, L. M. F. Estudo retrospectivo (1998 a 2001) da erliquiose canina em Belo Horizonte. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 55, n. 2, p.141-147, 2003.

MCCLURE J. C.; CROTHERS M. L.; SCHAEFER J. J.; STANLEY P. D.; NEEDHAM G. R.; EWING S. A.; STICH R. W. Efficacy of a doxycycline treatment regimen initiated during three different phases of experimental ehrlichiosis. Antimicrobial Agents and Chemotherapy, v. 54, n. 12, p. 5012-5020, 2010.

SAINZ, Á.; ROURA, X.; MIRÓ, G.; ESTRADA-PEÑA, A.; KOHN, B.; HARRUS, S.; SOLANO-GALLEGO, L. Guideline for veterinary practitioners on canine ehrlichiosis and anaplasmosis in Europe. Parasites & Vectors, v. 8, n. 75, 2015.

BRANDÃO, L. P.; HAGIWARA, M. K. Babesiose canina: revisão. Clínica Veterinária, v. 7, n. 41, p. 50-59, 2002.

KUKRETI, K.; DAS, M. K.; RASTOGI, A. K.; Dubey, R.; PANDEY, L. K.; SHARMA, P. Prevalence of Canine Monocytic Ehrlichiosis in Canine Population Across India. Archives of Razi Institute, v. 73, n. 2, p. 87-93, 2018.

WOODY, B. J.; HOSKINS, J. D. Ehrlichial diseases of dogs. Veterinary Clinics of North America: Small Animal Practice, v. 21, n. 1, p. 75-99,1991.

SHIPOV, A.; KLEMENT, E.; REUVENI-TAGER, L.; WANER, T.; HARRUS, S. Prognostic indicators for canine monocytic ehrlichiosis. Veterinary parasitology, v. 153, n. 1-2, p. 131–138, 2008.

HARRUS, S.; WANER, T.; NEER, T. M. Ehrlichia and Anaplasma infection. In: GREENE, C. E. Infectious Diseases of the Dog and Cat. 4º ed. Saint Louis: Saunders Elsevier, cap. 26, 2011.

NEVES, E. C; SOUZA, S. F.; CARVALHO, Y. K.; RIBEIRO, V. M. F.; MEDEIROS, L. S. Erliquiose Monocítica Canina: Uma zoonose em ascensão e suas limitações diagnósticas no Brasil. Medvep, v. 12, n. 41, 2014.

LABRUNA, M. B.; PEREIRA, M. C. Carrapatos em cães no Brasil. Clínica Veterinária, n. 30, p. 24-32, 2001.

Fonte: Redação Cães&Gatos VET FOOD. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veterinário comenta mito de que felinos não precisam de visitas periódicas à clínica

Animal Planet exibe 2ª temporada de “O Aquário” e conscientiza público sobre preservação