Cães e gatos logo

Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Clínica e Nutrição

O que fazer e como diferenciar anorexia, hiporexia e seletividade alimentar?

Pets que ficam muito tempo sem se alimentar pode sofrer consequências negativas, especialmente os gatos
Por Equipe Cães&Gatos
alimentacao
Por Equipe Cães&Gatos

A dificuldade em fazer o pet se alimentar adequadamente é uma queixa comum na prática clínica de cães e gatos e, quando ocorre de forma frequente e prolongada, pode levar a consequências negativas à saúde do animal devido a ingestão insuficiente de calorias e nutrientes, perda de peso e perda de massa muscular (1). Tal fato se torna ainda mais preocupante em gatos, uma vez que possuem maior propensão a desenvolver lipidose hepática após períodos de nutrição inadequada (2).

O apetite em cães e gatos é regulado por um sistema complexo que inter-relaciona sinais metabólicos, como a liberação dos hormônios orexígenos grelina e dopamina; gastrointestinais, como a distensão gástrica e a liberação de insulina e glucagon após a digestão com efeito anorexígeno; e sensoriais, a partir de diferentes sabores, odores e texturas que podem estimular o interesse pelo alimento (2). Em um paciente saudável há um equilíbrio entre os sinais orexígenos e anorexígenos, entretanto, em pacientes com doenças agudas e crônicas, devido à liberação de citocinas inflamatórias, há uma alteração neuronal que leva à redução de sinais orexígenos e, consequente, redução na ingestão de alimentos (1). 

O primeiro passo para a avaliação nutricional de cães e gatos, de acordo com o guia desenvolvido pela World Small Animal Veterinary Association,  em 2011 (3), é obter histórico alimentar do paciente, incluindo dieta principal, petiscos, suplementações utilizadas e respectivas quantidades, permitindo com que seja estimada a ingestão calórica diária do paciente. Após o inquérito alimentar, deve ser analisado se o paciente perdeu peso recentemente e avaliado o escore de condição corporal (ECC) (4) e de massa muscular (EMM) (5). Em casos de perda de peso, redução de ECC e/ou EMM, o médico-veterinário deverá avaliar se está sendo causado por alteração de saúde, por exemplo, insuficiência pancreática exócrina ou diabetes, ou se a ingestão calórica está inadequada. Uma vez identificada uma falha na ingestão calórica, é essencial buscar e tratar a causa base da redução no consumo alimentar, além de diferenciar entre: anorexia, hiporexia e apetite seletivo para instituir o manejo nutricional mais adequado (1). 

Clique aqui para ler o artigo completo em nossa revista on-line, gratuitamente, e confira abaixo as referências utilizadas pelas autoras. 

REFERÊNCIAS 

1. Johnson LN, Freeman LM. Recognizing, describing, and managing reduced food intake in dogs and cats. JAVMA. 2017;251(11):1260–6. 

2. Agnew W, Korman R. Pharmacological appetite stimulation: Rational choices in the inappetent cat. J Feline Med Surg. 2014;16(9):749–56. 

3. Freeman L, Becvarova I, Cave N, Mackay C, Nguyen P, Rama B, et al. WSAVA Nutritional Assessment Guidelines. J Feline Med Surg. 2011;13(7):516–25. 

4. Laflamme D. Development and Validation of a Body Condition Score System for Dogs. Canine Pract. 1997;22(4):10–5. 

5. Michel KE, Anderson W, Cupp C, Laflamme DP. Correlation of a feline muscle mass score with body composition determined by dual-energy X-ray absorptiometry British Journal of Nutrition. Br J Nutr. 2011;106:57–9. 

6. Taylor S, Chan DL, Villaverde C, Ryan L, Peron F, Quimby J, et al. 2022 ISFM Consensus Guidelines on Management of the Inappetent Hospitalised Cat. J Feline Med Surg. 2022;24(7):614–40. 

7. Delaney SJ. Management of Anorexia in Dogs and Cats. Vet Clin North Am – Small Anim Pract. 2006;36(6):1243–9. 

8. Dorricott R. An investigation into different methods of encouraging voluntary intake of food in anorexic cats. Vet Nurse. 2012;3(1):48–52. 

9. Luño I, Palacio J, García-Belenguer S, González-Martínez Á, Rosado B. Emotional eating in companion dogs: Owners’ perception and relation with feeding habits, eating behavior, and emotional state. J Vet Behav [Internet]. 2018;25:17–23. Available from: https://doi.org/10.1016/j.jveb.2018.03.005

10. Jezierski T, Camerlink I, Peden RSE, Chou JY, Marchewka J. Changes in the health and behaviour of pet dogs during the COVID-19 pandemic as reported by the owners. Appl Anim Behav Sci. 2021;241(June). 

11. Morgan L, Protopopova A, Birkler RID, Itin-Shwartz B, Sutton GA, Gamliel A, et al. Human–dog relationships during the COVID-19 pandemic: booming dog adoption during social isolation. Humanit Soc Sci Commun. 2020;7(1):1–11. 

12. Angelo D, Chirico A, Sacchettino L, Manunta F, Martucci M, Cestaro A, et al. Human-Dog Relationship during the First COVID-19 Lockdown in Italy. Animals. 2021;11(2335):1–18. 

13. Holland KE, Owczarczak-Garstecka SC, Anderson KL, Casey RA, Christley RM, Harris L, et al. “More Attention than Usual”: A Thematic Analysis of Dog Ownership Experiences in the UK during the First COVID-19 Lockdown. Animals. 2021;11(1):1–31. 

14. Boardman H, Farnworth MJ. Changes to Adult Dog Social Behaviour during and after COVID‐19 Lockdowns in England: A Qualitative Analysis of Owner Perception. Animals. 2022;12(13). 

15. Dantas LMS, Delgado MM, Johnson I, Buffington CT. Food puzzles for cats: Feeding for physical and emotional wellbeing. J Feline Med Surg. 2016;18(9):723–32. 

16. Herron ME, Buffington CAT. Environmental enrichment for indoor cats. Compend Contin Educ Vet. 2010;32(12). 

17. Schipper LL, Vinke CM, Schilder MBH, Spruijt BM. The effect of feeding enrichment toys on the behaviour of kennelled dogs (Canis familiaris). Appl Anim Behav Sci. 2008;114(1–2):182–95. 

Compartilhe este artigo agora no