in

PARTICIPAÇÃO DE PETS NO CINEMA EXIGE ATENÇÃO À PERSONALIDADE DO ANIMAL

Entenda como funciona a prática pelo olhar dos treinadores

Entenda como funciona a prática pelo olhar dos treinadores

Wellington Torres, em casa

[email protected]

A participação de animais de companhia em produções televisivas ou nas grandes telas do cinema não é nenhuma novidade, muito pelo contrário. Quem nunca assistiu “Beethoven”, Marley e eu, “Entre cães e gatos” e muitos outros filmes, séries e comerciais que incluem algum tipo de pet. Mas você já se questionou como estes animais são preparados para “atuar”?

De acordo com o treinador de animais, Lucas Marques, todo o processo começa pela seleção do animal certo para a ação. “Há dois esquemas que acontecem na grande maioria dos casos: a empresa já possui determinado animal no casting, variando de espécie e treinamento ou a agência solicitante requer um animal com características especificas, como pelagem e cor, fazendo com que seja necessário buscarmos por esse animal e treiná-lo”, explica o profissional.

Para as gravações, é importante que os animais se sintam confortáveis (Foto: reprodução)

Ao que se refere ao comportamento do animal, Marques pontua que depende muito de qual será o papel desempenhado pelo mesmo ao longo do projeto. “O último filme grande que gravamos foi o “Turma da Mônica: laços”, com o personagem Floquinho, que é um dos principais da trama”.

Segundo o treinador, foi necessário que o cão aprendesse alguns comandos específicos. “Tem uma cena do filme, em que o Cebolinha apita e o cão tem de fingir de morto. Nessa parte, houve o treinamento do animal e o do elenco, onde se fez necessário a aproximação entre as crianças e o cão”, conta.

Para realizar gravações de longas metragens, Lucas defende que o animal deve ser o mais sociável possível, para que assim consiga facilmente se acostumar com os sets de filmagens. “A experiência do cachorro, junto do treinamento, é o mais importante. Quando somos solicitados para uma filmagem, levamos o animal que desempenhará o papel solicitado, um possível duble para o mesmo e um terceiro cão, do qual chamamos de estagiário. Este último nos acompanha para que já possa se acostumar com o ambiente”, informa.

clone_juice

Animais são selecionados de acordo com a necessidadeda obra (Foto: reprodução)

Pensar na saúde é imprescindível. Como pontua Marques, para qualquer espécie é necessário que previamente seja solicitado uma bateria de exames, comprovando que o “ator” estará apto para realizar o trabalho. “Durante as filmagens também é estipulado um tempo máximo de participação, nesse período é disposto ao pet água a vontade, assim como um espaço exclusivo para ele”.

Para os felinos, a Trainer e Coach, Cecy Passos, especializada na tratativa de felinos para tais fins há 2o anos, explica que muitas vezes, além do perfil visual do gato, o animal precisará ter uma maior disposição física, se o trabalho for para um filme, por exemplo. Cenário que exigirá uma pesquisa aprofundada para encontrar o felino certo.

“Há gatos que não respondem à comandos, mas são incríveis para fotos. Isso significa que a equipe que está analisando os animais para determinado trabalho deva ter uma sinergia para identificar aquele que melhor desempenhará a função desejada”, afirma.

Ainda segundo ela, diferentes dos cães, os gatos não podem ser adestrados e sim treinados. O que também dependerá da genética do felino. “No caso, ele pode até não repetir exatamente aquele comando solicitado, mas terá a memória registrada do estímulo para a ação, ofertada pela disposição genética de cada indivíduo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

REPRODUÇÃO

UNESP DISPONIBILIZA VAGAS PARA MESTRADO E DOUTORADO EM MEDICINA VETERINÁRIA

REPRODUÇÃO

ESTUDO ANALISA TÉCNICA MORGAN EM PROLAPSO DA GLÂNDULA EM BULLDOG