in

PESQUISA DA HILL’S COM A CÃO CIDADÃO ALERTA SOBRE SOBREPESO DOS PETS

Mais de 40% dos tutores de cães e gatos classificam seus pets como obesos

Mais de 40% dos tutores de cães e gatos classificam seus pets como obesos

Um levantamento da Hill’s Pet Nutrition, em parceria com a Cão Cidadão, aponta que 24,72% dos tutores de cães e gatos no Brasil consideram que seus pets estão acima do peso. Apesar de o número ser aparentemente baixo, a pesquisa indica que muitos deles não sabem identificar quando o cão ou o gato está acima do peso. Isso porque 41,04% dos entrevistados classificam seus pets com as condições corporais 7 e 9 que, de acordo com as diretrizes nutricionais da  Associação Mundial de Veterinários para Animais Pequenos (WSAVA), são condições corporais que indicam sobrepeso – entre os classificados como 7 e 9, 41,13% são cães e 30,07%, gatos.  

“Somente o veterinário pode dar o diagnóstico e fazer o planejamento do tratamento de obesidade do animal. Utilizamos o escore de condição corporal, porque é uma ferramenta fácil e prática no dia a dia e o tutor consegue também ser envolvido no processo de identificação e conscientização do problema”, afirma a supervisora de Assuntos Veterinários Hill’s Pet Nutrition, Brana Bonder. Segundo ela, fatores como a castração, a idade do animal e doenças concomitantes influenciam no desenvolvimento da obesidade, mas, no geral, o sobrepeso é resultado da combinação entre pouco gasto energético e ingestão calórica excessiva.  

Entre os entrevistados, 35,46% oferecem petiscos aos seus cães e gatos todos os dias – outros 25,30% oferecem em um ou dois dias da semana. Além disso, 24,45% dos tutores costumam complementar a ração do animal com algo. “Oferecer petiscos em excesso, seja todos dias ou em alguns dias da semana, colabora para o ganho de peso excessivo do animal”, comenta Brana.  

39,94% dos tutores de cães deixam o alimento disponívelo tempo todo para o animal (Foto: reprodução)

Agrados. Enquanto 26,22% dos tutores oferecem petiscos e guloseimas aos cachorros em um ou dois dias da semana. Entre os mais oferecidos, estão: petiscos caninos (33,24%), frutas (25,12%) e legumes (17,24%). Além disso, 70,06% dos cães são alimentados com ração, seja ela seca, úmida em lata ou de sachê. Complementar a ração com algo mais é costume de 49,67% dos tutores entrevistados. Eles geralmente fazem isso sempre ou, então, quando o cão não está comendo tudo.  

60,06% dos tutores deixam a alimentação disponível para o cão por tempo determinado, ou seja, retiram se o animal não comer tudo – enquanto 39,94% deixam o alimento disponível o tempo todo. Com relação à quantidade, 35,21% dos tutores colocam o equivalente recomendado na embalagem da ração. Já 18,91% seguem as recomendações de um veterinário e 25,25% colocam de acordo com o que acham que o cão vai comer ou quanto o animal quiser comer. 

Sobre a prática de exercícios, fator extremamente importante para manter o animal saudável, 52,93% dos entrevistados afirmam exercitar seus cães, por meio de passeios ou brincadeiras, todos os dias. “Mesmo quando o tutor não puder passear com seu cão, é importante tentar manter uma rotina de atividades capazes de fazer com que o animal gaste energia. Até mesmo na hora da alimentação ao colocar, por exemplo, a ração dentro de brinquedos que exigem que ele os movimente para receber a comida”, explica Brana.  

Felinos. 42% dos tutores oferecem o alimento na quantidade que o gato quer comer – enquanto apenas 17,43% seguem a quantidade recomendada na embalagem e, somente, 7,56%, o que o veterinário recomendou. A ração seca, úmida e a mistura entre os dois tipos prevalece como principal tipo de alimentação dos gatos, com 98,89% das respostas. 88,46% dos tutores oferecem o alimento ao seu gato em um único pote e, quando o pet não quer comer tudo na hora, 74,94% dos entrevistados deixam o alimento disponível para que ele possa comer depois – enquanto, 9,12% guardam para dar depois. Mas, no geral, 76,25% das pessoas afirmam que o gato come imediatamente. 

Sobre os petiscos, os gatos recebem menos do que os cães, de acordo com o estudo. Apenas 18,64% dos tutores oferecem guloseimas todos os dias e 23,18%, em um ou dois dias da semana. Entre os petiscos mais oferecidos aos gatos estão: petiscos felinos (53,28%), carne – crua ou cozida (14,16%), atum ou outro peixe – seja em lata ou não (10,57%) e iogurte ou leite (6,57%). Além disso, 54,31% dos tutores afirmam exercitar seus gatos com brincadeiras todos os dias da semana. Enquanto 18,60% em 1 ou 2 dias da semana. 

Realizada e promovida pela Hill’s Pet Nutrition, em parceria com a Cão Cidadão, a pesquisa foi aplicada on-line, durante os meses de fevereiro e março de 2020, e contou com 9320 respostas de tutores de animais – 69,77% donos de cães e 30,23%, de gatos. A amostra é formada por uma base de 56,82% fêmeas e 43,18%, machos; 74,14% dos animais são castrados e 25,86%, não. 

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

REPRODUÇÃO

INSTITUIÇÃO TREINA CÃES FAREJADORES PARA DETECTAR INFECTADOS PELA COVID-19

REPRODUÇÃO

POR CONTA DO COVID-19, PROCURA POR ITENS DE HIGIENE PET CRESCEU 30%