in

PESQUISA DEFENDE QUE HÁBITO DE COMER GRAMA FAZ PARTE DO INSTINTO DO GATO

Estudo levantado pela Universidade da Califórnia desvenda ato dos felinos

Estudo levantado pela Universidade da Califórnia desvenda ato dos felinos

O hábito de ingerir grama sempre foi notado pelos tutores de gatos, mas até então nada explicava com total certeza o seu significado, levando muitos a acreditar que essa ação era indício de que o felino não estava se sentindo bem.  No entanto, Pesquisadores da Universidade da Califórnia em Davis, nos EUA, acreditam ter encontrado a resposta para isso.

De acordo com o estudo levantado, a ação dos felinos, envolta por muito achismo, que parte do senso comum que os gatos comiam grama por uma possível dor de barriga ou pela necessidade em vomitar, resultou em algo muito mais simples: o vômito seria só um subproduto ocasional.

Por meio de uma pesquisa online, com mais de mil donos de gatos que tenham passado um tempo observando o comportamento dos pets, cerca de 71% dos felinos foram vistos comendo grama pelo menos seis vezes ao longo da vida, contra 11% que não. Contrariando algo que todos pensavam, apenas um em cada quatro gatos do estudo vomitavam com frequência depois de comer a grama e eles também não demonstravam sinais de doença ou mal-estar antes da ingestão.

Ao analisar os dados, os pesquisadores concluíram que a grama não teria função parecida com medicamentos que combatem azia e má digestão, na verdade, ela estaria mais para um vermífugo. Formulando uma teoria que sugere que os ancestrais dos gatos teriam aderido ao hábito de comer grama para estimular a atividade do trato digestivo, colocando para fora os parasitas intestinais.

Como parte do instinto da espécie, a prática acabou indo parar no código genético como estratégia de sobrevivência e a evolução passou ela adiante.

Fonte: Super Interessante, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL ACOMETE GRANDE QUANTIDADE DE CÃES

MÉDICA-VETERINÁRIA ALERTA SOBRE O USO DE ADORNOS EM PETS