Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Pets e Curiosidades

Pet doador de sangue? Veterinária esclarece dúvidas sobre o procedimento

Salvar vidas é um ato de amor e carinho que os animais também podem praticar por meio da doação de sangue
Por Matheus Oliveira
cachorro doador de sangue
Por Matheus Oliveira

Apesar de serem muito amados, infelizmente, os pets não estão salvos de adoecerem e sofrerem. Algumas doenças podemos evitar por meio da vacinação e cuidados diários, mas, às vezes, não nos resta opção a não ser enfrentar a doença e lutar junto com eles.

- PUBLICIDADE -

Em alguns casos, os animaizinhos ficam acometidos de enfermidades graves que tornam a necessidade de transfusão de sangue uma realidade. Você sabia que os animais também realizam doação e transfusão de sangue? Esse recurso não é restrito apenas aos humanos, e os animais também podem se ajudar entre si.

Para compreender melhor essa situação, a Equipe Cães e Gatos conversou com a médica-veterinária especializada em hematologia canina e hemoterapia de cães e gatos e diretora do Pet Care Homovet, Simone Gomes, que nos esclareceu algumas dúvidas comuns que os tutores, geralmente, possuem. Vamos, juntos, compreender um pouco mais sobre esse cenário.

Toda a doação é feita sob os cuidados de uma equipe veterinária (Foto: Reprodução)

Quando meu pet precisará de uma doação de sangue?

A doação de sangue é importante para salvar a vida de cães e gatos acometidos por várias enfermidades que causam anemia, diminuição de plaquetas ou fatores de coagulação,  semelhantes com as indicações para o ser humano. As principais enfermidades em que são indicadas as transfusões sanguíneas são:

– Anemia grave causada pelas doenças transmitidas pelo carrapato, principalmente, erliquiose e babesiose no caso dos cães. Em gatos, pode ocorrer anemia intensa em casos de micoplasmose transmitida pela pulga e doenças virais como leucemia viral felina;

– Acidentes que levam a hemorragias como atropelamentos, brigas com outros cães e picada de cobras;

– Procedimentos cirúrgicos, especialmente os tumores que são cada vez mais frequentes e correção de fraturas extensas;

– Anemia em consequência de problemas em órgãos como rins e fígado denominados de insuficiência renal e hepática, respectivamente;

– Doenças autoimunes, como anemia hemolítica imunomediada (anemia autoimune) e trombocitopenia (diminuição de plaquetas causando sangramentos);

– Pacientes oncológicos que apresentam anemia, diminuição de plaquetas e fatores de coagulação.

Alguns desses cenários acabam pegando os tutores de surpresa, e surgem várias dúvidas. Por isso, diversas pessoas não conhecem um banco de sangue pet e não sabem da importância de se tornarem doadores por meio de seus pets, ajudando a salvar diversos animais, principalmente em casos de emergência.

A doação de sangue é importante para salvar a vida de cães e gatos acometidos por várias enfermidades (Foto: Reprodução)

É um procedimento seguro? Como posso saber se meu pet pode ser um doador?

De acordo com a profissional, o procedimento, assim como em humanos, é seguro desde que sejam atendidos alguns critérios, como:

•       Os cães devem apresentar peso mínimo de 27 kg, idade entre 1 e 8 anos, temperamento dócil, vacinação e vermifugação atualizadas, controle de carrapatos e pulgas.

•       Os gatos devem ter peso mínimo de 4 kg, idade entre 1 e 8 anos, temperamento dócil, vacinação e vermifugação atualizadas, controle de pulgas e carrapatos.

“É desejável que os doadores, em ambas as espécies, não tenham doenças, não estejam em tratamento com algum medicamento, não tenham sido submetidos a alguma transfusão, não podem estar gestantes, no cio ou amamentando”, informa a profissional.

Segundo Simone, os doadores recebem uma avaliação clínica completa, com diversos exames, sejam físicos ou laboratoriais completos, além da testagem do tipo sanguíneo.  

Os gatos devem ter peso mínimo de 4 kg para serem doadores (Foto: Reprodução)

Os animais possuem diferentes tipos sanguíneos?

Sim! A veterinária comenta que os animais, assim como os humanos, possuem diferentes tipos sanguíneos. “Nos cães, são documentados mais de 12 grupos. Já os felinos possuem o sangue registrado por meio da metodologia AB, podendo variar entre A, B e AB”, revela.

Mas, mais importante que saber o tipo de sangue do doador, é o ato de doar! Diversos animais precisam, atualmente, deste tipo de socorro, e qualquer tipo é sempre bem-vindo e necessário.

Agora que você já sabe quais são as principais causas necessárias para a transfusão de sangue, além de saber como funciona os cuidados prévios e as tipologias, é importante você se conscientizar e, se possível, levar seu animal para doar.

Toda a doação é feita sob os cuidados de uma equipe veterinária, que auxiliará seu animalzinho. “A recuperação após a doação de sangue é muito tranquila, sem efeitos adversos para cães e gatos doadores. Só recomendamos evitar a prática de atividades físicas no dia da doação de sangue”, salienta.

Então, junte-se à causa dos doadores de sangue a deixe seu amigo pet salvar outros pets.

Compartilhe este artigo agora no