in

Projeto que monitora onça-parda na Mata Atlântica ajuda a entender o comportamento da espécie

É raro o ataque desse animal a humanos, ocorrendo apenas quando é submetido a uma situação de muito estresse

Tikún, um macho de onça-parda monitorado no Legado das Águas, reserva privada de Mata Atlântica, pelas câmeras do Onçafari, projeto dedicado ao estudo e conservação da vida selvagem, foi flagrado durante pequenos passeios, parada para um descanso e até marcação de território. A instalação das câmeras faz parte da parceria entre Onçafari e o Legado das Águas, que visa realizar o levantamento populacional de onças-pardas e pintadas na Reserva, para ações de proteção desses felinos na Mata Atlântica.

Os registros do Tikún foram feitos na campanha (período de tempo entre a instalação da câmera e retirada para coleta das imagens) de outubro a dezembro de 2020, realizada pelo Onçafari no Legado das Águas, que também registrou, em números absolutos, mais de 1.500 animais, divididos em 30 espécies, entre mamíferos, aves, insetos, répteis e anfíbios. A quantidade de avistamentos pelas câmeras demonstra a efetividade da parceria e a qualidade da floresta do Legado das Águas como refúgio e abrigo seguro para as espécies animais.

Monitorar e diferenciar onças-pardas (Puma concolor) é uma tarefa desafiadora. Isso porque, diferentemente das onças-pintadas (Panthera onca) – que são identificadas por suas rosetas -, os pesquisadores individualizam as pardas por marcas físicas, como cicatrizes, por exemplo. A característica que permite que o Tikún seja acompanhado é uma fratura na ponta da cauda, o que deu origem ao seu nome, que significa “quebrado”, em tupi-guarani.

De acordo com a bióloga do Onçafari responsável pelo projeto no Legado das Águas, Victória Pinheiro, as imagens mostram um animal adulto saudável. “Os vídeos mostram o Tikún descansando, passeando pela floresta e marcando território, que é quando espalham urina ou fezes para deixar o seu odor naquele espaço. Pelo porte físico, também é possível dizer que a sua saúde está em dia”, afirma.

Ao que tudo indica, o Tikún está gostando do momento de fama, já que foi registrado em quatro pontos distintos onde as câmeras estão instaladas. A frequência dos registros é essencial para fornecer informações importantes sobre a espécie, que é pouco estudada na Mata Atlântica. “É impossível dizer quando um animal será registrado novamente, ainda mais uma onça-parda, que ocupa um território amplo, percorrendo grandes distâncias, e não necessariamente os mesmos lugares. Mas os registros frequentes do Tikún podem fornecer informações importantes sobre a ocorrência da espécie e, até mesmo, do comportamento no bioma, já que os registros o mostram fazendo diferentes atividades. Esses são resultados bastante impressionantes, tanto pela frequência quanto pela quantidade”, completa a bióloga.

As onças-pardas não esturram ou rugem. Sua vocalização é similar a um miado (Foto: reprodução)

Características. A onça-parda é o segundo maior felino do Brasil, que pode ser encontrado em diversos biomas brasileiros, além do Canadá até a região meridional da cordilheira do Andes. Porém, mesmo com a ampla distribuição, é ameaçada de extinção em algumas localidades.

É uma espécie “topo de cadeia” e “bioindicadora”, isso significa que as florestas em que elas estão presentes são ambientes saudáveis, abrigando animais e vegetais que são essenciais para o bom funcionamento dos ecossistemas que produzem água, regulam o clima e protegem o solo.

As onças-pardas também têm duas características bem interessantes: diferentemente dos outros grandes felinos, como a onça-pintada, elas não esturram ou rugem. Sua vocalização (som que produz para se comunicar) é similar a um miado. Além disso, suas patas traseiras são proporcionalmente as maiores entre os felinos, o que as fazem ser ágeis, possibilitando pulos mais altos e uma habilidade extrema para subir em árvores.

Uma informação importante a ser frisada é que esse animal tem medo da presença humana. “Não somos vistos como presas. A maioria dos animais que fazem parte da cadeia alimentar das onças-pardas tem olhos na lateral do crânio e utiliza as quatro patas para se locomover, ou seja, muito diferente de nós. Essas características, entre outros fatores, fazem com que elas tenham medo de nós. Ataques a humanos, sejam de onças-pardas ou pintadas, são extremamente raros. O animal precisa ser submetido a uma situação de muito estresse, quando se sente acuado”, esclarece Victória.

O Tikún poderá ser acompanhado pelas redes sociais do Legado das Águas, basta buscar @legadodasaguas no Facebook ou Instagram.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Fernando de Noronha: Trabalho em equipe garante manejo de gatos com método CED

Projeto de Lei que possibilita o uso veterinário do canabidiol tem apoio do CFMV

Discussão: A cor dos pelos do gato influencia em seu comportamento?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fernando de Noronha: Trabalho em equipe garante manejo de gatos com método CED

Mixomatose é uma enfermidade com alta mortalidade nos coelhos de estimação