Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Pets e Curiosidades

Quais as considerações essenciais ao adotar um animal de estimação?

Posse responsável é a solução para que o número de 30 milhões de cães e gatos abandonados no Brasil não aumente ainda mais
Por Equipe Cães&Gatos
foto-adocao
Por Equipe Cães&Gatos

Diariamente, cerca de 30 milhões de animais vagam pelas ruas do Brasil sem acesso às condições básicas de convivência, como moradia, água e alimentação. De acordo com dados de 2022 da Organização Mundial da Saúde (OMS), há também um número alarmante de animais abandonados, com aproximadamente 10 milhões de gatos e 20 milhões de cães nessa situação.

A médica-veterinária e professora do curso de Medicina Veterinária, do Centro Universitário de Jaguariúna (UniFAJ), parte do Grupo UniEduK, Aline Ambrogi, destaca que essa realidade é diretamente atribuída à falta de responsabilidade por parte dos tutores em relação ao bem-estar de seus animais de estimação. 

É essencial oferecer um espaço físico adequado para que o pet tenha os cuidados mínimos de higiene e para gastar suas energias (Foto: reprodução)

“O motivo principal do abandono é a irresponsabilidade na hora de comprar ou adotar o pet e não se preparar financeiramente e estruturalmente para isso. Afinal, os animais vivem em média 12 anos e durante esse tempo tudo pode acontecer”, revela. Segundo ela, separações, mudanças no trabalho, problemas de saúde com o animal são alguns imprevistos. “Apesar disso, a posse responsável significa que o animal será de sua responsabilidade por muito anos, independente dos acontecimentos inesperados”, adiciona. 

Pesquisa divulgada em 2023, pelo Instituto Pet Brasil, revelou que o país possui cerca de 185 mil animais abandonados ou resgatados e que estão sob tutela de organizações não governamentais (Ongs) e grupos protetores. Desse número, 60% são resgatados após maus-tratos e 40% frutos de abandonos. 

Entre os principais motivos do abandono, de acordo com uma pesquisa publicada pela Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV-SP, estão os problemas comportamentais dos cães (46,8%); mudanças na disponibilidade de espaço ou nas regras de conduta social do espaço ocupado pelo ser humano (29,1%); o estilo de vida do proprietário do cão (25,4%) e a diferença entre a expectativa ao adquirir o cão e a realidade de cuidados necessários (14,9%). 

O abandono dos animais é crime no Brasil, de acordo com as leis federais 9.605/98 (art. 32), conhecida como Lei de Crimes Ambientais; e 13.426/2017, popularmente chamada de Lei Sansão. Há ainda um acordo universal com 5 liberdades que garantem bem-estar ao animal e devem ser aplicadas a todas as espécies. São elas: livre de sede, fome e má nutrição; livre de desconforto; livre de dor e doenças; livre de medo e estresse; além de liberdade de expressarem seus comportamentos. 

Problemas sanitários 

Entretanto, o acúmulo de animais de rua é cada vez mais comum e pode trazer malefícios não somente ao pet, mas também prejuízos às questões sanitárias. É o que alerta o médico-veterinário e supervisor da Clínica de Pequenos Animais do Hospital Veterinário do Centro Universitário Max Planck (UniMAX Indaiatuba), do Grupo UniEduk, Igor Moretto Soffo.

O animal é também um membro da família e, diariamente, precisa de atenção do tutor (Foto: reprodução)

“Animais abandonados tornam-se errantes e podem ser vetores de doenças tanto para humanos quanto para outros bichos. Estes podem ficar doentes e encarar sofrimento e dor, podendo ainda atacar outros animais. Há ainda o risco de causarem acidentes automobilísticos e prejuízos materiais”, salienta. 

Como medidas para reduzir o abandono de animais no Brasil, os médicos-veterinários da UniFAJ e UniMAX destacam a importância da execução de algumas medidas. 

“A questão mais importante é a campanha de castração para beneficiar tutores de baixa renda. Quanto maior for o número de animais castrados, menor será a reprodução exponencial deles durante os anos. Além disso, as campanhas devem levar a informação sobre posse responsável, para que as pessoas se conscientizem de que um animal viverá por muitos anos e o tutor é responsável por seu bem-estar. “Adotar ao invés de comprar também é uma forma de diminuir o número de animais abandonados”, revela Aline. “Punições efetivas, criminal e administrativa, focadas em repreensão aos maus tratos, ajudaria na investigação e caracterização do crime, permitindo assim a entrada de valores que podem ser investidos na causa”, complementa Igor. 

Confira 7 dicas para uma adoção responsável: 

  • 1 – Tempo disponível: O animal é também um membro da família e, diariamente, precisa de atenção do tutor; 
  • 2 – Espaço disponível: é necessário ter um espaço físico adequado para que o pet tenha os cuidados mínimos de higiene e para gastar suas energias; 
  • 3 – Ambiente familiar: promova uma integração do animal com as pessoas/animais da casa, para que ele sinta cada vez mais parte da família; 
  • 4 – Conheça a raça: é preciso conhecer a fundo sobre o temperamento do animal, pois cada raça tem a sua peculiaridade; 
  • 5 – Expectativa x Realidade: é preciso aceitar que a expectativa criada nem sempre acontece na prática. Por isso, tenha paciência com o pet; 
  • 6 – Saúde é investimento: assim como os humanos, cães e gatos necessitam de acompanhamento médico, se possível a cada seis meses; 
  • 7 – Vida saudável: é fundamental conhecer o tempo de vida do animal e a convivência saudável durante todas as fases de sua vida;

Fonte: Grupo UniEduK, adaptado pela equipe Cães e Gatos.

LEIA TAMBÉM:

Braz Cubas inaugura Clínica-Escola de Medicina Veterinária

Saúde oral dos pets é uma questão de amor e cuidado

Veterinários de MG auxiliam animais afetados pelas enchentes no Espírito Santo