Cães e gatos logo

Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Clínica e Nutrição

Quais os corantes sintéticos e naturais considerados seguros para os animais de companhia?

Por Equipe Cães&Gatos
corantes
Por Equipe Cães&Gatos

Uma dieta de boa qualidade e nutritiva é essencial para a saúde e o bem-estar dos nossos pets. Hoje, a maior parte dos cães e gatos é alimentada com rações secas ou úmidas, sendo incluídos nesses alimentos aditivos sintéticos para garantir efeitos como a redução dos processos oxidativos e do crescimento microbiológico e manutenção das características desejáveis ​​de cor, sabor, textura, estabilidade, resistência à deterioração, entre outros.

O consumo de aditivos alimentares aumentou consideravelmente nas últimas décadas por nós, humanos, e por nossos animais de estimação. Esses aditivos são, frequentemente, suspeitos de causar problemas de saúde em animais de estimação, mas são poucos os estudos que fundamentem ou refutem essas suspeitas.

Os corantes sintéticos são um exemplo de aditivo utilizado, principalmente, nas rações secas e úmidas (latas e sachês) de menor custo, como os alimentos do segmento econômico e parte dos produtos premium, com a principal função de atrair o tutor, já que para os animais o uso de corantes não influencia na aceitação dos alimentos. Já na categoria super premium a maior parte dos fabricantes opta por não usar corantes sintéticos, dado o objetivo de fornecer produtos de qualidade superior, além do fato de atender um público de tutores que busca cada vez mais empresas que minimizem o uso de aditivos e optem por versões naturais, consideradas por eles como mais seguras e saudáveis. 

Os corantes sintéticos já foram relacionados a alguns problemas em humanos, como por exemplo o aumento da inflamação intestinal. Por esse motivo, alguns desses aditivos tiveram seu uso restrito pelo FDA americano ou pela União Europeia. Em animais os dados são mais escassos, havendo um relato de associação entre agentes corantes e eritema multiforme em cães e gatos, embora não tenha sido comprovado.

Existem diversos corantes sintéticos e naturais, mas até o momento apenas três são considerados prejudiciais à saúde humana ou animal com evidências científicas que suportem esse risco. São eles a tartrazina, os corantes caramelos e o dióxido de titânio.

Para ler o artigo completo, acesse a edição de 277, de setembro de 2022. Clique aqui.

(Foto: C&G VF)

Abaixo, as referências utilizadas pelas autoras. 

Bibliografia

  1. FEDIAF (2018a) Additives. Fact sheet. European Pet Food Industry Federation. http://www.fediaf.org/images/fact-sheets/FEDIAF_Additives.pdf. Accessed May 24, 2021
  2. Roudebush, P. & Cowell, C. S. (1992) Results of a hypoallergenic diet survey of veterinarians in North America with a nutritional evaluation of home-made diet prescriptions. Veterinary Dermatology 3, 23-28
  3. Roudebush, P. (1993) Pet food additives. Journal of the American Veterinary Medical Association 203, 1667-1670
  4. Craig, J. M. (2019) Food intolerance in dogs and cats. Journal of Small Animal Practice 60, 77-85. https://doi.org/10.1111/jsap.12959
  5. Craig, J. M.; (2021). Additives in pet food: are they safe? Journal of Small Animal Practice, pag. 1-12.
  6. Pollock, I. & Warner, J. O. (1990) Effect of artificial food colours on childhood behaviour. Archives of Disease in Childhood 65, 74-77
  7. Voidani, A. & Voidani, C. (2015) Immune reactivity to food coloring. Alternative Therapies in Food and Medicine 21, 52-62
  8. Mason, K. (1993) Cutaneous drug eruptions. In: Advances in Veterinary Dermatology. Workshop Report 450, Vol. 2. Eds P. J. Ihrke, I. S. Mason and S. D. White. Pergamon Press, Oxford, England
  9. Ros, A. J. L. & Michaelson, G. (1976) A follow-up study of patients with recurrent urticaria and hypersensitivity to aspirin, benzoates and azo dyes. British Journal of Dermatology 95, 19-24
  10. Swain, A. R. & Loblay, R. H. (1985) Adverse reactions to tartrazine. Food Technology in Australia 37, 508-514
  11. Amin, K.A.; El-Shehri, F.S. (2018). Toxicological and safety assessment of tartrazine as a synthetic food additive on health biomarkers: A review. African Journal of Biotechnology, 17(6).
  12. EFSA (2016a) Safety and efficacy of tartrazine (E102) for cats and dogs, ornamental fish, grain-eating ornamental birds and small rodents. EFSA Journal 14. 
  13. Bafana, A., Devi, S. S. & Chakrabati, T. (2011) Azo dyes: past, present and the future. Environmental Reviews 19, 350-371. https://doi.org/10.1139/a11-018
  14. EC (2020) EU register of animal feed additives. https://ec.europa.eu/food/safety/animal-feed/feed-additives/eu-register_en. Accessed May 24, 2021
  15. Sengar, G. & Sharma, H. K. (2012) Food caramels: a review. Journal of Food Science and Technology 51, 1686-1696
  16. Jacobson, M. F. (2012) Carcinogenicity and regulation of caramel colorings. International Journal of Occupational and Environmental Health 18, 254-159 
  17. Rowan, Sheldon; Bejarano, Eloy; Taylor, Allen (2018). Mechanistic targeting of advanced glycation end-products in age-related diseases. Biochimica et Biophysica Acta (BBA) – Molecular Basis of Disease, 1864, p. 3631–3643.
  18. Skocaj, M., Filipic, M., Petkovic, J., et al. (2011) Titanium dioxide in our everyday life; is it safe? Radiology and Oncology 45, 227-247
  19. Grande, F.; Tucci, P. Titanium Dioxide Nanoparticles: a Risk for Human Health?  Mini Reviews in Medicinal Chemistry, Volume 16, Number 9, 2016, pp. 762-769(8)
  20. EC (2019) Summary report of the Standing Committee on plants, animals, food and feed held in Brussels on 13 May, 2019. sante.ddg2.g.5(2019)3801238. https://ec.europa.eu/food/sites/food/files/safety/docs/reg-com_toxic_20190513_sum.pdf. Accessed May 24, 2021
  21. Sharma, S., Sharma, R. K., Gaur, K., et al. (2019) TiO2 nanoparticles in sunscreen. Materials (Basel) 12, 2317
  22. Bettini, S., Boutet-Robinet, E., Cartier, C., et al. (2017) Food-grade TiO2 impairs intestinal and systemic immune homeostasis, initiates preneoplastic lesions and promotes aberrant crypt development in the rat colon. Scientific Reports 7, 40373. 
  23. Cao, X.; et al (2020). Foodborne Titanium Dioxide Nanoparticles Induce Stronger Adverse Effects in Obese Mice than Non-Obese Mice: Gut Microbiota Dysbiosis, Colonic Inflammation, and Proteome Alterations. Small, Volume16, Issue36, september.

LEIA TAMBÉM:

Raça Corgi é conhecida como “cães da realeza” e precisa de cuidados especiais

FCAV-Unesp realiza curso Teórico-Prático sobre Nutrição de Cães e Gatos

Médico-veterinário alerta para o perigo de intoxicação em animais de companhia

Compartilhe este artigo agora no