Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Pets e Curiosidades

Quais os principais cuidados com o pet operado?

Atenção especial garante plena recuperação do animal
Por Equipe Cães&Gatos
foto-cuidados
Por Equipe Cães&Gatos

É cada vez mais comum os tutores investirem nos cuidados com a saúde de seus animais de estimação, o que tem gerado um aumento na procura por procedimentos cirúrgicos em cães e gatos. Esse fenômeno não só reflete uma maior conscientização por parte dos tutores, mas, também, os avanços contínuos da Medicina Veterinária.

Quando falamos da cirurgia em animais, estamos abordando um tema amplo. Afinal, há muitos tipos de operações. Seja uma cirurgia de castração, um procedimento odontológico ou uma intervenção mais complexa, um fato é consenso, quando os amigos peludos passam por um procedimento veterinário, é natural que seus tutores queiram garantir o melhor cuidado possível.

É comum que nas primeiras horas após a cirurgia o pet fique mais sonolento e menos ativo (Foto: reprodução)

Assim como os humanos, os animais precisam de atenção especial e cuidados específicos pós-operatórios para sua recuperação. A médica-veterinária gerente de Produtos da Avert Saúde Animal, Pamela Meneghesso, reuniu alguns cuidados essenciais para essa fase:

Siga as orientações do veterinário: Antes e após a cirurgia, tire dúvidas e siga, atentamente, as orientações do médico-veterinário responsável pelo procedimento. Após o processo, o uso de anti-inflamatórios, analgésicos e antibacterianos pode ser recomendado para administração em casa. O tutor deve ler atentamente a receita e certificar-se de administrar todos os medicamentos conforme as instruções.

Monitore a evolução do pet: O tutor deve acompanhar o comportamento do pet. É comum que nas primeiras horas ele fique mais sonolento e menos ativo. Mas, se o animal apresentar sinais, como sangramento excessivo, inchaço, vermelhidão, secreção anormal, dificuldade para respirar ou comer, vômitos persistentes, entre outros, é importante entrar em contato imediatamente com o veterinário.

Controle o nível de atividade do pet: É natural que o animal não entenda que precisa evitar realizar certas atividades, como correr, subir no sofá ou brincar com outros pets. Desta forma, o tutor precisa preparar um espaço confortável e seguro para recuperação. Fornecer uma cama macia e aconchegante em um local calmo da casa, longe de ruídos e movimentações intensas, ajudará o animal a se sentir seguro e relaxado durante o período e evitará que ele faça movimentos bruscos que podem romper os pontos

Oferecer muito carinho e atenção ajudará o animal a se sentir confortável e seguro (Foto: reprodução)

Mantenha uma alimentação e hidratação adequadas: Manter uma dieta balanceada e equilibrada durante o processo de recuperação é fundamental. Se o veterinário recomendar uma dieta específica ou restrições alimentares, é importante seguir as orientações rigorosamente. Em alguns casos, pode ser necessário oferecer alimentos mais macios ou em pedaços menores para facilitar a ingestão, especialmente se a cirurgia envolver a boca ou o sistema digestivo. A ingestão de água também deve ficar no radar dos tutores, o animal deve se manter hidratado, bem como realizar suas necessidades fisiológicas como de costume.

Atenção ao manejo da ferida cirúrgica: Deve-se seguir as instruções do veterinário para realizar o manejo da ferida cirúrgica com curativo e higienização diários. Durante a troca do curativo é recomendada a lavagem da área com solução fisiológica e gaze estéril, sendo muito importante secar a ferida após a lavagem. O uso de curativo pós-cirúrgico desenvolvido para pets também é indicado por proporcionar rapidez, eficiência e segurança no processo de cicatrização, além de proteger a ferida. No mercado é possível encontrar uma tecnologia com maior absorção de exsudatos (secreções )que auxilia a prevenir infecções, produzida com fibras de celulose virgem natural, sem adição de produtos químicos e géis absorventes, além de contar com uma barreira SMS (Spunbond-Meltblown-Spunbond) que, além de ser hidrofóbica, impede que patógenos entrem em contato com o ferimento.

Esteja presente: Durante o período de recuperação, o animal pode se sentir vulnerável e ansioso. Oferecer muito carinho e atenção ajudará ele a se sentir confortável e seguro. A presença do tutor também é um fator que auxilia na recuperação do animal, além de ajudar a fortalecer o vínculo entre eles.

Fonte: Avert, adaptado pela equipe Cães e Gatos.

LEIA TAMBÉM:

Obesidade reduz em até dois anos a expectativa de vida dos pets

Veterinários se desafiam ao dar o prognóstico de um pet oncológico para o tutor

O que a lei diz sobre o transporte de animais em veículos?