in

QUEM VÊ CARA… NÃO VÊ CORAÇÃO

E menos ainda a Dirofilaria immitis dentro dele

Norma Labarthe – Fiocruz
Jonimar Paiva – UFRRJ

O cenário atual da Dirofilariose no Brasil não permite mais o uso de “jargões” como: “Só tem infecção no litoral”; “Aqui, o clima é frio e não tem mosquitos”; “Cão de dentro de casa não é picado por mosquitos” e por aí vai…

Pesquisas mostram altas prevalências em regiões litorâneas, onde os principais mosquitos vetores são mais abundantes e as condições ambientais são ideias para a manutenção de seu ciclo, mas isso não anula o risco de transmissão em outras regiões.

O recente trabalho, que realizou levantamento nacional da doença revisitando focos conhecidos no passado, ‘Updated canine infection rates for Dirofilaria immitis in areas of Brazil previously identified as having a high incidence of heartworm-infected dogs. Labarthe et al. Parasites & Vectors 2014’, apresenta algumas características epidemiológicas dos cães infectados em áreas de alta prevalência tais como: maiores taxas de presença de antígeno em cães de porte médio-grande e grande; cães mantidos em quintais e de pelagem curta. As menores taxas de infecção foram observadas em cães de pelagem branca. Tais características não se repetiram em áreas de prevalência menor que 20%, sugerindo que são características secundárias e apenas percebidas se a taxa de infecção na região for muito alta. O tempo em que o animal vivia na região também não foi correlacionado aos resultados encontrados, portando parece que as infecções ocorrem rapidamente, o que demonstra a necessidade da prevenção mesmo que a exposição seja por poucos dias.

Estes achados reforçam a informação de que a infecção não está restrita às características individuais dos cães e que tão logo um cão chegue a uma área endêmica a infecção pode acontecer. Não se pode olhar para um animal e por sua característica física ou pela forma pela qual é mantido, prever o risco a que está exposto ou sua probabilidade de estar infectado.

O valor preditivo da sintomatologia clínica da doença também não ajuda no diagnóstico. A maioria dos cães infectados é assintomática e não se pode usar a presença de sinais clínicos como motivo para testar um animal. Todos devem ser examinados anualmente e testes específicos para detecção da infecção realizados sempre.

A fisiopatogenia da dirofilariose canina tem evolução crônica e depende de fatores como, carga parasitária que o cão alberga, tempo de infecção e nível de atividade física do animal. A presença de vermes adultos na árvore arterial pulmonar causa alterações do endotélio e da musculatura lisa gerando processo obstrutivo que irá sobrecarregar ao longo do tempo o trabalho do ventrículo direito no que diz respeito à manutenção do fluxo sanguíneo para o pulmão.

Diante disso, quanto maior a carga parasitária, menor pode ser o tempo para esta sobrecarga se tornar, de fato, prejuízo ao trabalho cardíaco, chegando ao desenvolvimento da insuficiência cardíaca congestiva direita (ICCD). O tempo de infecção se traduz em maior exposição da árvore arterial à presença do verme adulto e a atividade física representa maior exigência do fluxo sanguíneo para suprir as necessidades metabólicas.

A questão é: esta evolução crônica mantém o cão por muito tempo assintomático e com o avançar da idade, o início dos sinais e até mesmo os achados eventuais de exames complementares como a radiografia torácica, podem se misturar com processos esperados da senilidade como a bronquite crônica. O comum achado de aumento atrioventricular direito, esperado em tantas causas de Cor Pulmonale, que não trazem a preocupação do desenvolvimento da ICCD, pode estar associado também a dirofilariose e esta sendo mascarada.

Em avaliações cardiovasculares da rotina geriátrica mais minuciosa como a realização do exame ecodopplecardiográfico, os achados de hipertrofia excêntrica ou dilatação do ventrículo direito, dilatação atrial direita, refluxo tricuspídeo, retificação do septo interventricular e hipertensão pulmonar estimada, podem ser interpretadas de forma semelhante, a causas mais simples de Cor Pulmonale, ao menos que este animal seja portador de carga parasitária alta ou tenha tamanho pequeno o suficiente para que os vermes adultos estejam alojados no tronco pulmonar ou no coração direito e possam ser visualizados por este exame.

Considerando todo este contexto de processo mórbido, muitas vezes silencioso, que gradativamente reduz a qualidade de vida dos cães e os coloca, uma vez infectados, como fonte de infecção para outros animais, a Medicina Veterinária necessita trabalhar de forma preventiva.

Evitar a exposição à possibilidade de infecção, ou seja, orientar os tutores dos cães a iniciarem o programa profilático às oito semanas de vida do animal com as lactonas macrocíclicas disponíveis no mercado, e assim manter por toda a vida é praticar medicina veterinária de boa qualidade.

Caso o momento da rotina pediátrica já tenha passado e este paciente seja jovem ou adulto, ele deve ser testado e uma vez livre da presença de antígenos e de microfilárias circulantes, a profilaxia deve ser iniciada e o animal retestado em seis meses.

O diagnóstico da dirofilariose canina e a recomendação da profilaxia devem fazer parte da rotina clínica, independente de local onde o animal resida, de suas características individuais e da presença de sinais clínicos ou de achados de exames complementares.

Nenhum animal está livre de ser infectado por Dirofilaria immitis e, definitivamente, quem vê cara não vê coração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

APESAR DA BAIXA ADESÃO, AÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA RELACIONADAS ÀS ZOONOSES DEVEM SER PRATICADAS POR MÉDICOS-VETERINÁRIOS

PROFISSIONAIS BRASILEIROS VENCEM CONCURSO DE MÉTODOS SUBSTITUTIVOS AO USO PREJUDICIAL DE ANIMAIS