in

Semana das Crianças: não é recomendado dar um pet de presente aos pequenos

Um animal pet traz responsabilidades emocionais e financeiras, por isso, a tutela deve ser planejada

Muitos adultos, por conta do Dia das Crianças, comemorado no início desta semana, ficaram na expectativa para escolher o presente ideal e para os pequenos. Alguns deles acabaram escolhendo dar um pet aos filhos, mas, será que um gato ou cão seria a melhor escolha de presente para essa data?

De acordo com os dados coletados pela Comissão de Animais de Companhia (Comac), a principal porta de entrada dos animais de estimação nas famílias brasileiras é por meio da adoção ou como um presente. É o que aponta a porcentagem de tutores que foram presenteados, sendo 44% com cães e 31% com gatos.

A intenção de quem presenteia é sempre a melhor, afinal ser tutor de um animal de estimação pode ser uma das experiências mais surpreendentes na vida de uma criança. Pesquisas feitas pela Waltham (Petcare Science Institute) mostram que a convivência com gatos e cães beneficia crianças e adultos de forma geral, reduzindo estresse, medo, fadiga e tristeza e também ajudando no desenvolvimento emocional e social. Sem contar que é gratificante para os animais também, porque muitos se encontram em situação de abandono ou maus tratos. No entanto, presentear a criança com um pet é mais do que um momento de alegria, trata-se de um compromisso de longa data, por toda uma vida.

Para especialistas da Royal Canin, antes de se tornar tutor de um pet é necessário realizar uma pesquisa prévia para identificar as características e o perfil dele, incluindo dados de comportamento, personalidade e nível de energia, a fim de encontrar um pet que tenha sinergia com o cotidiano e perfil da família para uma adaptação positiva e posse responsável.

Ter um pet também significa cuidar dele durante toda a sua vida e, para isso, é importante manter hábitos saudáveis para que tenha uma vida promissora. Além disso, é fundamental criar condições ideais para que o gato ou cão se sinta feliz, seja sociável, bem-comportado e que enriqueça a vida da família e da sociedade, reduzindo riscos de abandono.

Presentear a criança com um pet é mais do que um momento de alegria, trata-se de um compromisso de longa data, por toda uma vida (Foto: reprodução)

A Royal Canin mapeou sete pontos essenciais que devem ser levados em consideração antes de adquirir um pet:

1. Qual perfil de pet é o mais recomendado? Cada gato e cão é diferente. Seu tamanho, idade, níveis de energia e temperamentos podem afetar a dinâmica familiar. Consultar um médico-veterinário é um recurso-chave para a busca por informações confiáveis. Eles podem, até mesmo, recomendar criadores, ONGs e abrigos de animais abandonados que adotem diretrizes de bem-estar responsáveis.

2. Você tem condições financeiras para assumir as despesas? Ter um pet em sua família gerará gastos extras. Lembre-se que o orçamento dedicado precisa atender as despesas de rotina como, por exemplo, alimentos, brinquedos, vacinas, visitas regulares ao médico-veterinário e cuidados necessários com a higiene.

3. Você já decidiu quem vai cuidar da saúde do seu pet seu animal de estimação? Escolha um veterinário antes do seu pet chegar e pesquise por potenciais cuidadores para cuidar dele na sua ausência. É importante apresentá-los ao pet antes de contratá-los.

4. Existem condições especiais de saúde ou necessidades alimentares que o seu futuro animal de estimação pode ter? Saiba o que seu novo pet precisa para estar saudável e feliz em casa com você.

5. A agenda da sua família é agitada? A guarda responsável também inclui o planejamento de cuidados do tutor. Todos podem ajudar a cuidar do pet – alimentação, exercícios, adestramento e brincadeiras – ou a responsabilidade estará só com você? Importante refletir.

6. Você pesquisou por locais de adestramento e /ou está disposto a dedicar tempo para isso? Além de amor e atenção, os pets também devem passar por um processo de aprendizado. Ensinar seu cão, por exemplo, requer paciência, dedicação e persistência – e também tempo e recursos.

7. Sua casa está preparada para receber o pet? Algumas raças precisam de mais estímulo mental e de um espaço maior, enquanto outras, são mais adequadas para ambientes menores. O espaço físico que será disponibilizado para do o seu animal de estimação é importante. Para receber um gato, por exemplo, é necessário telar todas as janelas para evitar fugas e acidentes.

Não dê um animal de estimação de presente, mas planeje para ter um. Contar com um gato ou um cão na família é uma das experiências mais gratificantes. Com o planejamento correto, ele terá um lar feliz e os cuidados necessários para a vida toda.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Grupo cria primeira associação em prol da saúde mental de médicos-veterinários

CRMV-SP apoia criação do Conselho Médico-veterinário Empreendedor de Marília (SP)

Mesa-redonda: CRMV-PR realiza evento on-line e gratuito sobre ética animal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

desenvolvimentos dos pets

Alltech destaca os nutrientes que influenciam no desenvolvimento ósseo dos pets

outubro rosa pet

Vetnil lança sua Campanha Outubro Rosa Pet para conscientizar tutores