Cães e gatos logo

Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Inovação e Mercado

Simpósio aborda participação feminina na Medicina Veterinária

“Simpósio da Mulher na Medicina Veterinária” ocorreu o último dia do CBA 2023
Por Equipe Cães&Gatos
simpósio da mulher na medicina veterinária
Por Equipe Cães&Gatos

O lugar da mulher é em simpósios, em congressos, na docência ou na clínica. A atuação feminina na Medicina Veterinária, principalmente, de pequenos animais, se torna cada vez mais forte e deve ser um tema destacado no setor. Assim, dando força a essa voz feminina, ocorreu o Simpósio da Mulher na Medicina Veterinária, promovido no último dia 42º Congresso Brasileiro da Anclivepa (CBA 2023), realizado nos dias 24 a 26 de maio, em Fortaleza (CE).

De acordo com a médica-veterinária, uma das idealizadoras do simpósio, Vera Lúcia Machado, a ideia de realizar o Simpósio da Mulher na Medicina Veterinária surgiu de conversas com o presidente da Anclivepa Brasil, André Lacerda. “Já enxergávamos, há muito tempo, a necessidade de marcar a presença feminina na Medicina Veterinária e, principalmente, no CBA”, conta.

Vera também ressalta que essa edição do CBA foi brilhantemente presidido por Alice Gonçalves, e menciona que três pilares são trabalhados nos simpósios realizados: educação, saúde mental e visão feminina. “Daí, partimos para a organização, contando com a visão sensível e corajosa do Dr. André, com a vontade de registrar, historicamente, a presença feminina na Veterinária e o reforço da equipe com participação do Dr Yves Miceli, que, com sua competência, tornou tudo possível”, agradece.

Além de Vera, participaram do painel a médica-veterinária e presidente da Comissão Nacional de Educação da Medicina Veterinária (CNEMV/CFMV), Maria José de Sena, e a médica-veterinária consultora na área de inovação e tecnologia, Bruna Boa Sorte, além da psicóloga Bianca Gresele, que abordaram os principais desafios a serem superados pelas mulheres na profissão.

A médica-veterinária Bruna Boa Sorte falou sobre o apontamento do estudo do Fórum Econômico Mundial, que afirma que o aumento da presença feminina no mercado de trabalho poderia acrescentar US$ 12 trilhões à economia mundial até 2025. “Mulheres têm que ocupar os espaços no mercado de trabalho, elas trazem mais equilíbrio, geram mais valor monetário”, assinalou Bruna, que compartilhou sua trajetória na área de inovação e tecnologia.

“Mulheres têm que ocupar os espaços no mercado de trabalho, elas trazem mais equilíbrio, geram mais valor monetário”, afirma profissional (Foto: divulgação)

Mulher na Medicina Veterinária

Para exemplificar a presença da mulher na Medicina Veterinária, Vera Lúcia Machado apresentou uma linha do tempo com a inserção das primeiras mulheres na profissão. “Os dados de presença das mulheres quase não existem nas primeiras décadas da Medicina Veterinária. A atuação feminina era destinada somente ao ensino e à clínica veterinária de pequenos animais”, expôs Vera.

Somente na década de 1980 foi que a presença feminina começou a ser acentuada. Já no ano de 1983, foi fundada a Academia Brasileira de Medicina Veterinária, que, hoje, conta com a participação de três mulheres, entre elas a médica-veterinária Mitika Hagiwara, professora titular da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP (FMVZ-USP).

A médica-veterinária Maria José de Sena, defende que, atualmente, as mulheres podem ocupar os cargos que desejarem, desde a clínica de pequenos animais, passando pelo campo até os altos cargos de gestão nas universidades. “Não estamos falando de força, mas de competência, determinação, respeito e resiliência. Nunca deixe de assumir o seu papel por conta de preconceitos e conceitos que não dizem respeito a vocês, mulheres, quando assumimos um compromisso, assumimos porque sabemos dos impactos e resultados que serão gerados”, enfatizou Maria José de Sena.

Questões como dupla ou tripla jornada, síndrome da impostora, violência doméstica, preconceito de gênero, assédio e machismo estrutural fizeram parte da pauta do debate. “Não estamos combatendo pessoas, mas sim o machismo, a desigualdade. É preciso abordar o tema da mesma forma como discutimos projetos e desenvolvimento”, assinalou Bruna Boa Sorte, que complementou: “Vamos fomentar o debate e pensar em soluções”.

Fonte: CFMV e Redação Cães e Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

PremieRpet disponibiliza áudios gratuitos que mascaram os fogos de artifício para os pets

Veterinária alerta para a importância da vacinação contra “gripe canina”

Coleira antiparasitária é o principal método para a prevenção da leishmaniose 

Compartilhe este artigo agora no