in

TÉCNICA PARA RETIRADA DO BAÇO PRECISA DE CUIDADOS PARA EVITAR HEMORRAGIA

Esplenectomia: quando é indicado e quais cuidados deve-se ter?

Casos de neoplasias esplênicas, com ou sem ruptura, traumas em que há ruptura do baço, com quadros de hemorragia ativa, torções esplênicas e alguns casos de anemia hemolítica são as principais indicações para a esplenectomia, cirurgia para retirada parcial ou total do baço, de acordo com o médico-veterinário, com residência em Cirurgia de Pequenos Animais e mestrado em Biotecnologia Animal, com ênfase em Cirurgia de Pequenos Animais, Fabiano Braz.

Segundo Braz, o médico-veterinário pode chegar à conclusão de que a esplenectomia é necessária com base em histórico clínico e exames auxiliares. “Animais   com   nódulos   esplênicos têm indicação de cirurgia. Em casos emergenciais de hemoperitônio (sangramento abdominal), estes animais sempre são submetidos à cirurgia para controle da hemorragia. Na maioria das vezes, o foco é o baço (neoplásico ou com ruptura traumática)”, diz.

Sobre os cuidados antes e depois do procedimento, o profissional destaca que variam de acordo com o caso clínico.

Fabiano Braz comenta que, nos casos de animais submetidos à cirurgia devido a um quadro de hemoperitonio por ruptura do baço, o prognóstico é de reservado a bom. Se tudo correr dentro do esperado durante o procedimento cirúrgico e o animal não apresentar comorbidades, ele tem um prognóstico melhor. “Já nos casos de neoplasias esplênicas (câncer no baço), o prognóstico sempre é reservado e vai depender muito do diagnóstico histopatológico. O baço deve ser enviado para análise microscópica, identificado o tipo de neoplasia que acometeu o órgão e esta informação poderá nos dar melhor ideia de prognóstico”, esclarece.

Clique aqui e leia a reportagem completa na edição de setembro da C&G VF.

Fonte: Redação Cães&Gatos VET FOOD. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ROYAL CANIN APRESENTA MUDANÇAS NA ÁREA DE MARKETING DA EMPRESA

PRODUTIVIDADE X SAÚDE MENTAL: QUANDO DESLIGAR AS TELAS NESSA PANDEMIA?