in

Tratamento e reabilitação: Zoológico de Sorocaba devolve 22 animais à natureza

Já é a terceira ação só em 2021 do Zoo para a soltura de animais. Ao todo já foram 42 neste ano

Um total de 22 animais foram soltos, no dia 26 de fevereiro, após receber os cuidados especiais do Parque Zoológico Municipal “Quinzinho de Barros”, gerenciado pela Prefeitura de Sorocaba, por meio da Secretaria do Meio Ambiente e Sustentabilidade (SEMA). Os bichos foram soltos Parque Natural Municipal de Corredores da Biodiversidade “Marco Flávio da Costa Chaves” e entre as espécies devolvidas à natureza, estão 14 corujinhas-do-mato, duas maritacas, duas rolinhas, dois gambás-de-orelha-branca, uma cascavel e um lagarto teiú.

Esse é um dos trabalhos realizados pela equipe do zoo e já é a terceira ação de soltura no ano. De forma voluntária, o “Quinzinho de Barros” atua com esses animais que chegam machucados e, muitas vezes, com risco de morte, seja por meio da Polícia Ambiental ou do Corpo de Bombeiros, cumprindo uma de suas principais funções, que é a preservação das espécies. Lá, os animais recebem todos os cuidados e tratamentos necessários da equipe técnica do zoo, antes de retornarem à vida livre.

Toda a ação foi acompanhada pelo secretário da Sema, Antonio Prieto. “Essa foi a terceira soltura realizada neste ano. No dia 20 de janeiro, levamos 15 animais à Flona de Ipanema, em Iperó (SP). E, no dia 22 de fevereiro, soltamos mais cinco animais na mata do nosso zoo”, explica o secretário. Na Flona de Ipanema, foram levados dois quiriquiris, um gavião-carijó, dez gambás-de-orelha-branca, um cachorro-do-mato e um caxinguelê. Já, na mata do zoológico, foram três exemplares de bem-te-vi, um sabiá-poca e uma corujinha-buraqueira.

Um dos animais devolvidos à natureza nesta sexta-feira foi o lagarto teiú, que chegou ao zoo no ano passado, após ter sido acidentalmente atropelado. A equipe técnica do zoo realizou todos os cuidados, incluindo uma cirurgia para colocar uma placa na pata dianteira para a sua reabilitação.

Como funciona? A Secretaria do Meio Ambiente e Sustentabilidade informa que o zoo recebe animais feridos ou com risco de morte por inúmeros motivos, além de filhotes que, por alguma razão, ficaram órfãos e necessitam de cuidados especiais. A recuperação desses animais demanda tempo e dedicação da equipe técnica.

Já a decisão de realizar a soltura ocorre após uma avaliação criteriosa do corpo técnico do zoo, em que são ponderados alguns aspectos, como a boa saúde dos animais, a espécie ser da região de Sorocaba, a fácil adaptação ecológica a diferentes ambientes, local de soltura seguro, entre outros. Todas as solturas são autorizadas pela Secretaria Estadual de Infraestrutura e Meio Ambiente (SIMA), órgão responsável pela gestão da fauna silvestre no Estado de São Paulo.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM

Gestores: CFMV promove novo encontro a fim de melhor integrar os regionais

Projeto que monitora onça-parda na Mata Atlântica ajuda a entender o comportamento da espécie

Fernando de Noronha: Trabalho em equipe garante manejo de gatos com método CED

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Associação Mundial oferece 80 bolsas para estudantes de Medicina Veterinária

Tutores de pets devem entender que eles são para a vida toda e não só durante a quarentena