Cães e gatos logo

Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Clínica e Nutrição

Veterinária dá dicas de como identificar doenças renais nos animais de estimação

Por Equipe Cães&Gatos
doença renal
Por Equipe Cães&Gatos

Assim como nos humanos, as doenças renais nos pets podem ter graves consequências. Segundo estudo publicado na Revista USP – Universidade de São Paulo – estima-se que problemas nos rins sejam uma das principais causas de morte entre cães e gatos acima dos sete anos. Entender como essas enfermidades surgem, como é possível tratá-las e como evitá-las é de suma importância, já que os rins são um dos órgãos essenciais para o bom funcionamento do organismo. 

O risco da ocorrência de doenças renais nos pets aumenta com a idade do animal, no entanto, essas doenças também podem acometer animais mais jovens. “Algumas comorbidades podem acabar favorecendo o desenvolvimento de problemas nos rins em cães e gatos, como a hipercalcemia, doenças cardíacas, doença periodontal, cistite, urolitíase, hipertireoidismo, diabetes e patógenos infecciosos, como a leishmaniose e a leptospirose”, é o que explica a coordenadora do curso de Medicina Veterinária da Uninassau Salvador, Alessandra Bispo. 

Os primeiros sinais clínicos são: eliminar quantidades excessivas de urina e beber água excessivamente (Foto: reprodução)

Quando acometidos por insuficiência renal crônica, cães e gatos podem mostrar alguns sinais bastante específicos. “Os primeiros sinais clínicos são a poliúria e polidipsia (eliminar quantidades excessivas de urina e beber água excessivamente). A perda de peso excessiva e a desidratação são achados frequentes também e o paciente também aparenta uma ruim condição corporal, com palidez das mucosas, pelagem com aspecto ruim, com perda de brilho, fraqueza e atrofia muscular”, destaca a veterinária. 

Observando esses sinais, os tutores devem levar o pet ao consultório veterinário para que, por meio de exames, seja possível confirmar um diagnóstico e iniciar o tratamento. “O objetivo do tratamento é prevenir a progressão da doença, já que ela não tem cura. A mudança na dieta é a base disso, por meio da restrição de fósforo e sódio, a diminuição da quantidade de proteína e a adição de vitaminas do complexo B e ácidos graxos. Nos casos avançados, as terapias efetivas são transplante renal e hemodiálise”, pontua. 

Ainda segundo a médica-veterinária, as principais raças de cães predispostas às doenças renais são bull terrier, cocker spaniel inglês, west highland white terrier e boxer. Já as felinas, são o abissínio, azul russo, persa e siamês. “É bom destacar que a melhor opção contra a IRC é a prevenção. É mais que indicado que os tutores levem seus bichinhos para check-ups periódicos com o médico-veterinário (especialmente para animais a partir de 4 a 6 anos), mantenha uma alimentação balanceada, estimule a ingestão de água e pratique alguma atividade com pet para que ele possa se movimentar”, conclui.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Psicóloga realiza pesquisa sobre fatores de risco para a saúde mental dos veterinários

Desafios do diagnóstico e tratamento da hipersensibilidade alimentar

CFMV regulamenta atuação de profissionais em resgate de animais em casos de desastres

Compartilhe este artigo agora no