Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Pets e Curiosidades

Veterinária explica por que chocolate oferece riscos à saúde de cães e gatos  

Substância presente no cacau, a teobromina, é tóxica para os animais de estimação
Por Equipe Cães&Gatos
foto-chocolate
Por Equipe Cães&Gatos

Você já ouviu falar da teobromina? Apesar do nome peculiar, ela é uma substância presente no cacau, um dos principais ingredientes do chocolate. Enquanto para a maioria dos humanos a teobromina é inofensiva, para os animais é extremamente tóxica, podendo causar desde intoxicações leves até casos graves, podendo até levar à morte. Por isso, durante este período de aumento no consumo de chocolate devido à Páscoa, no dia 31 de março, é crucial redobrar a atenção para evitar que cães e gatos se alimentem desse doce. 

- PUBLICIDADE -
Mayara Andrade é médica-veterinária nutróloga de GranPlus, marca Premium Especial da BRF Pet (Foto: divulgação)

Para esclarecer as dúvidas dos tutores, a médica-veterinária nutróloga de GranPlus, marca Premium Especial da BRF Pet, Mayara Andrade, explica os cuidados necessários para a saúde dos animais, sem deixar de oferecer uma alimentação diversificada e saborosa para os nossos amigos peludos.   

Por que o chocolate é tão perigoso para o meu pet? 

Segundo Mayara, a teobromina – presente no cacau – é um alcaloide da família das metilxantinas (que são pseudoalcalóides com alto poder estimulador do sistema nervoso central). Essa palavra difícil significa que ela é da mesma família da cafeína e, da mesma forma, fornece energia, ou seja, ajuda a tirar o sono, além de aumentar a capacidade de concentração.   

“O que para nós, humanos, pode ser algo benéfico, para os pets é completamente diferente, porque eles não são capazes de digerir ou metabolizar a teobromina, o que pode levar a intoxicações. As consequências vão desde sintomas gastrointestinais leves, como episódios de vômitos e diarreia, até casos mais severos com sintomas neurológicos, podendo evoluir para o óbito, dependendo da quantidade ingerida. Quanto maior a porcentagem de cacau no chocolate, maior é a concentração de teobromina no alimento”, orienta a médica-veterinária.  

Quais são os sintomas da intoxicação por chocolate? 

A profissional explica que os sintomas predominantes são os gastrointestinais (vômito e diarreia) e, por serem relativamente comuns, muitas vezes podem não ser associados ao consumo de chocolate. “Os outros sintomas podem surgir em casos mais graves e variam de acordo com a quantidade ingerida, o peso do pet a porcentagem de cacau do chocolate. Entre eles estão as contrações musculares; alterações neurológicas, como excitação, respiração acelerada, taquicardia; e temperatura corporal elevada. Além disso, alterações de comportamento, como inquietação ou hiperatividade, e alterações na coordenação motora também podem ser vistos”. 

O que devo fazer caso o meu pet consuma chocolate? 

“É importante que os tutores fiquem sempre atentos para evitar que cães e gatos acabem consumindo chocolate, além de orientar outras pessoas da família, principalmente idosos e crianças, que podem oferecer esse tipo de alimento para os pets. Mas, se ainda assim, o pet ingerir chocolate, o primeiro passo é observar as reações do animal e o ideal é levá-lo ao atendimento veterinário para avaliação”, orienta Mayara. 

Pets gostam de doce?  

Substância presente no chocolate é da mesma família da cafeína e ajuda a tirar o sono, além de aumentar a capacidade de concentração (Foto: reprodução)

Cães e gatos apresentam percepções em relação ao sabor diferentes de humanos. Enquanto humanos apresentam cerca de 9.000 papilas gustativas, segundo a médica-veterinária de GranPlus, cães apresentam 1.700 e gatos apenas 450. Além disso, gatos não apresentam receptores para o sabor doce.   

“Às vezes, os gatos, por exemplo, podem até se interessar pelos doces quando estamos comendo, mas não pelo sabor e sim pela curiosidade e textura”, explica a profissional, lembrando que o açúcar não é essencial para os pets, ou seja, não há necessidade ou recomendação mínima de consumo para eles. 

Como posso variar a alimentação do meu pet?  

Assim como nós, humanos, os pets também gostam de variar o cardápio. A médica-veterinária explica que comer também é um momento de prazer para os animais. Pensando em oferecer uma dieta nutritiva, mas ao mesmo tempo diversificada em sabores e texturas, existem diversos alimentos desenvolvidos especialmente para eles, e por isso seguros e cheios de benefícios para a saúde dos pet. Os alimentos úmidos, comercializados em sachês ou na textura de patês, são um exemplo, pois são produtos com alto teor de água, que ajudam a manter a hidratação de cães e gatos através da alimentação.  

Caso o tutor queira oferecer um cardápio diferente, tanto na Páscoa, quanto em qualquer outra data, o ideal é buscar essas opções de alimentos, adequados e saborosos, que agradam até os paladares mais exigentes.  

“Desde que sejam utilizados alimentos formulados especificamente para eles, também podemos oferecer uma refeição diferenciada aos pets. Alimentos úmidos, com sabores diversificados, e petiscos, por exemplo, são ótimas opções para compor o cardápio de cães e gatos. Lembrando que é fundamental o acompanhamento do médico-veterinário para que seja feito o cálculo correto dos alimentos e evitar qualquer tipo de energia a mais, o que pode acabar causando ganho de peso”, ressalta Mayara. 

Fonte: GranPlus, adaptado pela equipe Cães e Gatos.

LEIA TAMBÉM:

Veterinária destaca a importância da vermifugação para a saúde dos pets

Comportamentalista animal mostra como ter uma boa convivência com o pet

Veterinária alerta sobre os riscos por com o calor extremo aos pets 

Compartilhe este artigo agora no