in

Veterinário aborda a importância da vacinação contra a raiva para os pets e seus tutores

A raiva é uma zoonose altamente letal e a melhor forma de proteção para os animais de companhia é a vacina

Gabriela Couto, da redação 

[email protected] 

Por conta da pandemia da Covid-19, a Campanha de Vacinação Antirrábica ficou suspensa por dois anos e, agora, ela está de volta em algumas cidades brasileiras. Em Brasília (DF), por exemplo, a campanha foi dividida em diversos locais, mas terá o dia D de vacinação em setembro e outubro. 

Ainda não existem dados científicos ou estatísticos que mostrem um aumento dos casos de raiva no período de pandemia, mas, recentemente, dois adolescentes e uma criança morreram por conta da doença, no interior de Minas Gerais. O caso aconteceu em uma comunidade indígena e, segundo os relatos dos familiares, as três vítimas foram infectadas por meio de arranhões provocados por um ataque de morcego. 

O médico-veterinário, mestre, coordenador e docente do curso de Medicina Veterinária, do Centro Universitário do Distrito Federal (UDF), Victor Vasconcelos Carnaúba Liam, explica que a raiva pode ser transmitida por meio da mordedura, lambedura ou arranhadura de animais infectados. O vírus é considerado altamente letal e grave, tanto para animais, como para humanos. “A doença causa morte em 99,99% dos casos. Quando mordida, a pessoa deve, primeiramente, lavar o local com água e sabão e procurar, imediatamente, a unidade de saúde mais próxima ou um hospital de referência para doenças infecciosas, para iniciar o protocolo vacinal pós-exposição e, também, a soroterapia”, alerta.  

O animal contrai a raiva por mordidas e/ou arranhões de animais infectados. Lambeduras também podem transmitir a infecção. Os sinais neurológicos, segundo o profissional, são os principais sintomas da raiva, como agressividade, salivação abundante, mudanças de comportamento, dificuldade de deglutição e de locomoção. A doença, em alguns dias, evolui para o óbito do animal. O médico-veterinário aconselha deixar o animal que esteve em contato com um infectado isolado por 10 dias. Durante esse período, é necessário observar se ele apresenta algum sintoma característico da raiva. 

Todos os cães e gatos, a partir dos quatro meses, devem ser vacinados contra a doença (Foto: reprodução)

Como combater? 

A vacina é a melhor forma de proteção para os animais de companhia e até para os que não têm contato com outros animais e nem acesso à rua deve ser vacinados. “A prevenção é feita vacinando seus animais de estimação e, também, os animais de produção, como os bovinos, por exemplo, que também podem ser acometidos pela raiva. É importante, ainda, evitar o contato com animais desconhecidos, principalmente se estes forem agressivos. Cuidado com as áreas ambientais onde se encontram muitos morcegos hematófagos (aqueles que se alimentam de sangue). Os morcegos são os principais transmissores da raiva nas áreas silvestres e rural”, explica o médico-veterinário. 

A campanha de vacinação contra a raiva é extremamente importante, porque os proprietários dos animais precisam estar cientes dos riscos da enfermidade, considerada uma das doenças infecciosas mais letais existentes no mundo. Segundo Liam, além dos riscos elevados, as chances de tratamento são quase nulas e a campanha visa oferecer maior cobertura de proteção para os Estados e municípios, protegendo todos os animais de estimação e seus tutores. 

Por conta da Covid-19, o médico-veterinário recomenda que o tutor faça o uso de máscara ao levar seus animais para se vacinar. “Recomenda-se, também, que, nos dias em que a campanha estiver ativa, todos os tutores de cães e gatos levem seus animais para se vacinar nos postos mais próximos de casa. O indicado é verificar a lista no site da secretaria de saúde do seu município ou se informar nas unidades de saúde ou nas unidades de vigilância de zoonoses”, salienta. 

Todos os cães e gatos, a partir dos quatro meses, devem ser vacinados contra a doença. O ato, na visão do veterinário, é de extrema importância, pois, além de proteger o pet, protege os humanos que terão contato com ele.  

As Campanhas de Vacinação Antirrábica podem ocorrer em períodos diferentes nos Estados brasileiros, por isso, o recomendado é se informar na secretária de saúde de seu munícipio, para não perder o prazo e manter a carteirinha de vacinação do pet em dia.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

hemodiálise

Projetos de pesquisa permitem redução nos custos de Hemodiálise na FMVZ-Unesp

vet militar

Veterinárias do Exército comentam a importância da área nas forças armadas brasileiras