in

Veterinários apontam o que pode levar cães e gatos a apresentarem Doença Renal Crônica

CRMV-SP alerta para os problemas renais e como o tutor pode prevenir a doença

Assim como os seres humanos, os pets também precisam que os rins estejam saudáveis para que o restante do organismo funcione corretamente. Por isso, é preciso ficar alerta. Estudos indicam que um em cada dez cães e três em cada dez gatos desenvolvem a Doença Renal Crônica (DRC), em que a insuficiência renal persiste por um período prolongado.  

O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP) alerta que os tutores podem e devem ajudar a prevenir ou minimizar os impactos da doença nos animais domésticos, ficando atentos às causas e aos sintomas.

De acordo com o presidente da Comissão Técnica de Clínicos de Pequenos Animais (CTCPA), do CRMV-SP, Marcio Thomazo Mota, cães e gatos podem desenvolver a DRC em qualquer idade. No entanto, estima-se um aumento de até 80% na incidência de problemas nos rins em animais idosos, devido ao processo natural de envelhecimento.

A perda da função dos rins pode ser aguda ou crônica, sendo esta a mais frequente nos pets. O órgão desempenha uma série de funções importantes, garantindo que o sistema metabólico permaneça saudável. Se algo impede os rins de funcionarem como deveriam, isso pode ter consequências graves para a saúde do animal.

Monitorar os fatores de risco é fundamental. O médico-veterinário Otávio Verlengia, membro da CTCPA/CRMV-SP, explica que os principais fatores de risco para a DRC são: avanço da idade, raças predispostas, comorbidades, dieta desbalanceada, ingestão de substâncias nefrotóxicas e insuficiência renal aguda. “Identificar e gerenciar os fatores de risco pode prevenir ou retardar o desenvolvimento da doença e reduzir as chances de mortalidade do animal”, reforça o médico-veterinário Marcio Thomazo Mota, presidente da CTCPA do CRMV-SP. 

Segundo Verlengia, as principais raças de cães predispostas às doenças renais são: shar pei, bull terrier, cocker spaniel inglês, cavalier king charles spaniel, west highland white terrier e boxer. Já entre os gatos, as raças com maior risco de desenvolver uma DRC são: persa, abissínio, siamês, ragdoll, birmanês e maine coon. “É importante não descartar os animais sem raça definida – popularmente conhecidos como vira-latas”, enfatiza Mota. 

Aumento da ingestão de água e da produção de urina, vômito, diarreia são alguns dos sintomas da DRC (Foto: reprodução)

Influências. Entre as comorbidades que podem favorecer o desenvolvimento de uma doença renal em cães e gatos estão a hipercalcemia, doenças cardíacas, doença periodontal, cistite, urolitíase, hipertireoidismo, diabetes e patógenos infecciosos, como a leishmaniose e a leptospirose. 

Mota explica que algumas formulações dietéticas também têm sido associadas ao desenvolvimento da DRC, sobretudo em gatos. “A redução de potássio ou de fósforo, com dietas ricas em proteínas, foram associadas ao desenvolvimento de doença renal em gatos, no entanto, essas dietas podem não ter o mesmo efeito em cães”, explica.

Como os rins desempenham muitas funções, os sinais de que um animal doméstico pode estar com um problema renal podem variar. Segundo Verlengia, os sinais podem ser graves e perceptíveis ou podem ser sutis e lentamente progressivos. “Apesar da natureza crônica da doença, às vezes, os sinais aparecem repentinamente”, alerta.

Aumento da ingestão de água e da produção de urina, vômito, diarreia, falta de apetite e perda de peso, apatia e fraqueza estão entre os sinais mais comuns. Marcio Thomazo Mota acrescenta à lista de sintomas quadros de desidratação, dificuldade para urinar, constipação, anemia, alteração da pressão sanguínea, gastrites intermitentes, úlceras e feridas na boca, mau hálito, pelos ressecados, sem brilho e arrepiados e dor abdominal.

Cuidados e prevenção. Verlengia diz que monitorar o comportamento do animal e comparecer a exames veterinários regulares são atitudes simples que ajudam a prevenir doenças renais e preservar a qualidade de vida do pet.

Além de garantir uma alimentação balanceada, é importante estimular, ainda, a ingestão de água. A orientação dos médicos-veterinários é disponibilizar fontes e deixar vários potes de água limpa e fresca espalhados pela casa. Oferecer alimento úmido para os gatos também é uma boa opção. 

Ter um espaço adequado e de fácil acesso para as necessidades do animal e manter esse local limpo ajuda a manter a saúde do pet. Verlengia recomenda, também, manter cães e gatos longe de substâncias nefrotóxicas. “Alguns alimentos podem parecer inocentes, mas na verdade são perigosos se consumidos pelos animais, como uvas e passas, chocolate, alho, cebola, cebolinha, chá e café, assim como flores como o lírio”, orienta.

Por fim, check-ups periódicos com o médico-veterinário, especialmente para animais a partir de 4 a 6 anos, também são primordiais para evitar o surgimento ou o agravamento de doenças.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Projetos se destacam no interior de São Paulo por proteger animais e a Mata Atlântica

Estudo defende que tamanho e formato do corpo do cão podem indicar risco de tumor ósseo

CRMV-SP: Chapa Integração é eleita com 63,6% dos votos e assume o regional em agosto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Otite externa afeta um em cada cinco cães e oferece vários desconfortos ao animal

Fraturas ou luxações em coluna prejudicam a qualidade de vida do animal