in

VETERINÁRIOS COMENTAM DORES CRÔNICAS E AGUDAS EM GATOS

Fármacos de diferentes modalidades devem ser utilizados nos casos

Fármacos de diferentes modalidades devem ser utilizados nos casos

Um bom veterinário sabe que estar diante de um animal com dor, requer paciência, conhecimento e persistência. Para ajudar em um bom atendimento, conversamos com os alguns profissionais sobre as diferenças entre as dores crônica e aguda, como reconhecê-la e tratá-las, além, é claro, apontar os novos tratamentos, especificamente em gatos.

Para começar: qual a diferença entre dor crônica e aguda? Segundo a médica-veterinária, responsável pelos atendimentos direcionados aos cuidados e tratamento da dor no Hospital Pet Care, Nadia Shimosaka, o Guidelines for Recognition, Assessment and Treatment of Pain,  de 2015, (Mathews et al., 2015) explica que a dor aguda pode ser resultado de um evento traumático, cirúrgico ou infeccioso que se caracteriza por apresentar, muitas vezes, início abrupto e uma duração definida pelo processo inflamatório e/ou de cicatrização.

Nadia conta que na dor aguda, observa-se componentes nociceptivos e inflamatórios bem marcantes e, normalmente, alterações fisiológicas como taquipneia, taquicardia, hipertensão, midríase e salivação são indicativos de dor nos gatos. Assim, alterações comportamentais perante a dor aguda são bem evidentes.

O médico-veterinário, responsável pelo Hospital 4cats, hospital exclusivo para felinos, Pedro Horta, afirma que a dor aguda tem uma função fisiológica essencial de proteção e preservação do organismo. “Graças a dor que evitamos maiores lesões e nos protegemos quando não estamos bem. A dor crônica perde essa função protetora, muitas vezes, se tornando uma doença por si só. Tanto que, atualmente, tem se preconizado o nome de dor adaptativa (para a dor aguda) por ter essa função essencial ao indivíduo; e dor mal adaptativa (para dor crônica), por não ter uma função benéfica”, explica.

Levando em consideração que os gatos estão vivendo mais, sabemos que junto com o aumento da expectativa de vida da espécie, crescem os estudos e descobertas sobre a Medicina Felina. E tem acontecido no tocante a dor crônica. Para Horta, apesar dos estudos e pesquisas em felinos serem mais raros, surgem novas opções de tratamentos e novos medicamentos que podem ser usados nesses casos.

Leia aqui nossa reportagem de capa do mês de junho.

Fonte: Redação Cães&Gatos VET FOOD. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

REPRODUÇÃO

OS ANIMAIS DE COMPANHIA SENTEM MAIS FOME DURANTE O INVERNO?

DÁLMATAS SÃO MAIS PROPENSOS A DESENVOLVER PROBLEMAS AUDITIVOS