in

Veterinários convidam para reflexão sobre planos de ação em situação de desastres

Medidas devem focar a prevenção de ocorrências que causam sofrimento animal e comprometem a biodiversidade

O Brasil registrou desastres com imensuráveis perdas à biodiversidade, recentemente. Um exemplo é o que ocorreu no Pantanal (MT), em que os incêndios, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), aumentaram em 210% em 2020, na comparação com o ano anterior. Esta realidade pode parecer distante do Estado de São Paulo (SP), entretanto, a vida selvagem em terras paulistas também requer, de forma iminente, ações preventivas e de contenção de impactos.

“Isso porque áreas remanescentes de importantes biomas que se estendem por SP, como é o caso da Mata Atlântica, estão vulneráveis a ações humanas, como a urbanização e a expansão agropecuária indiscriminadas”, diz a médica-veterinária e presidente da Comissão Técnica de Saúde Ambiental do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CTSA/CRMV-SP), Elma Polegato.

Prova desta vulnerabilidade são os dados publicados pela SOS Mata Atlântica, em outubro do ano passado, apontando áreas queimadas no Estado cuja soma é equivalente a 1,2 mil campos de futebol. “A maior pressão vem da expansão urbana. Ano passado houve muito impacto em decorrência de incêndios e o que vemos é um cenário complexo para ser revertido”, diz o gerente de Restauração Florestal da SOS Mata Atlântica, Rafael Bitante.

São Paulo possui pouco mais de 2,3 milhões de hectares do bioma, o que corresponde a apenas 12,4% da mata original no Estado, de acordo com relatório de 2019, publicado no ano passado pela Fundação SOS Mata Atlântica. Entre as espécies abrigadas pela mata estão diversas ameaçadas de extinção, como a onça-pintada, o tamanduá-bandeira e o mico-leão-dourado.

Segundo o médico-veterinário e presidente da Comissão Técnica de Médicos-veterinários de Animais Selvagens (CTMVAS) do Conselho, Fabrício Braga Rassy, os incêndios são um “grande terror” para a fauna. “Animais atingidos pelas chamas ou pela falta de alimentos no pós-fogo estão sob ameaça em todo o País, alguns podem existir apenas nas regiões afetadas”, declara.

Profissional de longa trajetória com animais silvestres, com experiência em resgate e reabilitação, atualmente à frente da Divisão de Médicos-veterinários da Fundação Parque Zoológico de São Paulo (FPZSP), Rassy frisa que, com frequência, as sequelas em animais feridos são irreversíveis, o que inviabiliza o retorno à natureza. “Planos de redução do impacto a essas vidas são cruciais”, complementa.

A onça-pintada, o tamanduá-bandeira e o mico-leão-dourado estão em risco de extinção e são ameaçadas no Estado de São Paulo (Foto: reprodução)

Plano de ação requer engajamento. O argumento do médico-veterinário paulista e integrante da Comissão Nacional de Desastres em Massa Envolvendo Animais do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), Leonardo Maggio de Castro, vai na mesma direção do de Rassy. “Os governos e a classe médica-veterinária devem se articular para um plano de ação específico aos animais em situações extremas”, opina.

Castro frisa a importância do preparo para gestão de crise e para aplicar o Plano Nacional de Contingência de Desastres em Massa Envolvendo Animais do CFMV, com diretrizes que aumentam as chances de preservar a vida de animais e a continuidade das espécies em caso de deslizamentos, incêndios, rompimento de barragens e vazamento de óleo em rios e mares.

No que diz respeito à mobilização da classe, o CRMV-SP já iniciou tratativas para a criação de uma comissão voltada à Medicina Veterinária de Desastres, o que será primordial para que médicos-veterinários contribuam para com o mapeamento de situações específicas das cidades do Estado e criem, então, um plano estadual. “Os médicos-veterinários podem garantir as melhores estratégias com foco na vida animal, com base em técnicas, protocolos e condutas profissionais, assim como médicos e bombeiros atuam para preservar a vida humana, no preventivo e nas situações críticas”, frisa Castro.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

GPTW: Vetnil está entre as 20 melhores empresas para trabalhar Ranking São Paulo

Causas, diagnóstico e tratamento: médica-veterinária fala sobre coprofagia

Pesquisadores colhem sêmen de onças do Pantanal para salvar populações isoladas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SIPEAGRO: Vetnil lança tutorial com instruções de acesso e uso do programa para veterinários

Estudo afirma que níveis de leptina podem ser utilizados para detectar câncer de mama em gatos