Cães e gatos logo

Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Marketing e Produtos, Destaques

Zoetis visa revolução no mercado da dor

Em março, a empresa lançou no mercado brasileiro o Librela, produto indicado para tratamento da dor em pacientes com osteoartrite. Educação continuada segue fazendo parte da estratégia de lançamento do medicamento
Por Equipe Cães&Gatos
Librela
Por Equipe Cães&Gatos

Cláudia Guimarães, da redação 

claudia@ciasullieditores.com.br

A osteoartrite (OA) é uma doença que causa uma degradação da articulação e de seus componentes e que, infelizmente, não tem cura e piora com o tempo. Este quadro leva o animal a crises de dor que podem ser angustiantes tanto para o tutor, que percebe o incômodo e consequentes limitações físicas e alterações emocionais, quanto para o médico-veterinário, que indica e acompanha o tratamento do paciente.

Mas, em março deste ano, a Zoetis trouxe ao mercado brasileiro o Librela, um anticorpo monoclonal canino, que reduz a quantidade de NGF (do inglês nerve growth factor – fator de crescimento neural) disponível. A gerente de Serviços Técnicos da Zoetis, Thalita Souza, explica que o NGF é uma proteína produzida por uma variedade de células, o que inclui condrócitos e células do sistema imune. “Sua ligação a receptores TrkA nas células nervosas gera estímulos de dor e, quando ligado a células do sistema imune, como mastócitos, leva à produção de mais NGF”.

Segundo a porta-voz, a Zoetis é uma empresa que investe bastante em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos e na pesquisa de doenças e sobre o que leva algumas enfermidades a acontecer ou a se perpetuar nos pets. “Por isso, apostamos nessa formulação. O NGF é, sabidamente, uma proteína que tem um papel de causar dor no animal adulto. Durante as fases embrionária e fetal, ele tem uma função de desenvolver o sistema nervoso desse paciente, mas, com o tempo, ele vai deixando de ser importante nesse sentido e passa a ter o poder de levar à dor. Conforme o processo se cronifica, algumas células, como os condrócitos, começam a produzir NGF e, além de elevar a dor, se liga em células do sistema imune que produzem mais NGF”, elucida.

Assim, o quadro do paciente piora ao longo do tempo, o que gera bastante dor, incapacidade e mudanças comportamentais e emocionais, contando até então com tratamentos que nem sempre apresentavam eficácia satisfatória, segundo Thalita. “Sabendo que o NGF possui um papel tão importante na dor e na progressão da doença, a Zoetis o enxergou como um alvo ideal, já que, controlando o NGF, conseguimos controlar os efeitos deletérios do NGF e uma analgesia importante, proporcionando qualidade de vida a esse cão”, explica.

A osteoartrite (OA) é uma doença que causa uma degradação da articulação e de seus componentes e que, infelizmente, não tem cura e piora com o tempo (Foto: reprodução)

Prescrição do produto

Thalita ainda relata que o produto tem um perfil de segurança muito alto, apresentando raros eventos adversos; os tratamentos até então disponíveis, anti-inflamatórios não esteroidais, apesar de serem produtos seguros, apresentam mais contraindicações, em especial para pacientes com comorbidades renais, hepáticas e cardíacas. “Apesar da osteoartrite acometer cães de todos os tamanhos e idades, acaba sendo mais frequente no paciente adulto a idoso, que regularmente apresenta alguma  comorbidade. Então uma doença renal, hepática ou cardíaca pode limitar a utilização de um anti-inflamatório não esteroidal. Vale lembrar que o cão idoso começa a ficar menos ativo, deixa de brincar, interagir e passa a dormir mais, levando o tutor a pensar que esses são comportamentos normais da idade avançada; porém, em grande parte das vezes, essa alteração comportamental acontece por conta de dor! Esses pacientes necessitam de auxílio veterinário, para que seja diagnosticada a causa das alterações, e instituído o tratamento adequado.

São cinco apresentações de Librela – de 5, 10, 15, 20 e 30 miligramas -, sendo a dose de meio a um miligrama por quilo, uma vez ao mês. “É importante que seja feito o diagnóstico da doença, uma avaliação do escore da dor e o planejamento terapêutico. O escore da dor pode ser determinado antes de iniciar a terapia com Librela e acompanhado mensalmente antes de cada nova administração, sendo uma ferramenta efetiva para avaliar a melhora do paciente. Existem várias escalas de dor crônica validadas que podem ser utilizadas, e indicamos a CBPI (Canine Brief Pain Inventory), uma escala validada para o português, e que pode ser acessada de forma fácil pelo aplicativo Vetpain e o website Animal Pain, do professor Stélio Luna, da Unesp de Botucatu, que conta com o apoio da Zoetis. ”, menciona.

Peças de divulgação do produto

Dentro da proposta de sempre oferecer educação continuada, independentemente de ser em momentos de lançamento ou não, a Zoetis investiu bastante no primeiro semestre com o lançamento do produto, ocorrido em março. A gerente de Produto, responsável pela linha de dor, anestesia, sedação e enjoo, Emilene Prudente, conta que a empresa realizou quatro grandes lançamentos: em Curitiba, Rio de Janeiro, Recife e em São Paulo e, posteriormente, dezenas de eventos regionais. “O Brasil é muito grande, então, entendemos que a melhor estratégia de lançamento, para atingir o maior número possível de veterinários, era dividir o lançamento pelas regiões brasileiras”, justifica.

Emilene revela que, no evento de São Paulo, a Zoetis fez uma transmissão on-line para também alcançar os médicos-veterinários que não conseguiram ir presencialmente em nenhum dos eventos regionais. “Nessa transmissão on-line, reunimos mais de dez mil veterinários”, compartilha.

O veterinário pode utilizar o produto não apenas para a dor grave, mas, também, em casos de dor leve e moderada da osteoartrite (Foto: divulgação)

Reforço de marca

De acordo com Emilene, Librela faz parte da linha de anticorpos monoclonais da Zoetis, que hoje é a grande referência nessa modalidade terapêutica, e ressalta que 40% dos cães sofrem de osteoartrite. “Sabemos que tem um mercado gigante para ser explorado e, também, uma educação continuada a ser oferecida aos veterinários. Nos eventos de lançamento, não abordamos apenas informações sobre o produto, mas, também, sobre a doença, como diagnosticar e tratar.

Com o objetivo de trazer atualização ao médico-veterinário, a Zoetis contou com palestrantes nacionais e internacionais nestes eventos. “O produto já havia sido lançado em 2021 na Europa, então, trouxemos a Catia Sá, de Portugal, que apresentou a experiência dela em relação ao Librela. Também trouxemos o professor Duncan Lascelles, que participa dos estudos de anticorpos monoclonais anti-NGF. Ele é um especialista em dor no mundo, um dos maiores nomes dessa área dentro da Medicina Veterinária”, destaca. Nesses eventos, tivemos também a participação da Dra Karina Yazbek, uma das referências em dor no Brasil.

Desde março, Emilene declara que a Zoetis continua realizando esses eventos regionais, indo até as cidades e fazendo eventos personalizados para cada região. “Também continuamos com toda a nossa estratégia de lançamento, que inclui visita nas clínicas veterinárias com os nossos colaboradores, que estão prontos para poder tirar as dúvidas dos médico-veterinário ali dentro da clínica”, informa.

Grandes expectativas!

Com o produto, Emilene afirma que o objetivo da Zoetis é melhorar a qualidade de vida dos cães. “Já recebemos muitos relatos, tanto de tutores e também, de médicos-veterinários de animais que não conseguiam mais andar e que, com o medicamento, estamos devolvendo essa possibilidade a eles, trazendo de volta a qualidade de vida para esses cães  voltem  a fazer o que mais gostam, que é brincar e interagir com seus tutores. 

Emilene ainda completa: “Esperamos que esse seja um produto capaz de ajudar a revolucionar o mercado da dor na Medicina Veterinária, com uma alternativa que, na Medicina Humana, por exemplo, ainda não vemos. O veterinário pode utilizá-lo não apenas para a dor grave, mas, também, em casos de dor leve e moderada da osteoartrite, porque o que queremos é melhorar a qualidade de vida do cão e não esperar para utilizar o Librela em último caso”, conclui.

Compartilhe este artigo agora no