in

Após castração, cães e gatos precisam receber uma dieta readequada às suas necessidades

Tutor deve estar atento ao pós-operatório, inclusive com a alimentação do pet

A castração de cães e gatos oferece benefícios comprovados e é muito recomendada por médicos-veterinários, além de ser, também, considerada como um ato de amor. Além de conter o aumento desenfreado da população animal e, consequentemente, o abandono, a castração é responsável pela diminuição de comportamentos indesejados, como brigas e fugas. Também é uma medida preventiva às doenças do aparelho reprodutor, como tumores de mama e próstata, infecção no útero e até gravidez psicológica nas fêmeas. 

Apesar de ser um procedimento relativamente simples, a castração exige alguns cuidados especiais, com atenção para algumas mudanças de rotina que valem para toda a vida.

De acordo com o médico-veterinário mestre em nutrição de cães e gatos e supervisor de Capacitação Técnico-Científica da PremieRpet, Flavio Silva, um dos principais impactos tem relação com as mudanças hormonais, que resultam em um comportamento mais sedentário, que pode ser convite ao ganho de peso e, consequentemente, à obesidade. “Diante desse fator crítico, a alimentação passa a ter um papel central para a saúde dos cães e gatos castrados, com foco no controle da ingestão calórica”, explica. 

Para cães e gatos que estão no peso ideal no momento da castração, Silva indica adotar um alimento super premium específico para castrados, que vai oferecer todos os nutrientes necessários com calorias moderadas para a manutenção do peso. Além disso, deve ser estabelecida uma rotina de atividades para o pet, com estímulo a brincadeiras e exercícios, o que vai contribuir para o equilíbrio energético.

E outro ponto muito importante: é preciso cuidado para não oferecer petiscos em excesso e sobrecarregar a dieta. Já existem no mercado opções de petiscos saudáveis, saborosos e com baixas calorias.   

Apesar das dicas, cada pet é único e precisa do acompanhamento de um médico-veterinário (Foto: reprodução)

Os pets que já estão acima do peso antes da cirurgia, por sua vez, necessitam de uma dieta especial, com baixo teor calórico e exercícios, visando o emagrecimento. Essas medidas devem ser conduzidas sempre com a orientação e o acompanhamento do médico-veterinário, respeitando as condições fisiológicas de cada animal. “A obesidade é uma doença e deve ser seriamente combatida, pois ao longo do tempo acarreta outras doenças como osteoartrites, diabetes – no caso de gatos –, problemas respiratórios e dermatológicos”, afirma o profissional. 

Pós-operatório. Durante o período de recuperação da castração, o tutor deve manter a rotina de alimentação do animal, oferecendo quantidades calculadas de acordo com a necessidade de cada indivíduo, sempre acompanhado por um pote de água fresca e limpa. Também é essencial proteger a ferida cirúrgica, para não correr o risco de acidentes, infecções ou machucados. 

Mas vale lembrar que cada pet é único, bem como sua recuperação. É importante ter sempre o acompanhamento de um médico-veterinário e seguir as indicações medicamentosas e alimentares prescritas de acordo com o histórico de saúde do animal.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Médica-veterinária explica como tratar o linfoma alimentar em gatos de estimação

Plataforma visa auxiliar veterinários de todo o mundo na questão ‘saúde mental’

Estudo defende que mau comportamento e obesidade em pets cresceram durante pandemia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bioparque da Amazônia e Instituto Mamirauá firmam parceria para tratar animais resgatados

Pensando na saúde e bem-estar dos animais, Vetnil lança a campanha “Abril Pet Essencial”