Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Inovação e Mercado, Destaques

Brasil tem o maior número de cursos de Veterinária do mundo

Profissão foi regulamentada em 1933, pelo presidente Getúlio Vargas
Por Equipe Cães&Gatos
At the veterinary
Por Equipe Cães&Gatos

O Brasil comemora o Dia do Médico-Veterinário no dia 9 de setembro, data  simbólica tendo por base o dia em que, no ano de 1933, o então presidente da República, Getúlio Vargas, regulamentou a profissão.

Desde então, a importância dessa atividade teve um crescimento contínuo. Segundo o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), o País concentra 536 cursos, enquanto o restante do mundo tem apenas 360. 

Para se ter uma ideia, os Estados Unidos possuem 32 escolas de Medicina Veterinária, enquanto a Europa inteira reúne 95 e a China, 22. “É preciso ter comprometimento com a educação continuada de qualidade”, reforça o médico-veterinário e diretor da Faculdade Qualittas, Francis Flosi. 

De acordo com ele, os cursos estão colocando jovens que, em sua maioria, não estão sendo formados adequadamente para lidar com vidas animais e humanas, considerando a importância da atuação médico-veterinária nas diversas áreas que impactam diretamente o bem-estar dos seres e do ambiente.

Asian veterinarian examine cat during appointment in veterinary clinic.
País concentra 536 cursos, enquanto o restante do mundo tem apenas 360 (Foto: reprodução)

Ele explica que a ação desses profissionais não se resume apenas ao cuidado sanitário com os animais, mas adquirindo papel social fundamental, por lidar com questões de saúde pública para garantir a prevenção e o controle de zoonoses, doenças que acometem os animais e podem contaminar os humanos. 

A cura dos animais teve seu início junto com as civilizações mais antigas. Dizem às lendas que o Centurião Quirão – Deus da Medicina Veterinária, um ser metade homem, metade cavalo, filho de Saturno Deus do Tempo, foi quem levou seus conhecimentos á Esculápio antecessor de Hipócrates 2.000 A· C.

Mesmo assim, o senso comum continua associando o papel do médico-veterinário apenas ao atendimento de animais de produção e de companhia, ignorando que esse profissional atua fortemente na vigilância sanitária, na produção e inspeção de insumos alimentícios para animais e em laboratórios de pesquisa científica – onde as descobertas acabam sendo estendidas à saúde do homem. Tudo isso sem contar a presença, absolutamente indispensável, em todos os segmentos da indústria de alimentos de origem animal.

“Normalmente somos vistos pela sociedade como o médico dos bichinhos. A clínica médica e cirúrgica de animais é hoje uma das inúmeras atribuições que este profissional possui e, sem dúvida, uma das mais importantes até por estabelecer uma agradável empatia com a sociedade, mas não deixa de ser uma atividade sanitarista ao evitar que zoonoses possam afetar a família, bem como a comunidade”, explica o médico-veterinário e diretor da Faculdade Qualittas, Francis Flosi.

At the veterinary
Profissional também contribui no aspecto emocional, fornecendo suporte em momentos difíceis (Foto: reprodução)

Desde que reconhecida como profissão científica, em 1761 (ano de fundação, na França, da Escola de Medicina Veterinária de Lyon), a atividade não só acompanhou como também foi base para inúmeros avanços tecnológicos, hoje aplicáveis também à saúde humana. Tornou-se, assim, essencial para a sociedade, colocando-se como um dos ofícios mais requisitados da atualidade.

Outro aspecto importante do trabalho é o cuidado emocional, tanto para os animais quanto para seus tutores. “Criamos um vínculo entre os humanos e os animais de estimação e, muitas vezes, fornecemos suporte e conforto em momentos de perda ou doença grave”, completa.

Para se ter uma ideia do crescimento do setor, o Brasil abriga cerca de 150 milhões de animais de estimação, dos quais mais de 85 milhões são cães e gatos, segundo dados do IPB (Instituto Pet Brasil). 

No ano passado, o faturamento da área chegou a R$ 60, 2 bilhões, aumento de 16,4% em relação ao ano anterior. A projeção para 2023 é que esses negócios cresçam mais 12,1% chegando a R$ 77,4 bilhões, também segundo o instituto. 

“Um dos fatores que explicam esse avanço é o fenômeno da humanização os animais. Hoje, os donos buscam por uma boa nutrição e atendimento de alta qualidade para o bem-estar e saúde dos seus pets”, comenta Flosi.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães e Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Atenção veterinários: o que enviar por e-mail aos tutores?

No Recife, protetores recebem auxílio veterinário por um ano

Importância da atuação do veterinário em desastres ambientais

NewsLetter

Cadastre-se agora e receba nossos boletins e atualizações em seu email. 

Integração
Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!