Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Clínica e Nutrição

Cães com demência sofrem disrupções de sono semelhantes a humanos

Estudo foi realizado na Universidade Estadual da Carolina do Norte, com 28 animais
Por Equipe Cães&Gatos
sono
Por Equipe Cães&Gatos

Um grupo de investigadores da Universidade Estadual da Carolina do Norte revelou que cães com demência sofrem as mesmas disrupções de sono que os humanos com a mesma condição de saúde. O estudo teve como base a eletroencefalografia em cães mais idosos para determinar se as ondas cerebrais durante o sono se correlacionavam com os sinais de declínio cognitivo.

Segundo explicado em comunicado, quanto maior a pontuação do cão em testes cognitivos e no questionário Canine Dementia Scale (CADES), menos tempo eles passavam no estado REM (associado aos sonhos) e no estado de sono profundo que antecede o REM. 

Objetivo é que o estudo possa levar ao diagnóstico e intervenção precoce em cães idosos com sinais de declínio cognitivo (Foto: reprodução)

A autora principal do estudo, Alejandra Mondino, explica que estes cães têm demência e a perturbação do sono faz parte disso. “Além do menor tempo gasto a dormir, quando olhamos para o EEG, vemos que a atividade cerebral deles durante o sono era mais parecida com um estado acordado. Em outras palavras, quando eles conseguem dormir, os seus cérebros não estão, realmente, dormindo”, conclui. 

O estudo analisou 28 cães idosos: 17 fêmeas e 11 machos. Antes do estudo do sono, os cães tinham recebido exames físicos completos, sido submetidos a testes cognitivos e os seus tutores preencheram o questionário da CADES, a fim de determinar a gravidade do seu declínio cognitivo.

Durante a investigação, os cães não foram sedados e os eletrodos foram afixados ao crânio com gel pegajoso. Os cães fizeram duas sessões de sono no laboratório – a primeira para aclimatá-los ao ambiente e à colocação de eletrodos e a segunda para registar a atividade cerebral durante um período de sono de duas horas.

Os investigadores esperam que o estudo possa levar ao diagnóstico e intervenção precoce em cães idosos com sinais de declínio cognitivo.

Fonte: Veterinária Atual, adaptado pela equipe Cães e Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Quais os principais problemas oculares que afetam os pets?

Sindan e CFMV firmam parceria para combate à pirataria de medicamentos 

Faculdade Una realiza atendimentos veterinários em Pouso Alegre (MG)

NewsLetter

Cadastre-se agora e receba nossos boletins e atualizações em seu email. 

Integração
Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!