Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Pets e Curiosidades

Campanha incentiva “guarda compartilhada” de animais silvestres no Paraná

Por Equipe Cães&Gatos
Adoção de animais silvestres
Por Equipe Cães&Gatos

Por meio do Instituto Água e Terra (IAT), o governo do Estado do Paraná reforça a importância da campanha “não compre, adote!”. A ideia é sensibilizar as pessoas a aderirem a uma guarda responsável de animais silvestres, muitos deles provenientes de apreensões, de entregas voluntárias, resgates ou vítimas de maus-tratos, cujas condições físicas impedem o seu retorno à natureza.

No ano passado, 81 animais foram encaminhados a novos lares por meio do Termo de Guarda de Animais Silvestres (TGAS). A regulamentação foi criada pela Portaria 137/2016 do IAT e validou a prática da adoção da guarda responsável no Paraná.

“Esse termo nos permite dar um fluxo de atendimentos para os animais silvestres, concedendo uma destinação digna para esses bichos que já sofreram devido aos maus-tratos e outras atividades humanas”, afirmou o biólogo do Setor de Fauna do IAT, Allyfer Ziemmer.

Há uma grande quantidade de espécies à disposição da população para o processo de guarda compartilhada com o Estado. Entre os pássaros, destaque para o trinca-ferro, bem-te-vi, azulão, cardeal, pintassilgo, maritaca e papagaio-verdadeiro, entre outros. Existe, ainda, a opção de passar a cuidar de tartarugas, como o jabuti e o tigre-d’água.

Espécies são provenientes de apreensões, entregas voluntárias, resgates ou vítimas de maus-tratos, cujas condições físicas impedem o seu retorno à natureza (Foto: divulgação)

O processo de pedido de guarda de um animal silvestre é simples e totalmente digital: basta acessar o site do IAT (clique aqui) e preencher o cadastro completo. Após análise e aprovação, é só aguardar o contato do órgão ambiental para pegar o animal. 

O limite é de cinco bichos por registro, sendo possível somente um cadastro por endereço. Também não é permitido o recebimento de espécies classificadas com algum grau de ameaça de extinção.

No entanto, o biólogo ressalta que, mesmo após a confirmação da posse compartilhada, é necessário obedecer a uma série de requisitos: providenciar um local adequado à espécie, respeitando as necessidades e particularidades do animal; garantir a marcação dos bichos por meio de anilha ou microchip em uma clínica veterinária; e apresentar anualmente para o IAT um relatório como fotos do local, da alimentação e do próprio animal, além de um atestado de saúde.

O termo prevê, também, a proibição da reprodução desses animais e do transporte sem autorização, além de exigir que o bicho permaneça no Paraná, já que a legislação é do órgão ambiental estadual – em caso de mudança do tutor para outro estado, a TGAS deverá ser cancelada e o animal devolvido ao IAT.

De acordo com a Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres (Renctas), o tráfico de animais silvestres é a terceira atividade ilegal mais praticada no mundo em números absolutos, atrás apenas do tráfico de armas e de drogas. A estimativa aponta que 38 milhões de animais silvestres são retirados da natureza todos os anos no Brasil (Renctas).

No Paraná, o IAT e os Centros de Apoio à Fauna Silvestre (CAFS) são os responsáveis pela fiscalização. Atuam também na recuperação, cuidados e intermediação para um novo lar para os animais.

Fonte: Governo do Estado do Paraná, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Gato Norueguês da Floresta é uma boa opção para famílias com crianças e outros pets

CRMV-PB lança campanha contra exercício ilegal da Medicina Veterinária e da Zootecnia

Com popularidade dos bulldogs, WSAVA alerta para crescente crise dos cães braquicefálicos

Compartilhe este artigo agora no