in

Campanha Março Amarelo: Doença Renal Crônica pode atingir até 50% dos felinos adultos

É fundamental que os tutores levem seus gatos para check-ups frequentes para evitar o problema

A divisão de Pets da Boehringer Ingelheim aproveita o mês conhecido como “Março Amarelo” para alertar aos tutores de gatos sobre a importância de realizar exames periódicos para detecção precoce da Doença Renal Crônica (DRC), que pode atingir de 35% a 50% dos felinos de meia idade a idosos. 

De acordo com a médica-veterinária e gerente Técnica de Pets da Boehringer Ingelheim, Karin Botteon, a DRC se define pela presença de anormalidades funcionais e estruturais dos rins dos felinos que persistem por mais de três meses. As causas variam, como a apresentação de anormalidades congênitas, pielonefrite, doença imunomediada, cálculos, hipercalcemia, neoplasias, entre outras. 

Como mecanismo de proteção, os gatos costumam esconder sinais clínicos, diferentemente dos cães
(Foto: reprodução)

Os sinais clínicos apresentados mais comuns são: poliúria primária, polidipsia compensatória, inapetência, perda de peso e letargia. Em estágios mais avançados da doença, podem ocorrer sinais relacionados ao trato gastrointestinal, como vômitos, úlceras orais, halitose e constipação. Como mecanismo de proteção, os gatos costumam esconder sinais clínicos, diferentemente dos cães. Por conta disso, muitos tutores não realizam check-ups periódicos, fazendo com que a DRC evolua sem ser percebida. Em 2021, a Boehringer Ingelheim divulgou um estudo realizado nos EUA – e que rendeu a campanha global Cat’Xpert -, em que apenas 65% dos tutores realizam check-ups anuais em seus gatos, enquanto 85% fazem o mesmo com seus cães. 

“A DRC é uma enfermidade muito comum em gatos idosos e precisa ser acompanhada de perto. Com a evolução da doença, pode haver perda de proteína pelos rins, o que diminui a expectativa de vida do animal. Portanto, a identificação e o tratamento adequado são fundamentais”, afirma a doutora. 

A doença pode ser detectada pelo médico-veterinário por meio do histórico do animal e por exames de sangue e de urina. Os marcadores utilizados para avaliar a função renal são a ureia e a creatina, mensurados pelo exame de sangue. Com relação à perda de proteína pelos rins, é necessário avaliar a relação da proteína/creatinina urinária. A proteinúria, em especial, contribui significativamente com a progressão da DRC, além de diminuir a expectativa de vida dos gatos com a doença, por isso é tão importante detectar esta alteração o quanto antes. 

Tratamento para DRC   

Ao diagnosticar o gato com DRC, o tutor tem a opção de realizar o tratamento com o Semintra, único produto para DRC no mercado brasileiro, que bloqueia o receptor de angiotensina para uso na medicina veterinária. Ele é indicado para redução da proteinúria associada à DRC e tem como princípio ativo a telmisartana. “O Semintra reduz a progressão da doença e aumenta a expectativa de vida do animal. Se o gato for diagnosticado com DRC, é importante que o tutor converse com o médico-veterinário sobre as melhores formas de manejo da doença e siga fazendo check-ups frequentes para acompanhamento da doença”, recomenda Karin.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Veterinária que atua na Vigilância em Zoonose aborda a importância da prevenção de doenças

País europeu proíbe criação de Buldogue inglês e Cavalier King Charles Spaniel

Uso de cannabis medicinal na Veterinária impulsiona criação de grupo de trabalho no CRMV-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mosquito-palha

Leishmaniose visceral acomete, em média, 3,6 mil pessoas ao ano no Brasil

trato urinário

Material da FMVZ-Unesp mostra como prevenir a obstrução do trato urinário em felinos