Cães e gatos logo

Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Clínica e Nutrição

Carrapatos portadores de febre maculosa podem afetar cães

Profissional explica diferenças entre este e o parasita mais comum no organismo dos pets
Por Equipe Cães&Gatos
carrapato cães
Por Equipe Cães&Gatos

O aumento nos casos de febre maculosa no interior de São Paulo, ocasionados por carrapatos, também acende o alerta para os efeitos nos cães. A febre maculosa pode ser transmitida para seus pets por meio do carrapato estrela, cujo gênero é conhecido por Amblyomma sp, responsável pela disseminação das bactérias do gênero Rickettsia., incluindo a Rickettsia rickettsii, responsável pela febre maculosa. 

Além disso, é importante distinguir esse tipo de carrapato do Rhipicephalus sanguineus, espécie mais comum em cães. Ao conhecer as características e os comportamentos dos carrapatos, assim como estar ciente das medidas preventivas, os tutores poderão proteger seus cães contra a febre maculosa, assegurando, assim, sua saúde e bem-estar.

O carrapato marrom, espécie mais prevalente encontrada em cães, possui ampla distribuição geográfica e é encontrado em diferentes regiões do mundo, tendo como preferência áreas quentes e secas. Por isso, também são comuns em ambientes domésticos, como casas e quintais, onde os cães passam a maior parte do tempo.

Por outro lado, o parasita vetor da febre maculosa no Brasil, conhecido como carrapato estrela, é mais comum em áreas rurais e de vegetação densa, onde seus hospedeiros naturais, como capivaras, cavalos e outros animais selvagens, são encontrados. 

Diferentemente do primeiro, o carrapato estrela não infesta o interior de residências e edifícios e não é encontrado em caminhos pavimentados ou áreas com solo exposto. A transmissão da bactéria causadora da febre maculosa ocorre durante o parasitismo prolongado do carrapato infectado, que requer acima de 4 horas de alimentação com sangue do hospedeiro. 

Antiparasitários são aliados para proteger animais de contaminações (Foto: reprodução)

A médica veterinária e gerente Técnica da Boehringer Ingelheim, Dra. Karin Botteon, salienta que apenas 1% dos carrapatos desse gênero estão infectados, e a bactéria será carreada pelo carrapato ao longo de suas vidas. Além disso, a transmissão vertical e transestadial nos carrapatos significa que eles já nascem infectados.

Embora cães possam ser infectados pela bactéria que causa a febre maculosa, eles não são os hospedeiros preferenciais do carrapato estrela. Normalmente, as capivaras, gambás, saguis, bois e cavalos são os hospedeiros preferidos. 

Os principais sintomas da febre maculosa em cães incluem febre, letargia, hiperemia (com manchas vermelhas na pele) e edema de extremidades como lábios, nariz e orelhas. Ainda, 40% dos cães afetados podem apresentar sintomas neurológicos. 

Os sinais clínicos geralmente aparecem entre 2 e 4 dias após a infecção, mas podem ocorrer em até 14 dias. É importante ressaltar também que os animais domésticos não são capazes de transmitir a doença para seres humanos – é necessário que um carrapato contaminado se alimente do ser humano para transmitir a doença.

“A febre maculosa causada pelo carrapato estrela na região interior de São Paulo é uma zoonose grave. No entanto, é possível prevenir e combater essa doença por meio de medidas adequadas”, destaca a profissional. 

“Para priorizar a saúde integrada de humanos e animais e proteger seu pet contra o carrapato estrela e a febre maculosa, é importante aplicar corretamente antiparasitários eficazes no combate aos carrapatos, como o Frontline, por exemplo. Esses produtos devem ser utilizados conforme as instruções do fabricante e as orientações de um veterinário”, acrescenta.

E para proteger seus animais de estimação, também é crucial estar atento às áreas de risco e adotar medidas preventivas adequadas. Ao evitar áreas infestadas e implementar medidas preventivas, como o uso de antiparasitários, os tutores podem reduzir o risco de seus pets contraírem a febre maculosa.

O carrapato estrela está presente em áreas verdes onde há circulação de seus hospedeiros, especialmente capivaras e cavalos. Isso inclui parques, praças, fazendas, pastos, matas, pesqueiros e vegetação próxima às margens de rios e lagoas. 

A conscientização e a adoção de medidas preventivas são fundamentais para evitar o aumento de casos de febre maculosa em Campinas e outras regiões. Ao proteger os animais de estimação, contribuímos para a promoção da saúde e bem-estar de todos os membros da família, sejam eles humanos ou não.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães e Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Médico-veterinário militar comenta desafios da profissão

É viável o uso de ingredientes mais sustentáveis na alimentação pet?

PL permite o acolhimento de animais em albergues emergenciais em dias frios

Compartilhe este artigo agora no