Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Clínica e Nutrição

Diagnosticar a doença renal crônica precocemente evitaria mais problemas aos pets

Por Equipe Cães&Gatos
gato vet
Por Equipe Cães&Gatos

No mês de março, ouvimos falar sobre a saúde renal dos humanos e dos animais, por conta da campanha Março Amarelo. Mas os cuidados com os rins devem se estender ao longo de todo o ano.

- PUBLICIDADE -

O médico-veterinário especializado em Nefrologia e Urologia de Pequenos Animais, professor de pós-graduação e membro da diretoria do Colégio Brasileiro de Nefrologia e Urologia Veterinária (CBNUV), Hugo Cardoso Martins Pires, explica que a DRC é uma condição definida pela presença de alteração renal persistente, caracterizada pela perda definitiva e irreversível de massa funcional e estrutural de um ou ambos os rins. “Isso pode ser consequência de diferentes enfermidades que afetam os rins e que, independente da causa, levam à destruição lenta dos néfrons e à progressiva disfunção renal”.

O médico-veterinário especialista em Clínica Médica de cães e gatos – CFMV/Anclivepa-Brasil – e que realizada atendimento especializado em Nefrologia e Urologia de cães e gatos na UnicPet Nefrologia e Urologia, coordenador do curso de especialização em Nefrologia e Urologia em pequenos animais da Anclivepa-SP e presidente do CBNUV, Luciano Henrique Giovaninni,  acrescenta que na doença renal crônica o número de néfrons tende a reduzir ao longo do tempo. “Inicialmente, ela parte de uma lesão morfológica que, ao decorrer do tempo, reduz o número de néfrons, que é a unidade funcional dos rins e à medida que isso acontece, a função renal é comprometida”, explica. 

Segundo ele, resumidamente, a DRC parte de alteração na forma e culmina com o comprometimento da função renal e, em seguida, com o comprometimento da vida do paciente. “Então, são diferentes os motivos que levam à alteração na forma e comprometimento da função. Uma das causas é a senilidade. Cães e gatos que, ao envelhecerem, assim como os seres humanos, tendem a ter alteração na forma, redução do número de néfrons e doença renal crônica. Essa é uma categoria de indivíduo que tem bastante frequência de DRC. Inclusive, se compararmos cães e gatos, os felinos senis têm uma frequência três vezes maior comparados aos cães senis de DRC”, explica.

Para Giovaninni, a doença é um desafio. “E por que um desafio? Porque o diagnóstico tende a ser tardio. Então se um médico-veterinário não considera ou não se atenta a presença das alterações morfológicas: indefinição de região córti-comedular, presença de cistos renais, calcificação de parênquima; porque todas essas alterações podem acontecer em qualquer momento da vida dos cães ou dos gatos, e podem ser induzidas, como dito anteriormente, pela senilidade, o que é muito frequente, mas podem ser induzidas, também, por algumas doenças infecciosas, principalmente a leishmaniose e as hemoparasitoses em cães. Existe também uma relação com a FIV e FeLV em gatos”, conta.

Clique aqui para ler a reportagem completa e confira o que os profissionais têm a dizer sobre estadiamento e tratamento da doença.

(Foto: C&G VF)

Fonte: Redação Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Nutrição é um dos pontos-chave para preservação e tratamento da saúde renal dos pets

Alimentos da Páscoa, especialmente o chocolate, podem intoxicar os animais de estimação

Pets demandam cuidados para chegar na “terceira idade” com qualidade de vida

Compartilhe este artigo agora no