in

Disfunções hormonais alteram corpo e comportamento dos animais de estimação

Obesidade pode levar animal a óbito se não tratada corretamente

Animais gordinhos podem ser fofos, engraçados e sossegados, mas quando o tutor se dá conta de que essa condição traz prejuízo ao seu bem-estar e consequente redução na expectativa de vida, a obesidade do pet perde a graça. E nem sempre o animal é gordo porque come demais ou faz atividade de menos. Ele pode ter engordado por sofrer alguma disfunção hormonal.

Segundo a responsável pelo atendimento especializado em Endocrinologia e Metabologia de Pequenos Animais no Hospital Veterinário Taquaral, Dra. Taís Angélica Tosco, há diversas alterações nos níveis hormonais que podem desencadear a obesidade em cães e gatos. Um dos que ocorre entre os cachorros é o hipotireoidismo, é a deficiência da produção e secreção dos hormônios tireoideanos, responsáveis pelo controle da atividade metabólica. “Quando os níveis de hormônios da tireóide estão baixos o metabolismo fica mais lento, predispondo à obesidade, entre outras alterações”, alerta. O hipotireoidismo é raro em gatos.

Outra alteração hormonal mais comum em cães do que em felinos e que pode levar à obesidade é o Hipercortisolismo ou Hiperadrenocorticismo (também conhecido com Síndrome de Cushing). Taís diz que essa disfunção envolve as glândulas adrenais, responsáveis pela produção e secreção de alguns hormônios, como o cortisol. “As glândulas adrenais, quando estão em hiperfunção, produzem mais hormônios que o normal. O excesso de cortisol, entre outros sintomas, pode levar também ao acúmulo de gordura na região abdominal, aumento do apetite e diminuição da disposição física”, explica.

Já os gatos sofrem da Síndrome Metabólica, problema não tão bem esclarecido em cachorros. Essa síndrome é o conjunto de alterações metabólicas e hormonais, considerados fatores de risco, que relaciona a obesidade com disfunções hormonais e cardiológicas. “O gato obeso apresenta resistência insulínica importante com aumento da glicose sanguínea, predispondo a Diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares”, destaca Taís.

As disfunções hormonais podem aparecer em qualquer idade, porém cada disfunção tem uma faixa etária em que há maior predisposição. O hipotireoidismo pode ocorrer em cães mais jovens, a partir dos 2 anos. Já a Síndrome de Cushing e Diabetes é mais comum em cães e gatos de meia idade a idosos. No caso da obesidade, pode ocorrer em qualquer idade, desde filhotes a idosos. É bom ressaltar que algumas doenças hormonais podem ter origem hereditária e/ou predisposição racial, como o hipotireoidismo, hipercortisolismo, diabetes mellitus e obesidade.

Há de se destacar que alguns fatores podem funcionar como gatilhos para promover problemas hormonais, como tipo de alimentação, sedentarismo e o uso indiscriminado de algumas medicações, como os corticoides. “O uso de forma indiscriminada de corticóides, pode levar o animal a desenvolver o Hipercortisolismo (Síndrome de Cushing) iatrogênico – causado por um fator externo”, adverte a especialista.

As disfunções hormonais podem aparecer em qualquer idade, porém cada disfunção tem uma faixa etária em que há maior predisposição (Foto: reprodução)

Sintomas

A veterinária frisa que é bom o tutor ficar de olho em alguns sinais que o animal demonstra. Entre eles estão o aumento excessivo do apetite e da sede, prostração, apatia, sono em excesso e alterações dermatológicas, como falha de pelo com queda de pelo em demasia. “Todas essas mudanças podem estar relacionadas a disfunção hormonal, sendo necessário avaliação com especialista para diagnóstico e tratamento. Lembrando que a obesidade também é considerada uma doença que precisa de cuidados, porque afeta a qualidade de vida do pet”, enfatiza.

O diagnóstico e tratamento precoce permitem melhor controle das alterações recorrentes da doença, evitando perda da qualidade de vida e assegurando melhor desfecho. “Toda doença hormonal gera consequências na saúde do animal. Aumento de colesterol e triglicérides, lesão hepática, alterações cardiovasculares e dermatológicas estão entre os prejuízos, que podem acarretar problemas irreversíveis caso não tratados”, observa a médica-veterinária.

Tratamentos

O tratamento é específico para cada doença. Há casos em que a reposição hormonal gera bons resultados. Outros animais precisam de medicações que inibem a produção hormonal ou até cirurgia ou iodoterapia.

No caso do diabetes mellitus, tanto no cão como no gato, o tratamento é realizado por meio de dieta, manejo e insulinoterapia. “O cuidado ideal vai depender da doença hormonal em questão, da condição clínica do paciente, dos exames laboratoriais e de imagem, para um melhor resultado. Cada tratamento deve ser individualizado e prescrito por um médico veterinário especialista”, salienta Taís.

A obesidade é o acúmulo excessivo de gordura devido ao desbalanço energético, quando a ingestão calórica é maior que o gasto energético. A obesidade tem maior incidência em animais adultos a idosos, que têm atividade física reduzida. O diagnóstico é observado quando o animal apresenta 15% acima do seu peso corporal ideal, pela inspeção física e palpação dos animais.

A obesidade é um distúrbio nutricional que acarreta aos seus portadores disfunções na fisiologia de diferentes sistemas (cardiovascular, osteoarticular, imunológico, digestório e endócrino).

O tratamento é realizado através de dieta com restrição calórica e atividades físicas regulares. O paciente deve ser monitorado durante todo o tratamento.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Avert Saúde Animal acaba de lançar o Avert Cast, seu canal de podcast

Maioria dos pets brasileiros foi adotada ou presenteada, de acordo com pesquisa

Biovet proporciona ao mercado Pet brasileiro “Vet para todos”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

melhorar expectativa de vida dos pets

Tutores podem seguir quatro dicas importantes para melhorar expectativa de vida dos pets

Dia Mundial Contra a Raiva

Veterinários comentam estratégias governamentais para controle da Raiva no Brasil