Cães e gatos logo

Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Pets e Curiosidades

Escorpiões são mais comuns no período de verão, por isso, é preciso redobrar os cuidados

Por Equipe Cães&Gatos
escorpião
Por Equipe Cães&Gatos

O clima quente e úmido do verão aumenta a preocupação com picadas de escorpião no Brasil e o número de encontros com esse animal peçonhento cresceu no ano passado. Como informou o Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE) do Estado de São Paulo, houve 42,1 mil acidentes envolvendo esses artrópodes em 2022, cenário 22% maior do que em 2021, quando foram registrados 34,5 mil casos. Especialistas alertam que o veneno pode ser letal, principalmente para crianças.

De acordo com a coordenadora do curso de Enfermagem da Universidade Anhanguera, Claudia De Lima Teixeira Fuentes Garcia, crianças com menos de sete anos apresentam maior risco de alteração sistêmica, pois o veneno dos escorpiões altera o sistema nervoso, principalmente das crianças menores que possuem menos sangue para diluir as toxinas do veneno do escorpião. Quanto menor a criança, os efeitos tendem a ser mais grave, por causa da relação de seu peso com o veneno inoculado. “A maioria dos acidentes é leve, mas crianças correm um maior risco de apresentar sintomas, como diarreia, dores no corpo e enjôos. É imprescindível que se busque o atendimento médico imediatamente após uma picada”, enfatiza a enfermeira. 

Além das crianças, os idosos também podem sofrer consequências mais graves com esses acidentes. Trabalhadores da área de construção civil e pessoas que passam grande parte do tempo em quintais, jardins ou nos arredores das casas são considerados dentro dos grupos de maior exposição aos escorpiões e precisam redobrar a atenção. Os animais se escondem em folhas secas, no lixo doméstico (em busca de baratas e outros insetos para se alimentar), no acúmulo de entulhos, papelão e em materiais para obras. 

O indivíduo picado sente dor instantânea, com vermelhidão no local e inchaço leve por conta da concentração de líquido. Os sintomas que se seguem são a sensação de formigamento, piloereção (pelos arrepiados), sudorese e, em casos críticos, tremores, enjoos, vômitos, diarreia, agitação incomum, aumento na produção de saliva e hipertensão. 

A maioria dos acidentes é leve, mas crianças correm um maior risco de apresentar sintomas (Foto: reprodução)

Orientações 

A recomendação é que a pessoa acidentada seja encaminhada para o pronto atendimento imediatamente, onde um profissional de saúde capacitado irá avaliar e aplicar o protocolo de atenção ao acidentado por escorpião. Nem todos os acidentados necessitarão de soro antiescorpiônico, isso vai depender dos sinais e sintomas do paciente. Se possível, levar o escorpião ou uma foto do animal para facilitar a identificação da espécie e otimização da avaliação. O local da picada pode ser lavado com água e sabão, desde que não atrase a ida ao hospital. 

A docente da Anhanguera destaca as principais dicas para prevenir os encontros com animais peçonhentos: 

  • Retirar o lixo domiciliar periodicamente e utilizar em sacos plásticos ou outros recipientes que possam ser mantidos fechados (como latas de lixo com tampa), para não atrair insetos como moscas e baratas, que servem de alimento para os escorpiões;
  • Evitar o acúmulo de sujeira em terrenos baldios que estejam nas proximidades das residências. O poder público pode ser acionado para o serviço; 
  • Limpar, regularmente, os jardins e quintais de casa, além de retirar entulhos, papelão, folhas secas, lixo doméstico e materiais de construção nos arredores do local; 
  • Não colocar as mãos dentro de buracos, sob pedras, em entulhos e troncos podres, pois podem ser o esconderijo de escorpiões e outras espécies peçonhentas. Se necessário, utilizar luvas e calçados; 
  • É preciso vedar vãos e frestas pela casa, buracos em paredes, consertar rodapés despregados e usar telas em janelas, ralos do chão, pias e tanques; 
  • Antes de colocar roupas e sapatos, é aconselhado sacudi-los para verificar se há aranhas e escorpiões escondidos neles; 
  • Manter berços e camas se possível afastados da parede.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Veterinária comenta a importância da “gatificação” dos ambientes para a espécie felina

Entender os hábitos do vetor da leishmaniose visceral ajuda a se proteger contra a doença

Proteção Animal Mundial atua na soltura de dois tamanduás-bandeiras

Compartilhe este artigo agora no