in

Estudo: companhia de gatos ajuda no emocional e social de crianças com autismo

Questões fisiológicas e até cognitivas são melhoradas quando há essa interação

A interação humano-animal tem sido foco do Centro de Nutrição e Bem-Estar Animal Waltham, parte da Mars Petcare. Objetivo é comprovar o quanto essa relação é benéfica. Também nesta busca por informação estão os resultados de um estudo financiado pelo Human Animal Bond Research Institute (HABRI), da Universidade do Missouri, que identificou que crianças com autismo e pais que adotaram um felino sentiram, de imediato, uma forte conexão com o pet.

Os estudos mostram que a presença dos gatos na vida de crianças autistas causa efeitos positivos no desenvolvimento cognitivo e de aprendizado do vocabulário, isso porque os felinos interagem com os pequenos sem transmitirem a sensação de “pressão”. Os gatos recebem carinho sem demonstrar e podem passar horas olhando para uma imagem em absoluto silêncio. Dessa maneira, ambos podem curtir seus silêncios naturalmente e juntos.

Segundo estudo, relação promove uma melhoria no desempenho e desenvolvimento na comunicação, raciocínio, percepção e memória (Foto: reprodução)

Desenvolvimento físico, cognitivo e social

Os resultados de pesquisas mostram que a convivência com cães e gatos beneficia crianças e adultos de forma geral: reduzindo estresse, medo, fadiga e tristeza. Mas há uma diferença com base no animal: as crianças autistas tendem a se relacionar melhor com animais mais calmos, por exemplo. Além disso, a pesquisa Waltham mostra que o contato com pets pode diminuir o risco de as crianças desenvolverem alergias futuras.

O estudo evidenciou que a interação dos gatos com as crianças que possuem Transtorno do Espectro do Autismo e crianças com Déficit de Atenção promove uma melhoria no desempenho e desenvolvimento na comunicação, raciocínio, percepção e memória.

Os pesquisadores de Waltham apontam que ter um pet no ambiente familiar pode impactar positivamente a saúde emocional e as habilidades sociais das crianças com autismo. Por exemplo, ter contato com os animais em casa ajuda a criança a criar vínculos e se sentir bem na presença de outro ser. Eles também auxiliam muito o emocional dos pais ao verem o filho interagir com um pet, quando a criança tem dificuldade de interação com a família.

Para promover mais benefícios na relação de laços entre crianças e pets, a interação entre eles deve ser sempre monitorada por adultos para evitar imprevistos em que a criança pode se machucar ou exceder o limite imposto pelo animal e sempre procurar um especialista para qualquer eventualidade.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Número de animais doadores de sangue está abaixo do necessário para suprir demanda

Câmara Técnica de Medicina Veterinária do CFMV toma posse durante cerimônia

Lei em Campo Grande (MS) permite registro oficial de cães e gatos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pets e fogos de artifício

PremieRpet promove campanha “Não brinque com fogos, brinque com o seu pet”

lagartixa leopardo

Como cuidar adequadamente do réptil lagartixa leopardo e prevenir problemas de saúde?