in

Investigadores analisam condições que levam mais cães à morte por eutanásia

Peso corporal alto, o aumento da idade e certas raças de cães foram considerados fatores de risco significativos

Investigadores da Royal Veterinary College (RVC) lideraram um novo estudo que revelou os tipos de doenças e condições mais prováveis de levar à morte por eutanásia em cães. O artigo científico tem como objetivo ajudar os médicos-veterinários e os tutores em discussões sobre os cuidados de fim de vida.

O estudo, publicado na revista Scientific Reports, mostra que a desordem da medula espinhal, a incompetência, a má qualidade de vida e o comportamento indesejável estão entre as condições mais prováveis de levar à eutanásia.

O peso corporal alto, o aumento da idade e certas raças de cães também foram considerados fatores de risco significativos. Os investigadores descobriram que, na maioria dos casos, cabe ao tutor e ao médico tomar a decisão de adormecer o cão. Um total de 2.676 mortes (91,5%) no estudo envolveram a eutanásia, enquanto 2.487 (8,5%) foram mortes sem assistência.

Também descobriram que os rottweilers são mais propensos a morrer por eutanásia em comparação com os labradores retrievers, utilizada como a raça de base padrão. Inversamente, raças mais pequenas como bulldogspugs e terriers brancos de West Highland mostram-se mais propensas a ter mortes sem assistência, causadas por lesões traumáticas, corpos estranhos e doenças cardíacas.

Os rottweilers são mais propensos a morrer por eutanásia em comparação com os labradores retrievers (Foto: reprodução)

Comentários dos investigadores.

A autora do estudo, Camilla Pegram, epidemiologista do RVC, afirmou: “Este estudo fornece dados de referência para a proporção relativa de mortes que envolvem a eutanásia e para o impacto relativo da demografia e das perturbações na tomada de decisões sobre a eutanásia. Os tutores e profissionais veterinários podem achar mais fácil discutir opções de fim de vida, chegar a uma decisão final e estar confortável com estas decisões com base em um sentimento de apoio mais amplo das ações relatadas de outros em situações semelhantes”, declara a investigadora.

O coautor do estudo, Dan O’Neill, professor sénior em epidemiologia dos animais de companhia no RVC, espera que a informação deste estudo possa, pelo menos, ajudar alguns tutores a aceitar a responsabilidade de ajudar o seu cão a morrer com dignidade. “Compreender que mais de 90% dos outros proprietários também optaram pela eutanásia pode ajudar qualquer pessoa que lute para tomar esta decisão final e muito difícil”.

Outras conclusões-chave do estudo.

A idade média na morte de cães eutanasiados (12,1 anos) era maior do que a idade média dos cães que morreram sem assistência (9,9 anos);

Uma idade mais avançada na morte foi associada a um risco acrescido de eutanásia em relação à morte sem assistência, com cães com idades iguais ou superiores a 15 anos possui 5,9 vezes mais risco de eutanásia em comparação com cães com menos de 6 anos.

O peso corporal (kg) foi associado à eutanásia, com cães com peso entre 20 e menos de 30kg tendo um risco 1,24 vezes superior em comparação com os cães com menos de 10kg.

Os investigadores analisaram informações de mais de 29 mil cães que morreram ao longo de um ano para avaliar simultaneamente as diferentes causas de morte e avaliar os seus impactos na tomada de decisões.

Fonte: Veterinária Atual, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

CFMV anuncia Medicina Veterinária do Coletivo como nova especialidade

Auxílio profissional é de suma importância na hora de adotar um filhote

“Não me deixe esquecer”: veterinários explicam Síndrome da Disfunção Cognitiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Câmara Técnica de Zootecnia, criada pelo CFMV, toma posse em Brasília (DF)

CRMV-PR realiza seu primeiro Seminário Básico de Responsabilidade Técnica On-line