in

Lesões dermatológicas apresentadas pelos felinos podem confundir o diagnóstico médico

Conhecer cada uma delas, bem como os exames complementares, auxilia na hora do parecer

Gatos sempre podem ser uma surpresa para os médicos-veterinários, principalmente quando o assunto são as manifestações das lesões dermatológicas na espécie.

O médico-veterinário, com atendimento em Dermatologia Veterinária no Pet Care Hospital Veterinário e ex-presidente Associação Brasileira de Dermatologia Veterinária, Luiz Eduardo Bagini Lucarts, explica que, nos felinos, as lesões cutâneas elementares são classificadas como alterações de cor vasculosanguíneas (eritema e cianose, como exemplos) ou pigmentares (hiperpigmentação ou despigmentação), formações sólidas (pápulas, nódulos ou tumores), coleções líquidas (como vesículas, pústulas, abscessos ou hematomas), alterações de espessura (como a hiperqueratose, esclerose ou atrofia), as perdas e reparações teciduais (como as escamas, úlceras e erosões), além das elevações edematosas, como o angioedema e a urticária.

Já a médica-veterinária mestra e ex-coordenadora das regionais e distritais da ABDV, coordenadora do curso de pós-graduação em Dermatologia Veterinária da ANCLIVEPA-SP e responsável pelo atendimento dermatológico na Clínica SkincareVet, no Hospital VetQuality e no Hospital 4Cats, Júlia Só Severo, recorda de um ponto importante: os gatos possuem características bastante peculiares e, portanto, não podem ser confundidos com cães de pequeno porte.

“Esse fato se torna particularmente evidente no que diz respeito à manifestação de anormalidades dermatológicas felinas. As lesões dermatológicas nos gatos podem se manifestar, muitas vezes, de forma parecida mesmo diante de quadros etiológicos distintos”, afirma Júlia Severo.

Com a ajuda de alguns padrões de lesão, é possível que o médico-veterinário possa diagnosticar a doença, segundo Lucarts: “Assim, é possível chegar a uma lista de diagnósticos diferenciais mais prováveis, mas não ao diagnóstico definitivo das enfermidades. “Estes pacientes podem exibir os mesmos padrões lesionais com causas etiológicas distintas. A alopecia não inflamatória, por exemplo, pode ter etiologia alérgica ou comportamental, e os animais acometidos ter lesões semelhantes”.

Clique aqui e leia a reportagem completa em nossa revista on-line. O conteúdo é gratuito!

Fonte: Redação Cães&Gatos VET FOOD. 

LEIA TAMBÉM:

Entender o processo de luto dos animais demanda paciência e atendimento especializado

CRMV-SP alerta para a importância do diagnóstico precoce de glaucoma e catarata

Raiva ainda é uma zoonose que deve estar no radar de órgãos de governo

(Foto: C&G VF)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

portaria CFMV

Nova portaria do CFMV altera composição da Câmara Técnica de Medicina Veterinária

projeto Mucky

Instituição que ampara primatas vítimas de maus-tratos foi abalada por conta da pandemia