in

Medicina Veterinária, enquanto profissão, permite que profissionais atuem em muitas áreas

Há muitas histórias a serem contadas por quem decidiu seguir essa carreira

Por conta da pandemia de Coronavírus, logo em seu início, o Ministério da Saúde decidiu que, caso fosse necessário, médicos-veterinários seriam chamados para trabalhar na linha de frente do combate à doença. Esse fato gerou memes na internet, pois muitos leigos não faziam (ou fazem) ideia de que esses profissionais são, sim, importantes para a Saúde Única, termo que trata da integração entre a Saúde Humana, a Saúde Animal, Ambiental e políticas públicas que, efetivamente, tragam prevenção e controle de enfermidades a níveis local, regional, nacional e global.

Com base nisso, para a reportagem e capa do mês do médico-veterinário desse ano, trouxemos três personagens que atuam fora dos consultórios, mas que colaboram para que toda a população, seja de nível local, como é caso da primeira entrevistada; ou nacional – e por que não podemos dizer, mundial? -, dos dois entrevistados seguintes, possa ter saúde.

O Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica (NASF-AB) foi criado pelo Ministério da Saúde, em 2008, com o objetivo de apoiar a solidificação da Atenção Básica no País. Com ele, foi possível ampliar as ofertas de saúde na rede de serviços. O NASF possui equipe multidisciplinar e, dentro dela, está o médico-veterinário, por meio da publicação da Portaria 2.488 de 21 de outubro de 2011. Faz parte do NASF a médica-veterinária Eukira Enilde Monzani, que tinha o sonho de ser profissional da Medicina Veterinária desde criança, e se formou em 2006. 

Atuando em Descalvado (SP), ela chegou ao NASF por meio do processo seletivo da Associação de Médicos-Veterinários e Zootecnistas do Município. Ela conta um pouco de como é sua rotina: “No NASF há ações conjuntas e individuais da equipe. Realizo visitas domiciliares com os agentes comunitários sempre que solicitado; orientações à população sobre zoonoses, medidas preventivas, arboviroses, doenças transmitidas por alimentos e água, entre outros”, enumera.

Outro modo de o médico-veterinário contribuir para a comunidade e que talvez poucos saibam é dentro dos institutos de pesquisas, como o caso do Butantan, com sede na capital paulista. Na cidade de Araçariguama (SP), o Instituto possui um amplo complexo produtivo, centros de pesquisa e a Fazenda São Joaquim. Nesse local, são criados os cavalos responsáveis pela produção de anticorpos na fabricação dos soros.

A equipe que trabalha com esses animais é formada por cinco veterinários, dois deles são a médica-veterinária, coordenadora de Produção e Responsável Técnica da Obtenção de Plasma Hiperimune (OPH), Camila Bianconi, e o médico-veterinário Luis Fernando Oliveira.

Onde Camila e Luis Fernando trabalham é realizada a coleta do plasma, que mais tarde dá origem aos soros contra animais peçonhentos e contra vírus, incluindo, agora, o coronavírus que causa a Covid-19. Luis Fernando Oliveira está no instituto há um ano e meio e trabalha na coleta desse plasma. “Estou formado há três anos. Desde pequeno, fui criado em sítio. Tenho um tio veterinário e via ele, desde cedo, trabalhando com os animais, me inspirei muito nele e quis isso para a minha vida, trabalhar com cavalos era meu desejo”.

Clique aqui e leia, gratuitamente, a reportagem completa.

Fonte: Redação Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Veterinários comentam estratégias governamentais para controle da Raiva no Brasil

Maioria dos pets brasileiros foi adotada ou presenteada, de acordo com pesquisa

Biovet proporciona ao mercado Pet brasileiro “Vet para todos”

(Foto: C&G VF)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cuidados com pets idosos

Avert Saúde Animal traz seis importantes dicas de cuidado com animais idosos

pesquisa do CRMV-BA

CRMV-BA divulga levantamento inédito sobre o impacto da pandemia na Veterinária