in

Meu Gato no Vet, da Royal Canin, aponta curiosidades do comportamento felino

Transporte dos animais deve levar em consideração alguns fatores ambientais

Os cuidados para com um gato, assim como para qualquer outra espécie de animal de companhia, exige atenção às especificidades. Pensando nisso, a Royal Canin realiza uma campanha de conscientização em parceria com a Turma da Mônica. Meu Gato no Vet visa incluir as crianças no manejo felino.

Entre as curiosidades comportamentais acerca dos animais, a médica-veterinária Priscila Rizelo explica que os gatos de pelo curto tendem a ser mais magros e fisicamente mais ativos, enquanto os gatos de pelo comprido tendem a ser mais pesados e letárgicos. No entanto, todo gato é extremamente curioso.

“A personalidade dos gatos é moldada por vários fatores, como a genética e a primeira fase de vida do pet – período que vai de duas e nove semanas de idade – momento sensível para ele aprender coisas novas e socializar. Quanto mais positivo for o contato durante o crescimento, mais sociável e adaptado ao dia a dia do tutor será o animal quando adulto”, destaca a médica-veterinária.

(Foto: reprodução)

Perante o medo de saírem de casa, a profissional pontua que a saída da rotina não é com os gatos. “Por isso, o transporte adequado é muito importante”. “Ao transportar o gato, nunca o deixe solto no carro. Dê sempre preferência às caixas ou bolsas de transportes de materiais resistentes e que tenham aberturas em cima e na frente. É fundamental que o animal esteja familiarizado com aquele espaço”, explica.

 Para facilitar o processo, a profissional também indica deixar o objetivo de transporte sempre confortável, com cobertores macios, brinquedos e itens pessoais. “Durante o trajeto, entenda o efeito que sua própria ansiedade ou estresse pode exercer sobre seu pet, por isso, mantenha a calma e permaneça positivo. Converse em voz baixa e calma, prossiga no ritmo dele, fique atento à sua reação e use recompensas que incentivem os comportamentos desejados (alimentos e brinquedos por exemplo)”, aconselha.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Microchip em cães e gatos de estimação: qual o impacto na Saúde Pública?

Cadela que auxiliou o Corpo de Bombeiros em Brumadinho (MG) se aposenta

Sopro cardíaco pode comprometer a qualidade de vida dos animais de companhia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para facilitar comunicação, Special Dog Company atualiza embalagens da linha Ultralife

estresse nos animais

Inspeção da cavidade oral é chave para diagnóstico de diferentes problemas felinos