in

Cadela que auxiliou o Corpo de Bombeiros em Brumadinho (MG) se aposenta

Labradora tem sete anos e foi adotada por seu parceiro de trabalho

A cadela Sarah se aposentou do Corpo de Bombeiros de São Paulo, após cinco anos de trabalho, em uma cerimônia promovida pela Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC) em parceria com a Royal Canin. A cadela, da raça Labrador Retriever, recebeu uma placa para homenageá-la pelos serviços prestados à corporação.

Durante o período em que atuou ao lado de seu parceiro, Sarah participou de diversos resgates, incluindo o deslizamento da barreira de Brumadinho e o desabamento do prédio no Largo do Paissandu, em São Paulo. Agora, a cadela vai usufruir da aposentadoria com tranquilidade, pois foi adotada por seu treinador, o cabo Gerson Ferreira.

“A Sarah é uma parceira de vida e esteve ao meu lado nos momentos mais importantes da minha carreira. Trabalhamos juntos em praticamente todas as ações de salvamento desde 2015. Proporcionar uma vida tranquila para ela é o mínimo que posso fazer”, afirma o cabo.

Para o médico-veterinário, distribuidor Royal Canin e especialista em autarquias, Fernando Pecoraro, a parceria entre os cães e os homens faz parte da história da humanidade. “Por isso, é muito importante que o vínculo entre o tutor e o cão seja mantido para receber todo o carinho durante o merecido descanso”, frisa.

Atualmente, 90% das Autarquias no Brasil alimentam seus cães com produtos da Royal Canin, marca que possui em seu portfólio alimentos cientificamente desenvolvidos para atender às necessidades específicas de gatos e cães “O tipo de trabalho, intensidade, duração, condição corporal e temperatura do ambiente são fatores que influenciam na dieta desses animais. Por isso, a precisão nutricional é de extrema importância para o crescimento e manutenção da saúde desses cães”, afirma o diretor de Marketing da Royal Canin Brasil, Carlos Martella.

Faz parte do rol de raças utilizadas pela Polícia Militar do Estado de São Paulo o Pastor Alemão, Pastor Belga Malinois, Rottweiler, Doberman, Bloodhound, Golden Retriever, Labrador Retriever, Beagle e Springer Spaniel Inglês. Algumas raças são treinadas para trabalhos específicos, mas, dentre essas as mais utilizadas, são o Pastor Belga Malinois e o Pastor Alemão, devido à versatilidade, resistência física e aptidão para o trabalho policial.

“A Sarah é uma parceira de vida e esteve ao meu lado nos momentos mais importantes da minha carreira”, declara o Gerson Ferreira (Foto: divulgação)

Como é o trabalho de um cão bombeiro?

Apesar de parecer uma rotina exaustiva, os cães que atuam em missões de busca e salvamento são treinados e preparados para lidar com esse tipo de situação. Quando pequenos, já participam de atividades e brincadeiras que estimulam o desenvolvimento de algumas habilidades, como faro e força. Com o passar do tempo, os exercícios se tornam mais complexos, visando a adaptação dos animais para os mais diversos cenários, de forma a não estranharem no momento da missão.

Normalmente, a primeira certificação para o cão atuar em missões surge em até dois anos e, a partir daí, com novos treinamentos, ele pode obter outras certificações, de acordo com suas especializações.

A Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC) incentiva as boas práticas da criação de cães de raça. “É assim que habilidades fantásticas como as desses cães de busca e salvamento, entre outras, são preservadas. A parceria entre cães e homens é fantástica em vários sentidos e o trabalho social desenvolvido pelo Corpo de Bombeiros da Polícia Militar de São Paulo, e de outros Estados, evidencia a importância dessa atividade”, resume o presidente da CBKC, Fábio Amorim.

Ao estudar e preservar as características individuais das raças, “é possível entender melhor o animal e seu relacionamento com o homem, como, também, conhecer qual a raça que está apta a realizar serviços como este e outros, como a função de cão-guia de deficientes visuais, farejador e até mesmo no auxílio do tratamento de crianças portadoras do Transtorno do Espectro Autista, de Companhia, segurança, detecção de artefatos explosivos e drogas, até mesmo monitoramento da saúde, entre vários outros”, explica Amorim.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Dia do Gato: esse pet prefere viver sozinho ou gosta de companhias?

Vagas de emprego no setor pet apresentaram crescimento de 13% em 2020

CFMV e Ministério da Saúde planejam ações de controle de zoonoses em aldeias indígenas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dia do gato: pet gosta de companhias?

Dia do Gato: esse pet prefere viver sozinho ou gosta de companhias?

foto Clyde no calendário Ourofino Pet

Ourofino Pet divulga as 12 ONGs que irão estampar seu calendário 2022