in

PremieRpet promove campanha “Não brinque com fogos, brinque com o seu pet”

Iniciativa visa conscientizar a pessoas a não soltarem rojões nas festas juninas

As comemorações mais típicas e esperadas entre os brasileiros já chegaram: a festa junina. Em tempos de pandemia, não são esperados nem permitidos grandes festejos, mas eles tendem a ser substituídos por festas em casa, que têm se tornado cada vez mais comuns.

Famosa pelas comidas típicas, a festa junina também é marcada pelos sons de fogos, rojões e outros efeitos sonoros que podem gerar uma série de transtornos para os pets, especialmente aos cães. No caso das festas caseiras, o risco é até maior, pois o barulho pode ficar ainda mais perto dos animais.

Para ajudar a reduzir o estresse dos cães e gatos durante o período, a PremieRpet criou a campanha “Não brinque com fogos, brinque com o seu pet”, que convida os tutores a comemorarem a festa junina e se engajarem em uma ação contra o uso de fogos nas comemorações.

A campanha conta com ações informativas e brindes em pontos de venda de todo o País, site com orientações veterinárias, um vídeo ensinando a lidar com a situação de estresse e até um filtro no Instagram para os tutores manifestarem seu apoio ao não uso de fogos.

pets e fogos de artifício
Se o pet se esconder e não quiser interagir, o mais importante é respeitar o comportamento (Foto: reprodução)

Dicas para minimizar o desconforto

De acordo com o médico-veterinário e supervisor de Capacitação Técnico-Científica da PremieRpet, Flavio Silva, é importante saber identificar quando os pets estão assustados e conhecer maneiras para ajudá-los nesse momento de insegurança. Com o medo do som dos fogos de artifício, os cães, por exemplo, podem manifestar o incômodo com latidos, agitação, tremor, salivação excessiva e tendem a buscar segurança nos tutores ou procurar um abrigo. Por isso, ele orienta:

  • Acolha o animal em um cômodo fechado e seguro para abafar ao máximo os ruídos dos fogos. Vale ligar um som ou a TV para camuflar o barulho externo;
  • Coloque petiscos dentro de uma caixa de papelão e incentive-o a rasgar e encontrar o alimento;
  • Disponibilize uma garrafa pet com cookies ou petiscos. Faça furos e deixe em um local calmo para que eles consigam tirar e degustar (caso o pet não esteja habituado a brincar dessa forma, faça furos maiores);
  • Brinque com o pet para demonstrar a ele que está em um ambiente seguro. Vale investir em atividades para estimular o faro, a “caça” e a alimentação;
  • Se o pet se esconder e não quiser interagir, o mais importante é respeitar o comportamento, observar e esperar o melhor momento para oferecer um ambiente com brinquedos e estímulos positivos;
  • Fique atento, também, aos quitutes juninos! Alimentos que fazem a alegria dos humanos podem esconder perigos aos animais, por isso, é preciso resistir aos olhares pidões e não compartilhar as refeições e aperitivos com os pets;
  • E lembre-se: sempre que necessário, consulte um médico-veterinário ou zootecnista especializado em comportamento de cães e gatos.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Número de animais doadores de sangue está abaixo do necessário para suprir demanda

Câmara Técnica de Medicina Veterinária do CFMV toma posse durante cerimônia

Lei em Campo Grande (MS) permite registro oficial de cães e gatos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dia do doador de sangue

Vetnil destaca a atuação e importância dos bancos de sangue para animais de companhia

gatos e crianças com autismo

Estudo: companhia de gatos ajuda no emocional e social de crianças com autismo