Cães e gatos logo

Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Pets e Curiosidades

Profissional explica como e por que é importante cortar as unhas dos animais de companhia

Por Equipe Cães&Gatos
unhas
Por Equipe Cães&Gatos

Unhas podem encravar, quebrar e atrapalhar o equilíbrio e o caminhar dos animais. O hábito de cortar regularmente as unhas dos pets é essencial para se manter a higiene, o bem-estar e a saúde deles, principalmente se não vivem em locais com superfícies abrasivas.

Os tutores devem ter cuidado para não machucar ou causar sangramentos durante o corte. Segundo o coordenador do curso de Medicina Veterinária da Faculdade Anhanguera, Frederico Fontanelli Vaz, as unhas grandes atrapalham o caminhar dos animais, causam dor, podendo até desencadear problemas musculoesqueléticos com o passar do tempo. 

“A maioria dos tutores tem receio e até medo de cortar as unhas dos cães, com razão, e os animais acabam tendo as unhas cortadas apenas quando vão ao médico-veterinário ou ao petshop tomar banho. Mas esse procedimento deve ser feito, em média, a cada duas semanas, principalmente se o pet não viver em um local com superfícies abrasivas. Além de garantir o bem-estar do bicho, evita também acidentes domésticos com o cão, com crianças, e ajuda na conservação de móveis e objetos do ambiente onde o pet vive”, afirma o docente. 

Procedimento deve ser feito, em média, a cada duas semanas, principalmente se o pet não viver em um local com superfícies abrasivas (Foto: reprodução)

Anatomia da unha do cachorro 

As unhas dos cachorros são parecidas com as humanas: a parte firme e rígida da unha é formada por queratina, uma proteína sintetizada por muitos seres vivos para formar diversas estruturas do corpo. A diferença é que os cães apresentam uma estrutura chamada “sabugo”, uma rede muito sensível de vasos sanguíneos responsável por nutrir a unha do animal. 

O sabugo é uma região rosada, facilmente identificável em animais que têm a unha clara. Nesses casos, segundo o médico-veterinário, é mais fácil o ato de cortar a unha. “O problema é quando o animal tem unha escura: é preciso ir aparando a unha do cachorro por partes, para não cortar o sabugo. Caso a região seja atingida, é possível que haja sangramento”, alerta.

Para identificar o momento certo de cortar a unha do animal, o tutor pode ficar atento se o cão produz barulho de atrito com o chão ao caminhar, uma espécie de “tic-tic”. “Em alguns casos, se a unha estiver incomodando o pet, seu caminhar sofrerá alterações e poderá ter dificuldade para andar, como claudicação e limitações do movimento”, esclarece o docente. 

Unha grande pode causar problemas 

Com o passar do tempo, de acordo com Vaz, as unhas podem encravar, quebrar e causar até problemas de mobilidade, locomoção e dores na coluna do animal. Sem o devido corte, elas crescem de forma curvada, podendo até penetrar na patinha do cachorro. A boa notícia é que com a manutenção regular, o sabugo acaba retraindo, facilitando cada vez mais os próximos cortes nas unhas. 

O tutor também deve prestar atenção à unha do “dedo vestigial” do animal. “Os cães têm cinco dedos nos membros torácicos (anteriores) e quatro dedos nos membros pélvicos (posteriores). O dedo vestigial fica na pata da frente, que, exceto em casos de má-formação, não toca o chão quando o cachorro caminha. Por isso, essa unha tende a ser maior e curvada, e precisa ser cortada com mais regularidade”, salienta.

Segundo o profissional, se o tutor nunca cortou as unhas do pet, deve levá-lo a um médico-veterinário para ensiná-lo a cortar corretamente. “Para que o corte das unhas seja menos traumático para o animal e para o tutor, é importante realizar o procedimento desde filhote, para que ele se acostume. Além disso, é recomendável realizar o procedimento em um ambiente calmo e com luz, fazendo carinho no animal, além de recompensá-lo com algum petisco após o corte, para que ele associe o ato a um momento feliz. O tutor não pode esquecer de usar cortadores e tesouras de unha apropriadas para animais, disponíveis em diversas versões no mercado pet”, finaliza o professor universitário.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Veterinária desvenda: Será que, realmente, os gatos sempre caem de pé?

Medicina Veterinária Sistêmica foca na filosofia em prol da vida dos indivíduos

Veterinária cita doenças que podem ser evitadas com a vacinação dos gatos

Compartilhe este artigo agora no