in

Propionibacterium acnes como imunoestimulante em cães: revisão de literatura e indicações clínicas

Tal componente age no sistema imunológico favorecendo a ativação de mecanismos de defesa inespecíficos, celulares e humorais

INTRODUÇÃO

Propionibacterium acnes, anteriormente conhecida como Corynebacterium parvum, é uma bactéria anaeróbia gram-positiva que quando inativada é amplamente utilizada como modificadora de resposta biológica sob a forma de imunoestimulante (1). Tal componente age no sistema imunológico favorecendo a ativação de mecanismos de defesa inespecíficos, celulares e humorais, atuando como auxiliar na resposta imune e coadjuvantemente no tratamento de enfermidades que diminuem as defesas do organismo do animal.

Imunologicamente, a detecção de Propionibacterium acnes por parte de monócitos e macrófagos ativa a ação dessas células e desencadeia uma série de reações “em cascata”, que induzem secreção de citocinas, dinamizando as funções de defesa dos fagócitos e dos linfócitos. Quando essa resposta inespecífica, caracterizada por sua atividade fagocítica e citotóxica, não é suficiente para controlar determinado processo infeccioso, Propionibacterium acnes age favorecendo a ativação de mecanismos de defesa específicos, celulares e humorais, principalmente por estimulação de linfócitos T e B. Além disso, as células responsáveis pelas respostas inespecíficas transmitem informações para a totalidade do sistema imune, garantindo um grande fluxo de comunicação intracelular para desencadear uma resposta de defesa eficaz contra agentes diversos. Ambos os mecanismos (resposta imune inespecífica e específica) dificultam o estabelecimento de agentes infecciosos e bloqueiam sua proliferação, impedindo ou dificultando a progressão da doença clínica.

Em cães, Propionibacterium acnes pode ser utilizado como terapia única (papilomatose) ou adjuvante à terapia convencional em situações de imunossupressão, como, por exemplo, nas principais dermatopatias infecciosas que acometem a espécie (demodicidose, piodermite, dermatoses fúngicas como malasseziose e dermatofitose, dentre outras), doenças virais imunodebilitantes (p.ex. parvovirose, cinomose), enfermidades parasitárias imunossupressoras (p.ex. erliquiose, leishmaniose), dentre outras (2). Nesses casos, o intuito principal é desencadear uma resposta imune celular específica e eficaz contra diversos agentes infecciosos, dificultando o estabelecimento de infecção e bloqueando sua proliferação, o que minimiza ou impede a progressão da doença clínica.

Além disso, é possível sugerir que Propionibacterium acnes possa auxiliar estimulando a resposta imunológica durante o protocolo de vacinação canina, ademais de aumentar a resistência de animais expostos ao risco de infecções, bem como coadjuvante na terapia de pacientes com câncer, em animais utilizando fármacos imunossupressores, casos de intoxicações, naqueles que passam por estresse quando submetidos a viagens ou procedimentos cirúrgicos, dentre outras indicações clínicas.

Nesse contexto, apresentamos as principais indicações clínicas da utilização de Propionibacterium acnes como imunoestimulante em cães, conforme disposto em literatura científica.

REVISÃO DE LITERATURA

De acordo com o disputo em literatura, existe uma ampla possibilidade de utilização do agente Propionibacterium acnes como terapia única ou como adjuvante imunológico à terapia convencional nas principais enfermidades infecciosas cutâneas e/ou sistêmicas em cães, conforme segue.

Dermatopatias infecciosas caninas

Dentre as principais dermatopatias infecciosas que acometem os cães, incluem-se enfermidades parasitárias (demodicidose), bacterianas (piodermite), virais (papilomatose), fúngicas (malasseziose, dermatofitose), dentre outras menos comuns.

A demodicidose, ou “sarna negra”, é enfermidade canina que se caracteriza por reação cutânea inflamatória manifestada por duas condições principais e obrigatórias: a presença de uma quantidade supranormal de ácaros, mais comumente da espécie Demodex canis, que fazem parte da microbiota da pele dos cães e que colonizam principalmente os folículos pilosos, normalmente acometendo a derme; e um estado de imunodeficiência no animal, o que propicia a doença clínica pela excessiva proliferação do ácaro e inflamação cutânea associada (3). Segundo a distribuição corpórea das lesões, a demodicidose pode ser classificada em localizada ou generalizada, e levando em consideração a faixa etária de ocorrência das primeiras manifestações clínicas, em juvenil ou adulta. Concomitantemente à terapia acaricida e tratamento tópico, conforme a necessidade, há relatos em literatura do uso de Propionibacterium acnes como adjuvante no tratamento da demodicidose localizada e generalizada, auxiliando na diminuição da quantidade de parasitas e na melhora clínica mais rapidamente comparativamente à terapia convencional isolada (4).

Outra dermatopatia, a piodermite, constitui-se na doença de pele mais comumente encontrada na prática da medicina veterinária, principalmente em cães. As piodermites são infecções bacterianas que se instalam na pele, sendo o principal agente etiológico bactérias do gênero Staphylococcus, particularmente Staphylococcus pseudintermedius. Quanto ao aspecto clínico-patológico, as piodermites são agrupadas em superficiais e profundas, considerando-se que o limite entre elas é a camada basal. A doença superficial envolve a epiderme, derme, e folículos pilosos, já quando acomete camadas cutâneas mais basais da pele, justa ou infrafolicular, até a hipoderme, denomina-se piodermite profunda. As lesões podem ser focais, regionais ou distribuídas de forma generalizada, e o prurido pode estar associado a piodermite primária ou secundária (3). Estudos mostram que o uso de Propionibacterium acnes é eficiente como coadjuvante à antibioticoterapia em casos de piodermite recorrente em cães (5).

Já a papilomatose viral canina é enfermidade tumoral benigna, caracterizada pela formação de papilomas orais (lábios, faringe, língua), cutâneos ou oculares, acometendo cães jovens ou adultos, predominantemente os imunossuprimidos ou debilitados. Em caso de comprometimento do estado geral do animal, são adotados diferentes protocolos de tratamento, incluindo ressecção cirúrgica, criocirurgia quimioterapia sistêmica ou intralesional, drogas antivirais, vacinas autógenas e/ ou drogas imunomoduladoras (6). Também há relatos em literatura sobre o uso do Propionibacterium acnes nos tratamentos para papilomatose viral canina, mostrando como resultado a regressão dos papilomas mais rapidamente na maioria dos casos descritos (7, 8).

Doenças virais imunodebilitantes

Quanto às doenças virais sistêmicas imunossupressoras, as mais importantes devido à importância clínica e altas taxas de morbidade e mortalidade, são a parvovirose e a cinomose canina.

A enterite causada pelo parvovírus canino é um dos distúrbios infecciosos mais comuns de cães, e esse vírus é o mais prevalente nos cães com diarreia infecciosa. A parvovirose, doença altamente contagiosa, e quase sempre fatal, é causada pelas cepas do Parvovírus canino 2 (CPV-2) (9). As manifestações clínicas são, em geral, distúrbios gastroentéricos, inicialmente vômitos, seguidos por diarreia hemorrágica, levando à anorexia e rápida desidratação. 

Estudos mostraram que o uso do Propionibacterium acnes coadjuvantemente no tratamento da parvovirose canina auxilia na diminuição da frequência e intensidade de vômitos, episódios de diarreia, favorecendo a recuperação da hidratação mais rapidamente, além de diminuir a taxa de mortalidade dos animais acometidos pelo vírus. Sugere-se que tal forma de suporte também é possível com a utilização do Propionibacterium acnes em cães com cinomose concomitantemente à terapia convencional para a doença.

Enfermidades parasitárias imunossupressoras

Parasitas pertencentes ao gênero Leishmania são agentes etiológicos de doenças cutâneas, mucocutâneas e viscerais em humanos e mamíferos. A leishmaniose compreende um grupo de doenças transmitidas por vetores causadas por protozoários desse gênero e representam um importante problema de saúde pública com um amplo espectro de diversidade clínica e epidemiológica. A espécie Leishmania infantum chagasi é o agente etiológico causador de endemia no Brasil, havendo referências de casos humanos e caninos de leishmaniose visceral ocorridos, até o momento, em 23 e 25 unidades federativas do país, respectivamente.

Um dos principais problemas enfrentados no tratamento da leishmaniose são toxicidade, alto custo e resistência parasitária a drogas leishmanicidas atualmente disponíveis no mercado. Esse cenário é ainda mais pronunciado no caso da leishmaniose visceral canina (LVC) devido à baixa eficácia do drogas atualmente em uso para o tratamento de cães infectados. Diante disso, um estudo utilizando uma proteína recombinante de Leishmania infantum chagasi (rLdccys1) mais Propionibacterium acnes como adjuvante na imunoterapia de cães naturalmente infectados com LV mostra como resultado o predomínio de resposta TH1 e redução significativa de carga parasitária (10).

Entre várias espécies de Leishmania, Leishmania major e Leishmania amazonensis são alguns dos agentes causadores da doença cutânea em animais e nos humanos.  Essa doença causa o desenvolvimento de lesões cutâneas nodulares que podem evoluir para a forma difusa (11).

Em estudos envolvendo o gênero Leishmania spp., foi possível observar a potencialização dos tratamentos com a Propionibacterium acnes como adjuvante. Um ensaio in vivo utilizando camundongos das linhagens BALB/c e C57BL/6 infectados com Leishmania amazonensis, mostrou uma redução de carga parasitária significantemente maior quando o tratamento foi associado ao Propionibacterium acnes, além de mostrar aumento de linfócitos CD4+ e CD8+ e redução do tamanho da lesão (12).

Corroborando com o ensaio anterior, outro ensaio in vivo em camundongos das linhagens BALB/c e C57BL/6 infectados com Leishmania amazonensis, mostrou como resultado a ação leishmanicida, potencialização de resposta Th1 e aumento de linfócitos CD8+ dos tratamentos principalmente quando combinados com Propionibacterium acnes (11).

Como visto em literatura, existe uma ampla possibilidade de utilização do agente Propionibacterium acnes como terapia única (papilomatose) ou como adjuvante à terapia convencional nas principais enfermidades infecciosas cutâneas e/ou sistêmicas em cães. Dessa forma, supõe-se que este agente possa auxiliar estimulando o sistema imunológico e favorecendo a ativação de mecanismos de defesa inespecíficos, celulares e humorais, em outras situações, como por exemplo animais em protocolo de vacinação, na terapia de pacientes caninos com câncer, após utilização de fármacos imunossupressores, naqueles submetidos a situações de estresse (p.ex. viagens ou exposições) ou procedimentos cirúrgicos, dentre outras indicações clínicas, conforme recomendação e a critério do médico-veterinário.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Propionibacterium acnes age como um imunoestimulante, sendo indicado como auxiliar quando se almeja estimular de maneira inespecífica o sistema imunológico do animal, utilizado como terapia única em casos de papilomatose canina, ou adjuvante no tratamento em processos infecciosos que causem diminuição das defesas imunológicas do cão.

Artigo escrito por Natanni Cinthia Vitor da Rocha e Claudio Nazaretian Rossi.

LEIA TAMBÉM: 

Profissional comenta importância da atuação de zootecnistas no mercado pet 

Conselho Regional de Medicina Veterinária-CE alerta sobre a extinção de animais no Ceará 

Veterinária explica a ocorrência de hiperplasias mamárias em gatas castradas 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

adoção

Dia Nacional da Adoção: médico-veterinário fala sobre os cuidados na hora de adotar um pet

cachorro comendo

CBNA e SBNutriPet divulgam vencedores de premiação de pesquisa científica