in

“Quintais devem estar sempre limpos”, afirma veterinário ao falar sobre combate à leishmaniose

Profissional conta que cães e ambientes são principais focos de prevenção contra a doença

Considerada um problema de saúde pública no Brasil, a leishmaniose é uma doença que possui consequências graves. Problema pode resultar em mutilação, invalidez e morte de humanos e animais.

Segundo levantamento realizado pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), apontado pelo Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP), referente às Américas, em 2019, foram confirmados 15.484 registros da doença no Brasil, mais do que o triplo do computado pelo segundo e o terceiro país apontado na lista: Colômbia (5.907) e Peru (5.349

Devido a tal cenário, na Semana de Controle e Combate à Leishmaniose, que ocorre de 10 a 17 de agosto, o Regional alerta para a importância do controle da doença no País. “Os focos principais de prevenção são os cães e os ambientes, especialmente quintais”, explica o médico-veterinário Otávio Verlengia, membro da Comissão Técnica de Clínicos de Pequenos Animais (CTCPA) do CRMV-SP.

De acordo com o profissional, é muito importante evitar a proliferação dos insetos vetores da doença, que são chamados de flebotomíneos. O cuidado é semelhante ao que se recomenda contra a proliferação do mosquito da dengue, porém o foco de reprodução não está na água parada. “No caso da leishmaniose, o vetor se reproduz em qualquer tipo de matéria orgânica”, alerta Verlengia.

Em recomendação, o veterinário reforça a importância de colocar qualquer entulho orgânico diretamente no lixo e não acumular nada. “Folhas, galhos de árvores, fezes de animais, restos de madeira e lixos de um modo geral. Os quintais devem estar sempre limpos”, afirma. A orientação também vale para terrenos desocupados e criatórios de cães.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Médica-veterinária afirma: “LVC não é um atestado de óbito ao animal”

Cadela que auxiliou o Corpo de Bombeiros em Brumadinho (MG) se aposenta

Dia do Gato: esse pet prefere viver sozinho ou gosta de companhias?

(Imagem: reprodução)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aplicativo de celular para tutores foca na gestão de saúde e cuidado com pets

Raças como pastor alemão e dálmata são predispostas à epilepsia idiopática