in

Raças como pastor alemão e dálmata são predispostas à epilepsia idiopática

Predisposição ocorre por genes que podem causar má-formação de canais iônicos

Apresentada de maneiras distintas, a epilepsia canina pode ser idiopática ou estrutural. Os dois tipos possuem diferentes abordagens para tratamento e os diagnósticos exigem precisão.

Caracterizada por crises epilépticas recorrentes e crônicas, a epilepsia é a principal doença neurológica que acomete os animais de companhia. As crises, são eventos paroxísticos e estereotipados caracterizadas por hipersincronismo neuronal, devido ao desequilíbrio de neurotransmitores excitatórios (glutamato) e inibitório (GABA).

Como explica o médico-veterinário, especializado em Neurologia, Bernardo De Caro Martins, de acordo com o consenso de epilepsia canina, a epilepsia idiopática, ocorre por causa genética (provavelmente genética ou causa indeterminada) e a epilepsia estrutural, por lesões intracranianas, tais como tumores, traumas, inflamações, acidentes vasculares encefálicos.

Segundo ele, se o diagnóstico estiver atrelado à primeira, diversas raças, como pastor alemão, border collie, poodle, labrador, dálmata, dentre outras, “são predispostas por portarem genes que podem causar má-formação de canais iônicos e, desta forma, alterar os níveis de neurotransmissores excitatórios e inibitórios”.

Quer saber mais sobre o tema? Leia a reportagem completa na edição de agosto da C&G VF. Clique aqui.

Redação C&G VF.

LEIA TAMBÉM:

Médica-veterinária afirma: “LVC não é um atestado de óbito ao animal”

Cadela que auxiliou o Corpo de Bombeiros em Brumadinho (MG) se aposenta

Dia do Gato: esse pet prefere viver sozinho ou gosta de companhias?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

“Quintais devem estar sempre limpos”, afirma veterinário ao falar sobre combate à leishmaniose

Agosto Pet Cardio da Vetnil

Vetnil reforça a importância da prevenção de cardiopatias com campanha Agosto Pet Cardio