in

Saúde e bem-estar dependem diretamente da qualidade da alimentação do animal

Pets precisam de uma dieta completa e equilibrada que atenda às suas características físicas

A máxima “você é o que você come” também vale para os animais de estimação, pois é por meio de uma dieta adequada e equilibrada que todas as suas funções fisiológicas funcionarão com plenitude. Cada espécie tem hábitos e necessidades alimentares distintos, ou seja, cães e gatos terão demandas nutricionais específicas.

A alimentação ideal depende da idade, raça, porte, nível de atividade física e, o mais importante, o estado de saúde do animal. Há, no mercado, opções de alimentos para filhotes (desde o desmame até o final do crescimento), adultos e idosos. Algumas raças tendem a ter um metabolismo mais rápido e ganham peso com mais facilidade.

“As necessidades energéticas e de minerais são diferentes para cada idade e raça. Há animais de porte pequeno, médio, grande e gigante. As necessidades individuais devem ser observadas a fim de oferecer os melhores formatos e texturas, bem como composição e formulação dos alimentos”, explica o presidente da Comissão Técnica de Nutrição Animal do CRMV-SP, Yves Miceli de Carvalho.

O estado de saúde do animal é ponto determinante na hora de indicar ou prescrever um alimento. Somente o médico-veterinário está apto a avaliar e diagnosticar alguma disfunção. “Caso observe alguma enfermidade, como obesidade ou doença renal, o médico-veterinário fará uma dieta de apoio ao tratamento da doença”, diz a membro da Comissão de Responsabilidade Técnica do Regional, Carolina Padovani.

As necessidades energéticas e de minerais são diferentes para cada espécie, idade e raça (Foto: reprodução)

Atividade física e ambientação

Se um cão adulto caminha ou corre com o tutor por cerca de uma hora por dia, este animal apresenta um nível de atividade bom. Esse fator deve ser levado em consideração na quantidade em volume de alimento e energia que corresponda a essa necessidade. “No caso de animais sedentários, é preciso ter cuidado para o alimento não gerar distúrbios pelo excesso”, enfatiza Yves Miceli.

Animais que vivem em ambientes mais frios ou muito quentes têm necessidades distintas também. “Dependendo da região onde vivem, eles precisarão de alimentos que ajudem a gerar mais ou menos energia”, reforça o presidente da Comissão de Nutrição Animal.

Fonte: CRMV-SP, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Incidentes recentes com animais em voos domésticos ligam alerta dos tutores

Artigo lembra: trato gastrointestinal saudável, pet saudável

Graduandos apresentam propostas para participação do CRMV-SP no projeto Puraa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

médicos

Dia da Saúde Única lembra a importância dos veterinários, também, aos humanos

programa de residência

FMVZ-Unesp anuncia seu processo seletivo para Residência em Área Profissional da Saúde