Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Clínica e Nutrição

Síndrome de Pica é um transtorno que faz com que o gato ingira materiais não comestíveis

Por Equipe Cães&Gatos
plástico
Por Equipe Cães&Gatos

Os distúrbios alimentares apresentados pelos animais de companhia são problemas que merecem atenção dos tutores e, diante deles, é imprescindível a ida ao médico-veterinário, pois pode representar um sinal de alerta. Um desses quadros enfrentados por alguns gatos chama-se Síndrome de Pica.

A médica-veterinária que atua em Clínica Geral de Pequenos Animais, na Clínica Vetso (Sorocaba-SP), Natalia Santos Brilhante, explica que os felinos com essa síndrome ingerem, de maneira voluntária, substâncias/objetos que são inapropriados para alimentação. “Como exemplo, podemos citar a ingestão de papel, plásticos, tecidos, plantas, lã, borracha, fios, pelos, metal, sabonetes, entre outros”, enumera. 

Essa é um hábito bem diferente do comum, como citado pela médica-veterinária que atua no atendimento clínico exclusivo de felinos no Hospital Pet Care Animalia (Rio de Janeiro-RJ), pós-graduada em Clínica Médica e Cirúrgica de Felinos, pelo Instituto Qualittas, e certificada pela American Association of Feline e Practioners (AAFP) como Cat Friendly Veterinarian, Ylla Macedo, que mostra como deve ser a nutrição correta dos felinos.

“Para gatos domiciliados saudáveis, a alimentação ideal é constituída de alimentos com proteínas de alta qualidade, sejam rações secas ou úmidas, diariamente. Além disso, petiscos e outros tipos de alimento podem fazer parte da ingestão alimentar, principalmente pensando no enriquecimento ambiental/alimentar desse gato. A partir do momento em que ele se interessa por objetos que não são comestíveis, é preciso procurar ajuda de um profissional, pois pode indicar um transtorno grave”, reforça.

Confira quais são os indícios dessa compulsão e como é feito o diagnóstico e tratamento. Clique aqui para ler gratuitamente.

(Foto: C&G VF)

Fonte: Redação Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Entender os hábitos do vetor da leishmaniose visceral ajuda a se proteger contra a doença

Proteção Animal Mundial atua na soltura de dois tamanduás-bandeiras

Projeto da Petrobras encontra mais de 30 mil animais de diversas espécies mortos 

Compartilhe este artigo agora no