in

Valores de matérias-primas utilizadas em pet food subiram de 65 a 165% durante pandemia

Farinha de proteína animal, milho, arroz, trigo e soja são alguns dos itens que tiveram alteração de preço

A pandemia do coronavírus influenciou negativamente a indústria de produtos para animais de estimação. Um dos principais motivos é a alta do preço de matérias-primas. Para as companhias que produzem pet food, por exemplo, a alta foi de mais de 100% em ingredientes básicos como farinhas de carne e de vísceras, soja, trigo e óleo de frango. Já itens como arroz e milho tiveram aumento de 91% e 65%.

Dessa forma, apesar do faturamento de R$ 27 bilhões, crescimento de 21,2% em relação a 2019, o balanço geral é de que o segmento industrial tem sofrido prejuízos, mesmo levando em conta a produção de outros itens, como medicamentos e acessórios para animais de estimação.

Um dos motivos é a representatividade do pet food na cadeia de valor do setor. O alimento completo industrializado (pet food) representa 75% da receita (R$ 20,3 bilhões); produtos veterinários (pet vet), 17% (R$ 4,7 bilhões) e produtos de higiene e bem-estar animal (pet care), 8% ou R$ 2,02 bilhões. Os dados não levam em conta as movimentações de serviços gerais, serviços veterinários, venda de animais.

Isoladamente, o faturamento de pet food cresceu 24% entre as indústrias do setor. Mas defasagem é de cerca de 29% em relação aos gastos da indústria, de acordo com a Abinpet. Ou seja, o saldo para os fabricantes de alimento é negativo, mesmo com o aumento de 11% na produção. Foram 3,15 milhões de toneladas de alimento para animais de estimação produzidas em 2020. Em 2019, o número foi de 2,85 milhões de toneladas, crescimento de 3,8% em relação ao ano anterior. Pet vet cresceu 18% em faturamento e pet care, 9,5%.

A mudança de valores das matérias-primas afeta o preço do produto para o consumidor final (Foto: reprodução)

Apesar dos gargalos, um dos elementos que mantiveram a demanda alta foi o fato de que o setor foi declarado como essencial durante a pandemia. Por conta disso, as indústrias seguiram funcionando, observando protocolos sanitários. Nas ruas, os pet shops permaneceram abertos, ofertando à população itens de primeira necessidade como pet food e artigos de higiene para animais de estimação.

“Os custos de produção aumentaram muito e isso reforça o descompasso na relação de faturamento com custo. A disparidade afeta o preço do produto para o consumidor final, pois os ingredientes listados acima correspondem a 90% do custo total das matérias primas que compõem o pet food”, comenta o presidente-executivo da Abinpet, José Edson Galvão de França. Para a Abinpet, o aumento das matérias-primas causa insegurança ao setor, que é obrigado a repassar pelo menos parte dos custos aos consumidores. Em um período de crise sanitária acompanhada pela crise econômica, preocupa a indústria o impacto dos custos para as famílias.

Outro gargalo foi a ameaça de falta de embalagens para a produção de produtos para animais de estimação. A falta de insumos afetou todos os setores da indústria em 2020, e o setor pet não ficou de fora.

Por isso, o histórico de aumento no faturamento não reflete, necessariamente, crescimento real do setor. A variação alia-se à mudança de hábitos de compra do consumidor, que migra de uma linha premium para uma básica, configurando assim a desaceleração do setor pet em função do cenário econômico atual. “Fica claro que existe uma estagnação no segmento pet food, sem ganho real de crescimento em faturamento”, diz Galvão de França.

Soma-se a isso a alta carga tributária que corresponde a 51,2% (para pet food, produto mais procurado, é 54,2% sob o valor total), fazendo com que o crescimento real do setor seja baixo ou mantenha a indústria estagnada.

Mercado internacional. Os envios brasileiros para o exterior chegaram a US$ 310 milhões. Pet food foi responsável por 94% de todo o valor exportado pelo setor, de acordo com o Ministério da Economia. Pet care foi responsável por 3,73%. Produtos veterinários representaram 0,16% das exportações, e a comercialização de animais vivos, 1,83%. O crescimento foi de 5,2% em relação às exportações de 2019.

As importações brasileiras chegaram a 9,3 milhões em 2020, alta de 7,1% em relação ao ano anterior.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Acumuladores de animais devem receber ajuda psicológica e informações sobre Saúde Pública

Hill’s Pet Nutrition dá dicas sobre os cuidados fundamentais com a pele dos cães

Salário de médicos-veterinários: os pisos salariais são seguidos à risca?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Acumuladores de animais devem receber ajuda psicológica e informações sobre Saúde Pública

Special Dog Company separa dicas sobre cuidados com os pets durante o outono