in

Veterinária alerta sobre os cuidados necessários com a saúde bucal dos pets

A escovação diária pode prevenir problemas renais, intestinais, hepáticos e cardíacos

Pouco se ouve falar sobre os cuidados necessários com os dentes dos animais, assim como os humanos, cães e gatos também precisam fazer avaliações periódicas, a fim de evitar transtornos futuros com, tártaro, gengivite e placas bacterianas que podem desenvolver sérios problemas na saúde do pet. Se no ser humano essa questão pode causar infecções graves, nos animais não é diferente.

A médica-veterinária da empresa Nutrire, Cecília Papais, explica: “Se o caso se agravar, a possibilidade de penetração das bactérias na corrente sanguínea dos animais é grande. Diante disso, problemas renais, intestinais, hepáticos e cardíacos podem se desenvolver. Além disso, dor e falta de apetite são indicativos de que é preciso higienizar os dentes do pet. Essa condição pode levar à anemia e outros problemas relacionados à alimentação”.

Uma pesquisa da Animal Foundation revela que 80% dos cães com 3 anos de idade possuem doença periodontal. O percentual elevado, indica preocupação sobre a saúde dos animais, visto que muitas vezes, em casos mais severos, pode levar à extração dos dentes.

escovação
Para identificar a presença de tártaros, basta observar sinais como mau-hálito, dentes escuros e sangramentos na gengiva (foto: reprodução)

De maneira a conscientizar e sinalizar que a prevenção é o melhor remédio, Cecília reforça a ideia da escovação diária dos dentes de cães e gatos. Além disso, a médica-veterinária pontua que, “para identificar a presença de tártaros, basta observar sinais como mau-hálito, dentes escuros e sangramentos na gengiva”.

“Quem leva o pet frequentemente ao veterinário é orientado conforme a necessidade de cada animal. A periodicidade da limpeza vai ser determinada pela idade e condição de saúde de cada pet. Somente o especialista pode fazer o diagnóstico e orientar as medidas de prevenção e/ou correção do problema”, alerta Cecília.

A veterinária tranquiliza os tutores que têm medo do procedimento de limpeza, “Muitas pessoas acreditam ser arriscado fazer a higienização bucal do seu pet nas clínicas, mas é mais arriscado ainda deixá-los sem esse atendimento. A sedação é necessária para que o animal seja controlado e o médico possa limpar cantos mais escondidos. Ademais, são realizados exames prévios para verificar a saúde geral do pet. Vale ressaltar que diversas técnicas sedativas podem ser utilizadas, opções cada vez mais seguras”, explica.

Aos tutores, a prevenção pode ser iniciada em casa, “a primeira dica é a mais importante: utilize apenas pastas específicas para animais, qualquer outra pode causar intoxicação. Depois, introduza a escovação dentária aos poucos, sem pressão”, indica. Alguns pets demonstram resistência à escovação, por isso, iniciar aos poucos faz toda diferença “Uma gaze antes da introdução da escova é fundamental, mais ainda no processo de adaptação do pet. Escolha um momento tranquilo. O cuidado com a gengiva é importante, pois a boca do animal é mais sensível do que a do ser humano”, acrescenta.

Vale ressaltar que, para o procedimento, há escovas próprias para os animais, feitas para a estrutura bucal deles, além disso, é importante chamar o pet carinhosamente antes de iniciar o processo de limpeza, e parabenize-o ao final. Assim, tem grandes chances do bicho associar esse momento com algo muito bom. 

Fonte: A.I, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Publicação de artigos científicos durante graduação pode abrir portas no mercado de trabalho

Atenção aos cuidados necessários para evitar pulgas e carrapatos indesejados no verão

Diabetes em cães e gatos é motivo de alerta para os tutores, doença pode ser silenciosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

capiravas sorocaba

Acidentes com capivaras alertam moradores sobre os riscos de contaminação

Lançamento de livro on-line

Médica-veterinária lança livro sobre “Bem-estar dos cães e gatos e medicina comportamental”