in

Boehringer Ingelheim lança vacina que combate Doença Respiratória Infecciosa Canina

A vacina Recombitek Oral Bordetella tem como diferencial a aplicação via oral, menos invasiva que as injetáveis e aliada do bem-estar animal

A Boehringer Ingelheim lançou a vacina Recombitek Oral Bordetella, que auxilia no combate da Doença Respiratória Infecciosa Canina (CIRD), também conhecida como “gripe canina”. Trata-se de uma vacina oral e de fácil aplicação, pois é menos invasiva que as vacinas injetáveis, proporcionando menos estresse aos animais. Esse diferencial no mercado foi possível tanto pelo know how em tecnologia vacinal, quanto pelo desenvolvimento de uma pipeta ergométrica exclusiva e patenteada pela companhia.

“É um lançamento muito importante para a empresa, que tem planos desafiadores para o mercado de vacinas para pets no Brasil. Com a chegada de Recombitek Oral Bordetella, ampliamos o nosso portfólio para torná-lo ainda mais competitivo no mercado e para aumentar a comercialização de vacinas orais no País, que ainda buscam espaço entre as nasais e injetáveis” afirma a médica-veterinária e gerente da área de Pets da Boehringer Ingelheim, Juliana Goldschmidt.

A Recombitek Oral Bordetella é fabricada na Geórgia (EUA). Ela deve ser aplicada em cães de no mínimo 8 semanas de idade e demonstra imunidade uma semana após a vacinação. Por não se tratar de uma vacina de aplicação obrigatória, muitos tutores esquecem de imunizar seus cães contra a “gripe canina”, o que pode desencadear surtos locais e acarretar sérios problemas aos animais, causando até mesmo a morte.

Trata-se de uma vacina oral e de fácil aplicação, pois é menos invasiva que as vacinas injetáveis, proporcionando menos estresses aos animais
(Foto: reprodução)

De acordo com a gerente técnica da área de Pets da Boehringer Ingelheim, Karin Botteon, é fundamental que os tutores se conscientizem e imunizem seus animais para garantir uma vida saudável e plena, evitando doenças que podem afetar gravemente a saúde. “Vacinar corretamente os animais é questão de saúde pública veterinária e é um tema que deve ser discutido e ampliado entre indústria, médicos-veterinários, governos e tutores. Nós temos à disposição os meios de impedir a disseminação de enfermidades e garantir o bem-estar de animais e seres humanos por meio de vacinas, medicamentos e tratamentos, e devemos utilizá-los”.

Karin Botteon esclarece que a CIRD é causada principalmente pela bactéria Bordetella bronchiseptica, geralmente considerada o agente patogênico primário. A transmissão ocorre diretamente por gotículas ou aerossóis expelidos pelas vias aéreas dos cães ou indiretamente por objetos contaminados compartilhados. A Bordetella fixa-se às células epiteliais no trato respiratório e produz muco, causando lesão. O tempo a partir da infecção até o surgimento de sinais clínicos pode durar de 36 horas a 10 dias e podem persistir por várias semanas.

Os principais sintomas apresentados são tosses frequentes, normalmente secas e curtas. Em casos severos, os cães apresentam letargia, anorexia, dispneia e intolerância a exercícios. Ocasionalmente, a doença pode evoluir para pneumonia e até mesmo a morte.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Profissional comenta importância da atuação de zootecnistas no mercado pet

Conselho Regional de Medicina Veterinária-CE alerta sobre a extinção de animais no Ceará

CRMV-SP promove ciclo de palestras em Responsabilidade Técnica e saúde pública

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

remédio

Biovet lança produto que oferece “força tripla” no alívio dos efeitos de alergias em pets

médico-veterinário

CRMV-PR promove estudo da Demografia Médico-Veterinária Brasileira