Cães e gatos logo

Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Marketing e Produtos

Cães também podem apresentar alergias alimentares 

Problemas na pele são os principais sinais de que o animal pode ser alérgico
Por Equipe Cães&Gatos
alergia
Por Equipe Cães&Gatos

Assim como acontece com os seres humanos, os cães podem desenvolver reações alérgicas relacionadas à alimentação. Problemas na pele, como as incômodas coceiras (prurido), manchas vermelhas (eritema), áreas sem pelos (alopecia), hiperpigmentação e até lesões podem significar que o pet apresenta uma resposta a algum elemento da dieta – geralmente as proteínas. As manifestações podem surgir em qualquer parte do corpo do animal, inclusive nos ouvidos, causando até otite externa. A maioria das reações é cutânea, mas elas podem acontecer, também, de forma gastrointestinal, com diarreia e vômitos. 

A incidência de hipersensibilidade alimentar em cães é mais comum do que parece: estima-se que cerca de 10 a 25% das alergias cutâneas nestes animais sejam de origem nutricional e podem surgir em qualquer idade. Portanto, se o pet apresentar algum destes sintomas, é importante levá-lo ao médico-veterinário para investigar a causa do problema e indicar o tratamento adequado. 

São necessárias de seis a 12 semanas para a melhora dos sinais clínicos relacionados à alergia alimentar, e a dieta tem papel fundamental (Foto: reprodução)

Diagnóstico 

Realizar o diagnóstico destes casos é um desafio. A médica-veterinária da Adimax e doutora em nutrição de cães e gatos, Mariana Fragoso Rentas, explica: “As reações adversas de origem alimentar que o animalzinho pode apresentar são muito parecidas com as de outras doenças. Quando há suspeita clínica, é importante realizar uma dieta de eliminação, e essa análise é feita em etapas, o que requer organização, tempo e paciência, tanto do veterinário quanto do tutor”. 

Mariana explica que são necessárias de seis a 12 semanas para a melhora dos sinais clínicos relacionados à alergia alimentar, e a dieta tem papel fundamental, tanto no diagnóstico quanto no tratamento: “Durante esse período, é muito importante que o animal não receba nenhum outro tipo de alimento além daquele recomendado pelo veterinário, para permitir a correta avaliação. Isso também inclui os petiscos, que são próprios para eles, mas que não devem ser oferecidos nesta fase. Além disso, quaisquer outros medicamentos devem ser suspensos para que apenas os resultados da mudança na dieta sejam observados”.  

Tratamento

Quando a alergia alimentar é confirmada, após a dieta de eliminação, a base do tratamento será o uso de uma dieta hipoalergênica. “Os alimentos hipoalergênicos passam a ser essenciais na dieta do animalzinho diagnosticado com hipersensibilidade alimentar. Eles são formulados com proteínas diferenciadas, sendo as proteínas hidrolisadas as mais indicadas, pois seu peso molecular reduzido impede que as células de defesa do organismo dos cães as reconheçam como antígenos, não desencadeando, assim, as reações alérgicas”, orienta Mariana.  

A médica-veterinária destaca ainda que, como a condição não tem cura, esses cuidados devem ser mantidos pelo resto da vida do animal. 

Fórmula Natural Vet Care Hipoalergênica é um alimento coadjuvante para a hipersensibilidade alimentar, que foi formulado segundo os conceitos mais avançados de nutrição clínica. Ele contém fonte única de carboidrato, proteína hidrolisada de baixo peso molecular, é rico em EPA e DHA e contém antioxidantes naturais. A linha de produtos Fórmula Natural Vet Care oferece alimentos para enfermidades distintas e possui diferenciais únicos que atendem a tutores que buscam um alimento coadjuvante com conservantes naturais e livre de ingredientes transgênicos, podendo ser utilizado tanto no diagnóstico quanto no tratamento de cães com hipersensibilidade alimentar.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães e Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Quais as funções atribuídas a um zootecnista?

Como transportar o pet de forma segura dentro de um carro?

Indústria pet deve faturar R$ 46,4 bilhões em 2023

Compartilhe este artigo agora no